Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Disco com show feito em 2000 expõe a extensão do nome de Miúcha na MPB

Resenha de CD
Título: Ao vivo no Paço Imperial
Artista: Miúcha
Gravadora: Biscoito Fino
Cotação: * * * *

 Heloísa Maria Buarque de Hollanda, a Miúcha, é um nome maior do que o Brasil supõe. Mais do que a irmã de Chico Buarque, Miúcha é cantora que sabe o que canta. E quem sabe de música sempre a viu como uma cantora interessante, afinada e de bom gosto. Não por acaso, Miúcha gravou e assinou em 1977 e em 1979, de igual para igual, dois álbuns de estúdio com o soberano Antonio Carlos Jobim (1927 - 1994). Músicas destes dois álbuns são rebobinadas em Ao vivo no Paço Imperial, disco lançado pela gravadora Biscoito Fino neste mês de novembro de 2015 que, a rigor, pouco acrescenta à obra fonográfica da cantora carioca. Mas que se impõe como bela revisão de músicas associadas à voz de Miúcha. O disco alinha registros de 17 números captados em vários shows feitos pela cantora em 2000 no Paço Imperial, no Rio de Janeiro (RJ), no projeto Compasso samba e choro. A série de apresentações orquestrada com curadoria de Olivia Hime foi o embrião que deu à luz a Biscoito Fino, gravadora que abrigou a MPB sem-teto a partir dos anos 2000 (o disco de Miúcha é o primeiro dos vários títulos individuais programados para serem lançados com registros de shows da série, já editados em CDs coletivos em 2001). Decorridos 15 anos, a gravação ao vivo de Miúcha ganha edição em CD solo, perpetuando o show feito com o baixista Novelli, o percussionista Zizinho e com o virtuoso pianista carioca Helvius Vilela (1941 - 2010), a quem a cantora se dirige ao fim do medley que junta a nostálgica Carta ao Tom (Toquinho e Vinicius de Moraes, 1974) com a jocosa Carta do Tom (Antonio Carlos Jobim e Chico Buarque, 1977), escrita com versos que parodiam a letra da melancólica canção de 1974. E por falar em saudade, a voz de Miúcha destila nostalgia esperançosa em Maninha (Chico Buarque, 1977), canção que evoca um lúdico universo infantil recorrente na valsa João e Maria (Sivuca e Chico Buarque, 1977). E por falar em valsa, ritmo da abordagem leve de Querida (Antonio Carlos Jobim, 1991), Pela luz dos olhos teus (Vinicius de Moraes, 1960) - a valsa que Miúcha tomou para si ao regravá-la em 1977 com Antonio Carlos Jobim - é cantada com um sorriso nos lábios. Em irretocável roteiro dominado por músicas de Jobim e Chico (parceiros no bolero Anos dourados, incluído no show) e aberto com os sambas-canção Na batucada da vida (Ary Barroso e Luis Peixoto, 1934) e Pra que mentir? (Noel Rosa e Vadico, 1937), Miúcha abre espaço para intervenções vocais dos músicos Novelli - o pernambucano de alma mineira com quem a cantora faz dueto no choro-canção Falando de amor (Antonio Carlos Jobim, 1979) - e Helvius Vilela, com que Miúcha esboça um clima de cabaré em Chansong (Antonio Carlos Jobim, 1987). Primeiro registro oficial em disco de show solo da artista, Ao vivo no Paço Imperial tem a participação do pianista Cristóvão Bastos, com quem a cantora dá voz às duas obras-primas da obra autoral de Bastos, Todo o sentimento (Cristóvão Bastos e Chico Buarque, 1987) e Resposta ao tempo (Cristóvão Bastos e Aldir Blanc, 1998), bolero magistral lançado na voz soberana de Nana Caymmi, mas que Miúcha também canta com propriedade neste disco ao vivo que também tem a presença de Guinga, compositor carioca que a cantora valorizou em subestimado álbum de 1989, Miúcha, editado pela extinta gravadora Continental. O violão de Guinga movimenta Catavento e girassol (Guinga e Aldir Blanc, 1993). Música menos conhecida do roteiro, Valsa rancho é título obscuro da parceria sempre perfeita de Chico Buarque com Francis Hime, tendo sido lançado por Hime em 1973. O registro de Miúcha é valorizado pelo toque preciso do piano do próprio Hime, convidado do tema. No fim, tudo acaba em samba, com Pressentimento (Elton Medeiros e Hermínio Bello de Carvalho, 1968) e o medley que agrega Deixa (Baden Powell e Vinicius de Moraes, 1963) e Tem dó (Baden Powell e Vinicius de Moraes, 1963). Como Miúcha nunca lançou disco solo ao vivo oficial, o oportuno registro do show no Paço Imperial cumpre sua função, com louvor, ao lembrar que o nome, o histórico e o canto de Miúcha são maiores do que se pensa.

