Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Eis a capa de 'Selvática', terceiro álbum (inteiramente) autoral de Karina Buhr

Com capa e arte gráfica criada pelo designer Mozart Fernandes, a partir de foto de Priscilla Buhr, o terceiro álbum de Karina Buhr, Selvática, chega ao mercado fonográfico em edição digital a partir de 29 de setembro de 2015 (as edições física em CD e vinil estão previstas para outubro). A partir de amanhã, 8 de setembro, o primeiro single do álbum - Eu sou um monstro (Karina Buhr), uma das onze músicas inéditas do repertório inteiramente autoral de Selvática - vai estar nas plataformas digitais. Produzida e gravada por Bruno Buarque, MAU, André Lima e Victor Rice nos estúdios da YB Music, em São Paulo (SP), a música é caracterizada por Buhr como um grito feminista. “A letra fala da canseira da princesa rosa-loira-adormecida que tanto nos atormenta e vive querendo virar monstro, já sendo. É aquela fera puxando as rédeas e escolhendo pra onde vai, saindo da inércia, que resolve o que vai fazer e sabe o que vai acontecer com ela”, explica a cantora. Clique aqui para saber detalhes do repertório e do conceito que pauta o álbum Selvática.

26 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Com capa e arte gráfica criada pelo designer Mozart Fernandes, a partir de foto de Priscilla Buhr, o terceiro álbum de Karina Buhr, Selvática, chega ao mercado fonográfico em edição digital a partir de 29 de setembro de 2015 (as edições física em CD e vinil estão previstas para outubro). A partir de amanhã, 8 de setembro, o primeiro single do álbum - Eu sou um monstro (Karina Buhr),- uma das onze músicas inéditas do repertório inteiramente autoral de Selvática - vai estar nas plataformas digitais. Produzida e gravada por Bruno Buarque, MAU, André Lima e Victor Rice nos estúdios da YB Music, em São Paulo (SP), a música é caracterizada por Buhr como um grito feminista. “A letra fala da canseira da princesa rosa-loira-adormecida que tanto nos atormenta e vive querendo virar monstro, já sendo. É aquela fera puxando as rédeas e escolhendo pra onde vai, saindo da inércia, que resolve o que vai fazer e sabe o que vai acontecer com ela”, explica a cantora. Clique aqui para saber detalhes do repertório e do conceito que pauta o álbum Selvática.

Rafael M. disse...

Gostei da capa, bem ousada e impactante...

Fabio disse...

Peito feio. iTunes vai aceitar essa capa??????

BIGODE disse...

Alguma dúvida que isso vai ser muito f*#*??? eu não tenho nenhuma, Karina arrasa e com muita atitude

Marcelo disse...

Inacreditável....

Carlos Augusto disse...

Já me ganhou pela atitude...

Marcelo Barbosa disse...

Pra ser feio esse peito tem que melhorar bastante. Já acho completamente apelativo e dispensável.

Douglas Carvalho disse...

Como cantora ainda não me rendi 100% a Karina Buhr. Acho ela barulhenta e sem voz, mas para o povo que curte esse tipo de coisa deve ter valor.

Com relação a capa, achei fantástica. Ser artista é isso: desafiar convenções e a moral. Imagina se Ney Matogrosso ficasse em casa pensando "Ai, meu deus, que vergonha, isso é apelativo demais!!!". Não seria Ney Matogrosso. Seria um engravatado qualquer empostando a voz para parecer mais "macho" para quem vê apelação em tudo.

Parabéns a Karina pela, por enquanto, a capa do disco. Linda!

Sobre o disco, quando ouvir eu falo alguma coisa.

lurian disse...

Capa linda! Peito natural, bela referência ao feminismo. Karina vai se preocupar com itunes pra que? Ela é uma artista que corre por outros caminhos desde o Cumade Florzinha.

BIGODE disse...

Capa linda, sensual, forte e arrebatadora como a Karina ao vivo, quem já viu sabe....
Muitas cantoras querem ter atitude e ser performáticas, a Karina é assim naturalmente, ela pode

Fabio disse...

