Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


domingo, 22 de novembro de 2015

Tributo do 16º Grammy Latino ao 'Rey' coroa investimento de Roberto Carlos

EDITORIAL - Em 1964, Roberto Carlos ainda iniciava seu reinado na música brasileira quando investiu pela primeira vez no mercado latino formado pelos países de língua hispânica. Entre junho e setembro daquele ano de 1964, o cantor e compositor capixaba gravou via CBS o primeiro álbum em espanhol, Roberto Carlos canta a la juventud, com as mesmas músicas do LP que lançava no Brasil, É proibido fumar (CBS, 1964). Lançado efetivamente no mercado latino em 1965, Roberto Carlos canta a la juventud foi o primeiro passo do artista em mercado voltado para músicas românticas como aquelas antigas canções do Roberto. Decorridos 50 anos, Roberto Carlos foi celebrado na 16ª edição do Grammy Latino - realizada na MGM Grand Garden Arena, em Los Angeles (EUA), na noite da última quinta-feira, 19 de novembro de 20151 - como a persona del año 2015. A homenagem é justa e acontece no momento em que o Rei acaba de lançar produto, o CD e DVD Primera fila, direcionado primordialmente ao mercado de língua hispânica. Por cantar o amor, o sexo e a fé como um macho latino que sabe dosar suas emoções para ficar em sintonia com as tradicionais famílias do Brasil e dos demais países da América Latina, Roberto Carlos - visto na foto de John Parra / WireImage durante a homenagem - sempre foi um dos artistas brasileiros que mais tiveram penetração no mercado fonográfico de língua hispânica. Tanto que, ao longo da décadas de 1970 e de parte dos anos 1980, o cantor lançou religiosamente versões em espanhol de seus álbuns anuais. Roberto Carlos sempre acreditou nesse mercado. Por isso, merece o tributo que lhe foi prestado 50 anos após sua primeira investida na rentável praça latina. O Grammy Latino tradicionalmente tem minimizado a produção fonográfica brasileira nas categorias que realmente importam. Nesta 16º edição, sequer um artista ou disco brasileiro foi indicado nas categorias Álbum do ano, Gravação do ano e Música do ano. A premiação é feita para celebrar a música de língua hispânica. Até nesse sentido a homenagem a Roberto Carlos soou adequada, pois quem foi celebrado no palco da MGM Grand Garden Arena foi o cantor que, desde 1965, mirou la juventud e, depois, las personas maduras dos países de língua hispânica. O tributo coroou a visão de el Rey.

3 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ EDITORIAL - Em 1964, Roberto Carlos ainda iniciava seu reinado na música brasileira quando investiu pela primeira vez no mercado latino formado pelos países de língua hispânica. Entre junho e setembro daquele ano de 1964, o cantor e compositor capixaba gravou via CBS o primeiro álbum em espanhol, Roberto Carlos canta a la juventud, com as mesmas músicas do LP que lançava no Brasil, É proibido fumar (CBS, 1964). Lançado efetivamente no mercado latino em 1965, Roberto Carlos canta a la juventud foi o primeiro passo do artista em mercado voltado para músicas românticas como aquelas antigas canções do Roberto. Decorridos 50 anos, Roberto Carlos foi celebrado na 16ª edição do Grammy Latino - realizada na MGM Grand Garden Arena, em Los Angeles (EUA), na noite da última quinta-feira, 19 de novembro de 20151 - como a persona del año 2015. A homenagem é justa e acontece no momento em que o Rei acaba de lançar produto, o CD e DVD Primera fila, direcionado primordialmente ao mercado de língua hispânica. Por cantar o amor, o sexo e a fé como um macho latino que sabe dosar suas emoções para ficar em sintonia com as tradicionais famílias do Brasil e dos demais países da América Latina, Roberto Carlos - visto na foto de John Parra / WireImage durante a homenagem - sempre foi um dos artistas brasileiros que mais tiveram penetração no mercado fonográfico de língua hispânica. Tanto que, ao longo da décadas de 1970 e de parte dos anos 1980, o cantor lançou religiosamente versões em espanhol de seus álbuns anuais. Roberto Carlos sempre acreditou nesse mercado. Por isso, merece o tributo que lhe foi prestado 50 anos após sua primeira investida na rentável praça latina. O Grammy Latino tradicionalmente tem minimizado a produção fonográfica brasileira nas categorias que realmente importam. Nesta 16º edição, sequer um artista ou disco brasileiro foi indicado nas categorias Álbum do ano, Gravação do ano e Música do ano. A premiação é feita para celebrar a música de língua hispânica. Até nesse sentido a homenagem a Roberto Carlos soou adequada, pois quem foi celebrado no palco da MGM Grand Garden Arena foi o cantor que, desde 1965, mirou la juventud e, depois, las personas maduras dos países de língua hispânica. O tributo coroou a visão de el Rey.

Mauro Silva disse...

Merecida homenagem! Pois trata-se de toda a carreira do Roberto e não exclusivamente dos últimos discos. Tomara que depois desta festança lá fora, ele venha inspirado para um disco de inéditas. Salve Roberto!

Damião Costa disse...

O Rei merece é uma longa e brilhante carreira,Roberto é um caso único na história da música mundial.