20 comentários:

Mauro Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Breno Alves disse...

Uma curiosidade: "Valsa Rancho" ganhou uma versão linda de Elis Regina para o controvertido último disco dela para a Philips em 1979 ("Elis Especial"), disco de sobras lançado à revelia da cantora.

Natálio disse...

Adoro a Miúcha. Ansioso por este álbum em minhas mãos.

Rafael M. disse...

Ouvi a versão dela para "Resposta Ao Tempo" e achei sensacional... Estou curioso para ouvir o restante do álbum.

Julio Roel disse...

Se nao fico errado tem outro show da Miúcha ao vivo.
http://www.saraiva.com.br/miucha-ao-vivo-edicao-especial-de-colecionador-dvd-cd-digipack-4260782.html
Também é disponível no Spotify.

Mauro Ferreira disse...

Julio, existe, mas até onde sei essa edição é extra-oficial, foi feita à revelia da artista. Abs, MauroF

Bruno disse...

E ainda tem essa capa linda!

Gilliatt R disse...

Mauro, você poderia confirmar quem faz o dueto com a Miúcha em Falando de Amor? A voz não parece ser a do Francis Hime. Acho que é a mesma voz do dueto em Chansong. Comprei o disco em versão digital que, como tantas (quase todas), não traz a ficha técnica. Um forte abraço.

maroca disse...

Augusto Flávio (Petrolina-Pe/Juazeiro-Ba)

No dia 24 de outubro assisti aqui em Juazeiro-Ba, um show maravilhoso de Miúcha. Como ela tem uma presença de palco fantástica, além do repertório maravilhoso e ainda trouxe com ela Cristovão Bastos e Jamil Joanes. Foi um show em homenagem a João Gilberto.

Mauro Ferreira disse...

Giliatt, eu acredito que seja a voz do Francis em 'Falando de amor'. Abs, MauroF

Vitor disse...

Ouvi a gravação de "Falando de Amor" e definitivamente não é o Francis Hime cantando. Não consegui indentificar, mas a voz é bem diferente do Francis

Mauro Ferreira disse...

Vitor e demais navegantes, entrei em contato com Miúcha falando dessa dúvida. Assim que ela responder, corrijo o texto (se não for o Francis) ou confirmo a informação. Abs, MauroF

Marcos Rizzo disse...

Adoro Miucha! Quero muito ouvir Caravento e Girassol na voz dela. Tenho certeza que ficará linda, mas não acho q baterá Leila Pinheiro.

geber disse...

As interpretações da Miúcha, sempre com um toque especial, mostra emoções em sua voz suave. Tenho que comprá-lo já.

cristianomenezes disse...

Miúcha é coisa nossa!

Mauro Ferreira disse...

Caros navegantes, estava certo quem disse que a voz não era a de Francis Hime. Miúcha acabou de entrar em contato e revelou que os duetos são com os músicos Novelli e Helvius Vilela. Abs, grato a todos pelos comentários, MauroF

Gilliatt R disse...

Obrigado pelo esclarecimento, Mauro. Questões como essa revelam o quanto é importante que passem a ser incluídas em versões digitais a ficha técnica com informações básicas sobre o álbum. Abs.

rafael disse...

Mauro,por isso achei estranho vc nunca ter comentado deste dvd e CD ao vivo da Miucha. Não sabia do fato de ter sido lançado a revelia.

Lúcia Menezes Lucinha disse...

Que maravilha! Miucha é uma Estrela uma Diva.

Mauro Ferreira disse...

Em tempo: o Francis toca o piano de 'Valsa rancho'. Abs, MauroF