Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Gal relê 'Cartão' de Rita entre voo de 'Acauã e 'Arara' no show 'Estratosférica'

SALVADOR (BA) - Blues-rock composto por Rita Lee com Paulo Coelho e lançado há 40 anos pela Ovelha Negra no álbum que é a obra-prima da discografia de Rita na fase Tutti Frutti (Fruto proibido, 1975, Som Livre), Cartão postal é uma das boas surpresas do roteiro do show Estratosférica, estreado por Gal Costa na noite de ontem, 27 de setembro de 2015. No palco da sala principal do Teatro Castro Alves, em Salvador (BA), a cantora baiana foi além do inspirado repertório do álbum Estratosférica - lançado em maio pela gravadora Sony Music e mote do show dirigido por Marcus Preto com produção musical de Pupillo - e apresentou também samba inédito de Marcelo Camelo, Pelo fio, de tom bossa-novista. Acauã (Zé Dantas, 1952) e Arara (Lulu Santos, 1987) - música lançada por Gal em um de seus discos mais controvertidos, Lua de mel como o diabo gosta (BMG-Ariola, 1987) - também alçaram voos na rota essencialmente roqueira do roteiro da estreia nacional do show Estratosférica entre um iê iê iê nada romântico do compositor baiano Tom Zé, Namorinho de portão (Tom Zé, 1968), e um sucesso transcendental de Jorge Ben Jor, Os alquimistas estão chegando os alquimistas (1974). Eis o roteiro seguido em 27 de setembro de 2015 por Gal Costa - em foto de Mauro Ferreira - na estreia nacional do show Estratosférica no Teatro Castro Alves, em Salvador (BA), cidade natal dessa senhora cantora que completou 70 anos na véspera da bem-sucedida estreia:

1. Sem medo nem esperança (Arthur Nogueira e Antonio Cícero, 2015)
2. Mal secreto (Jards Macalé e Waly Salomão, 1971)
3. Jabitacá (Lirinha, Junior Barreto e Bactéria, 2015)
4. Não identificado (Caetano Veloso, 1969)
5. Namorinho de portão (Tom Zé, 1968)
6. Ecstasy (João Donato e Thalma de Freitas, 2015)
7. Casca (Jonas Sá e Alberto Continentino, 2015)
8. Dez anjos (Milton Nascimento e Criolo, 2015)
9. Acauã (Zé Dantas, 1952)
10. Cabelo (Jorge Ben Jor e Arnaldo Antunes, 1990)
11. Quando você olha pra ela (Mallu Magalhães, 2015)
12. Cartão postal (Rita Lee e Paulo Coelho, 1975)
13. Pelo fio (Marcelo Camelo) - música inédita
14. Três da madrugada (Carlos Pinto e Torquato Neto, 1973)
15. Sim, foi você (Caetano Veloso, 1965)
16. Como dois e dois (Caetano Veloso, 1971)
17. Pérola negra (Luiz Melodia, 1971)
18. Por baixo (Tom Zé, 2015)
19. Arara (Lulu Santos, 1987)
20. Estratosférica (Céu, Pupillo e Junior Barreto)
21. Os alquimistas estão chegando os alquimistas (Jorge Ben Jor, 1974)
Bis:
22. Meu nome é Gal (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1969)
23. Vou buscar você pra mim (Guilherme Arantes, 2015)
Bis 2:
24. Vingança (Lupicínio Rodrigues, 1951)
25. Você me deu (Caetano Veloso e Zeca Veloso, 2015)

17 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ SALVADOR (BA) - Blues-rock composto por Rita Lee com Paulo Coelho e lançado há 40 anos pela Ovelha Negra no álbum que é a obra-prima da discografia de Rita na fase Tutti Frutti (Fruto proibido, 1975, Som Livre), Cartão postal é uma das boas surpresas do roteiro do show Estratosférica, estreado por Gal Costa na noite de ontem, 27 de setembro de 2015. No palco da sala municipal do Teatro Castro Alves, em Salvador (BA), a cantora baiana foi além do repertório do álbum Estratosférica - lançado em maio pela gravadora Sony Music e mote do show dirigido por Marcus Preto com produção musical de Pupillo - e apresentou também samba inédito de Marcelo Camelo, Pelo fio, de tom bossa-novista. Acauã (Zé Dantas, 1952) e Arara (Lulu Santos, 1987) - música lançada por Gal em um de seus discos mais controvertidos, Lua de mel como o diabo gosta (BMG-Ariola, 1987) - também alçaram voos na rota essencialmente roqueira do roteiro da estreia nacional do show Estratosférica entre um iê iê iê nada romântico do compositor baiano Tom Zé, Namorinho de portão (Tom Zé, 1968), e um sucesso transcendental de Jorge Ben Jor, Os alquimistas estão chegando os alquimistas (1974). Eis o roteiro seguido em 27 de setembro de 2015 por Gal Costa - em foto de Mauro Ferreira - na estreia nacional do show Estratosférica no Teatro Castro Alves, em Salvador (BA), cidade natal dessa senhora cantora que completou 70 anos na véspera da bem-sucedida estreia:

