Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Fito & Moska oscilam na ponte Brasil-Argentina erguida pelo CD 'Locura total'

Resenha de CD
Título: Locura total (edição brasileira)
Artista: Fito Paez & Moska
Gravadora: Sony Music
Cotação: * * 1/2

Por suas habituais conexões com cantores e compositores da América Latina, como o uruguaio Jorge Drexler e o argentino-americano Kevin Johansen, o cantor e compositor carioca Moska era mesmo o nome mais adequado para criar e gravar um disco com o cantor e compositor argentino Fito Paez, ícone do rock portenho. Projeto arquitetado pela gravadora Sony Music, o álbum Locura total foi precedido por single de irresistível apelo pop, Hermanos (música de Fito Paez com letra de Moska), que fez ode à fraternidade e aumentou a expectativa sobre o disco (embora Hermanos soe mais natural e cativante na versão em espanhol do que com a letra em português). Mas a audição do CD produzido por Liminha decepciona. Irregular, a safra das 12 músicas inéditas autorais faz com que Fito e Moska oscilem na ponte erguida pelo disco para conectar Brasil e Argentina. A propagação da irmandade entre os habitantes dos dois países é feita de forma explícita no samba Flores de abraços (Moska), música que encerra o disco, mas essa filosofia humanista pauta todo o repertório e a própria ideia do disco. O problema é que as letras e as melodias estão geralmente aquém dos históricos discográficos dos dois artistas. Os rocks - como o autorreferente Milagros y heridas (Fito Paez) e o luminoso O sol ainda será brilhante (música de Fito Paez com letra de Moska) - até soam naturais porque o gênero rege a obra de Fito e também já esteve presente na discografia de Moska. Em contrapartida, quando os artistas procuram cair na bossa e no samba tropicais, o resultado é insatisfatório. Fito soa como gringo no samba em Garota muchacha (Moska), tema que versa - com alusões ao universo portenho - sobre o amor da personagem-título por um malandro do tango. Filhos do amor (Moska) é outro samba que reitera a inabilidade da dupla para cair no estilo com espontaneidade. A música-título Locura total (Fito Paez e Moska) tem algo da bossa carioca sem seduzir com seus versos imagéticos que evocam símbolos míticos da Bahia. Já Onde você passou a noite? (Moska com letra de Carlos Rennó) é pop rock de grooves funkeados. Como letrista, Moska persegue o lirismo do cancioneiro de Fito em Impossível escrever sobre o nada, canção que ostenta melodia do argentino. No saldo geral, a balada Adiós a las cosas (música de Fito Paez com letra de Moska) se impõe como bom momento de um disco que mostra que nem sempre o carioca e o argentino se afinam na música. Locura total é um disco descontraído que tem até apelo pop. Talvez por isso decepcione quem conhece o tom mais denso das obras pregressas de Fito Paez e Paulinho Moska. A intenção pode ter sido a melhor possível, porque Argentina e Brasil são países vizinhos que ainda se (des)conhecem como estranhos, mas o resultado do CD Locura total está longe da expectativa gerada pelo encontro entre os dois artistas.

7 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Por suas habituais conexões com cantores e compositores da América Latina, como o uruguaio Jorge Drexler e o argentino-americano Kevin Johansen, o cantor e compositor carioca Moska era mesmo o nome mais adequado para criar e gravar um disco com o cantor e compositor argentino Fito Paez, ícone do rock portenho. Projeto arquitetado pela gravadora Sony Music, o álbum Locura total foi precedido por single de irresistível apelo pop, Hermanos (música de Fito Paez com letra de Moska), que fez ode à fraternidade e aumentou a expectativa sobre o disco (embora Hermanos soe mais natural e cativante na versão em espanhol do que com a letra em português). Mas a audição do CD produzido por Liminha decepciona. Irregular, a safra das 12 músicas inéditas autorais faz com que Fito e Moska oscilem na ponte erguida pelo disco para conectar Brasil e Argentina. A propagação da irmandade entre os habitantes dos dois países é feita de forma explícita no samba Flores de abraços (Moska), música que encerra o disco, mas essa filosofia humanista pauta todo o repertório e a própria ideia do disco. O problema é que as letras e as melodias estão geralmente aquém dos históricos discográficos dos dois artistas. Os rocks - como o autorreferente Milagros y heridas (Fito Paez) e o luminoso O sol ainda será brilhante (música de Fito Paez com letra de Moska) - até soam naturais porque o gênero rege a obra de Fito e também já esteve presente na discografia de Moska. Em contrapartida, quando os artistas procuram cair na bossa e no samba tropicais, o resultado é insatisfatório. Fito soa como gringo no samba em Garota muchacha (Moska), tema que versa - com alusões ao universo portenho - sobre o amor da personagem-título por um malandro do tango. Filhos do amor (Moska) é outro samba que reitera a inabilidade da dupla para cair no estilo com espontaneidade. A música-título Locura total (Fito Paez e Moska) tem algo da bossa carioca sem seduzir com seus versos imagéticos que evocam símbolos míticos da Bahia. Já Onde você passou a noite? (Moska com letra de Carlos Rennó) é pop rock de grooves funkeados. Como letrista, Moska persegue o lirismo do cancioneiro de Fito em Impossível escrever sobre o nada, canção que ostenta melodia do argentino. No saldo geral, a balada Adiós a las cosas (música de Fito Paez com letra de Moska) se impõe como bom momento de um disco que mostra que nem sempre o carioca e o argentino se afinam na música. Locura total é um disco descontraído que tem até apelo pop. Talvez por isso decepcione quem conhece o tom mais denso das obras pregressas de Fito Paez e Paulinho Moska. A intenção pode ter sido a melhor possível, porque Argentina e Brasil são países vizinhos que ainda se (des)conhecem como estranhos, mas o resultado do CD Locura total está longe da expectativa gerada pelo encontro entre os dois artistas.

Rafael M. disse...

Ainda não ouvi o disco, mas dizem que está bom o mesmo...

O fantástico mundo de Maycon disse...

Oi Mauro! Tudo bem? Creio que no título dessa postagem, você queria dizer Fito & Moska, não?

Mauro Ferreira disse...

Claro, Maycon. Muito obrigado pela observação atenta do post. Abs, MauroF

Rhenan Soares disse...

Sou bastante desesperado com o Moska e com a obra dele. Acho que ouço mais que Caetano ou Chico. Mas esse disco também não me pegou, não. Talvez pela presença do Fito Paez, parceria de menor naturalidade do que a com o Kevin Johansen, por exemplo. Fora que tenho birra com gringos, então... fico meio incomodado. "Hermanos" é legal e o clipe também é bacaninha.

Luca disse...

Disco fraco mesmo, ouvi no spotify e detestei

O blog disse...

Adoro música latina. O disco está maravilhoso! Só achei que deveriam ter misturado músicas em espanhol com português ao mesmo tempo no mesmo álbum, ao invés de lançar dois. Porém é uma pena o brasileiro ter repulsa com nossos "hermanos" achando-os inferiores à gente. Boas sugestões de música latina são o cantor chileno "GEPE", o colombiano "Esteman", o grupo peruano "NOVALIMA", a uruguaia "ANA PRADA", os argentinos "LISANDRO ARISIMUÑO" e "KEVIN JOHANSEN" e os grupo venezuelano "LOS AMIGOS INVISIBLES".