Alguém achar esse tipo de capa ainda uma contravenção, uma quebra de paradigmas, blá blá blá. Nada de original. Karina Buhr é boa no palco e só!

Venus disse...

Adorei a capa, condizente com o conceito do álbum, que faz referência às guerreiras do Daomé.

Victor Moraes, disse...

Eu acho ótima e válida a proposta do "boom" do feminismo. Mas receio que, em alguns pontos, virou "mercado" já. Está sendo institucionalizado como promoção e também como aceitação do público. Já é discurso até de Anitta e Valeska. Enfim, os seios seriam uma forte bandeira a favor do feminismo mas, hoje em dia, tá mais pra Miley Cyrus.

Douglas Carvalho disse...

Tanto ainda é uma quebra de paradigmas que ainda tem gente que vê, por incrível que pareça, não como uma coisa natural e comum, mas uma coisa apelativa.

Estalactites hemorrágicas disse...

se sei,
seio
não causa mais espanto
pelo que
sei,
sem o seio
obtém-se mais curtidas.
Vide a Tammy Gretchen.

Só re ceio
que esqueçam a boa musica da baiana, pernambucana arretada.
Karina Buhr é das poucas de sua geração que tem o que dizer e cantar


Ricardo SErgIO

Victor Moraes, disse...

Mas Douglas, nesse ponto, sempre será uma coisa apelativa. Não só para as mulheres. Não estou sendo machista. Se um homem tivesse com o peitoral de fora na capa do disco, também seria apelativo.

Flavimar Dïniz disse...

Alguém sabe de quem são as fotos da capa do cd e do single?

Mauro Ferreira disse...

Flavimar, a resposta para sua pergunta está no texto do post. Dei o crédito da foto da capa. Abs, MauroF

Flavimar Dïniz disse...

Passei pelo texto duas vezes e não tinha visto o crédito. Acho que fiquei meio impactado (positivamente) pela capa!

Fernando Lima disse...

Capa 10!! Deu vontade de ouvir!! Rs
Tanta gente a falar de peito... gostei dos seios dela!
A capa nada tem de apelativa, pois tem ligação com o conceito do trabalho, tal como Gal, em "Índia".
Mas o que dizer do seio de Bethânia no encarte do disco gravado junto com Caetano, em 78?

Rhenan Soares disse...

"Peito feio, mimimi..." Eu ainda me espanto com esse nível de profundidade do olhar alheio, viu...

No próximo disco a Karina poderia fotografar a vagina. Seria incrível acompanhar a reação do ~ público ~. E o mais louco: continuaria sendo apenas mais uma vagina. Assim como os seios na capa do Selvática permanecem sendo apenas seios.

Acho muito engraçadinho que ainda exista medo da nudez. Uma eterna puberdade, seria? Uma coisa mais católica, talvez? Enfim, acho divertidinho à beça. Até por que, na maioria das vezes essas besteiras partem de homens, né...

Rafael M. disse...

Em momento algum esses seios ficaram vulgar... Só realçou a beleza da capa do disco... Ficou um trabalho delicado, sensível essa arte feita para a capa...

BIGODE disse...

Acho que a capa do disco deve dizer algo sobre o mesmo, sempre critico as capas cheias de photoshop com cantoras sorrindo que não dizem nada.

Não é o caso da Karina, essa capa é bem expressiva e dá entender que teremos uma Karina mais selvagem, crú e é o que eu vi na primeira faixa que é muito boa por sinal, capa foda e grande disco na certa.

Marisa disse...

Rhenan, espero que ela não siga sua sugestão! Pelas hóstias!

Mauro Silva disse...

Uma das melhores coisas que poderia acontecer este ano: Um trabalho de inéditas da Karina Buhr! Ela é foda ! Ela e o Catho, são as últimas "boas novas" da safra mais recente da nossa música brasileira. Ansioso por este trabalho, que capa linda! Ela é linda :)

Chico disse...

Karina Buhr ‏@karinabuhr 3 hHá 3 horas :
Saiu num texto no jornal O Dia, sobre Selvática, "Buhr se inspirou em mulheres guerreiras dos textos sagrados". É tipo o contrário disso rs!