1. Sem medo nem esperança (Arthur Nogueira e Antonio Cícero, 2015)
2. Mal secreto (Jards Macalé e Waly Salomão, 1971)
3. Jabitacá (Lirinha, Junior Barreto e Bactéria, 2015)
4. Não identificado (Caetano Veloso, 1969)
5. Namorinho de portão (Tom Zé, 1968)
6. Ecstasy (João Donato e Thalma de Freitas, 2015)
7. Casca (Jonas Sá e Alberto Continentino, 2015)
8. Dez anjos (Milton Nascimento e Criolo, 2015)
9. Acauã (Zé Dantas, 1952)
10. Cabelo (Jorge Ben Jor e Arnaldo Antunes, 1990)
11. Quando você olha pra ela (Mallu Magalhães, 2015)
12. Cartão postal (Rita Lee e Paulo Coelho, 1975)
13. Pelo fio (Marcelo Camelo) - música inédita
14. Três da madrugada (Carlos Pinto e Torquato Neto, 1973)
15. Sim, foi você (Caetano Veloso, 1965)
16. Como dois e dois (Caetano Veloso, 1971)
17. Pérola negra (Gal Costa, 1971)
18. Por baixo (Tom Zé, 2015)
19. Arara (Lulu Santos, 1987)
20. Estratosférica (Céu, Pupillo e Junior Barreto)
21. Os alquimistas estão chegando os alquimistas (Jorge Ben Jor, 1974)
Bis:
22. Meu nome é Gal (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1969)
23. Vou buscar você pra mim (Erasmo Carlos, 2015)
Bis 2:
24. Vingança (Lupicínio Rodrigues, 1951)
25. Você me deu (Caetano Veloso e Zeca Veloso, 2015)

Unknown disse...

Mauro, Vou buscar você pra mim é de Guilherme Arantes!

Mauro Ferreira disse...

Claro. Surtei, desconhecido. Grato pelo toque. Abs, MauroF

Rafael M. disse...

Roteiro impecável, com uma música melhor do que a outra... Gal vale tudo isso... E mais!!! :)

Marcelo disse...

Que maravilha ver Gal florida no palco ao invés daquele preto insistente que ela usava!! Torcendo pr virar cd ao vivo e DVD. Gal merece sempre um registro pra compensar o não registro oficial de seu passado e de seus memoráveis shows!

italo vinicius disse...

Mauro bom dia vc colocou pérola negra como composição de Gal ao invés de Luiz Melodia

Jorge disse...

Mauro, "Pérola negra" é de Luiz Melodia! Um abraço.

Mauro Ferreira disse...

Obrigado, Jorge! Sem querer justificar este lapso, não é fácil publicar roteiro e resenha com a internet intermitente de um hotel. Abs, MauroF

ADEMAR AMANCIO disse...

Adorei o figurino da Gal... Parece a cortina da minha sala.

O blog disse...

Sinto cheiro de mais um trabalho ao vivo a ser lançado aí (rs). Adoro quando as veteranas cantoras se renovam e gravam coisas novas além do seu tempo, como aconteceu com Fafá de Belém e Elba Ramalho. Pena que outras cantoras não fazem o mesmo. O novo cd da Gal é muito bom. Inovação sempre!

Ronei Vieira disse...

"Mal secreto" <3
Sempre quis ver a Gal cantando essa música ao vivo... Vou ver dia 23 aqui em Goiânia!!! Preparando a alma desde já! rsrsrs

Chico disse...

Não vi ainda o show, mas fiquei decepcionado com o roteiro saudosista do Gal Fatal que não acompanhou a inovação de repertório do disco novo.

Henrique disse...

Não achei saudosista o roteiro. Apesar de alguns acenos necessários ao passado (afinal, são 70 anos de vida e 50 de uma carreira luminosa), a predominância é de canções do álbum atual.

Henrique disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ary disse...

O roteiro é ousado, interessante, corajoso.
O problema é que o público mais afeito aos ingressos caros é mais conservador.
Curitiba foi cancelado por baixa venda (ingresso caríssimo, 600 a inteira, erro de estratégia da Sony).
Porto Alegre não está vendendo bem (acho que escolheram um lugar muito grande, com 3000 lugares, dos quais nem um terço vendidos e o show é na sexta).
Fico pensando também que o bem sucedido show Caetano/Gil, com ingressos bem acima do padrão brasileiro, tenha sugado os recursos do público de MPB, especialmente na atual conjuntura brasileira.
Mas, repito, palmas para Gal pela ousadia, e espero que o show consiga encontrar seu público.
Um show mais roqueiro tenderia ser mais adequado a lugares maiores com ingressos mais baixos, mas não sei se a Gal teria público suficiente. Talvez a melhor estratégia seja Sesc, pela combinação de teatro e preço baixo.

Nivaldo Andrade disse...

Mauro, o correto é "sala principal" e não "sala municipal". O Teatro Castro Alves pertence ao Governo do Estado da Bahia e não à Prefeitura. A referência equivocada à "sala municipal" aparece repetidamente nas diversas notícias. De resto, um texto impecável.

Mauro Ferreira disse...

Obrigado, Nivaldo. Abs, MauroF