Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Compositor mais antigo da Portela, Waldir 59 sai de cena no Rio aos 87 anos

Impossível dissociar o compositor carioca Waldir de Souza (3 de março de 1928 - 25 de novembro de 2015) da escola de samba Portela, uma das mais tradicionais agremiações do Carnaval do Rio de Janeiro (RJ), cidade onde Waldir 59 - como o sambista era conhecido por ter morado em casa de número 59  - saiu de cena na madrugada de hoje. Waldir ingressou na Portela aos sete anos de idade, tendo dedicado oito décadas de sua vida à escola azul e branco situada na divisa entre os bairros cariocas de Madureira e Oswaldo Cruz. Parceiro de Candeia (1935) e de Picolino da Portela na criação do vitorioso samba-enredo Legado de D. João VI, campeão do Carnaval carioca de 1957, Waldir 59 deixa diversos sambas inéditos. Sua obra gravada em disco abarca quase que tão somente os sambas-enredos que compôs para a Portela. Um dos mais famosos é que Riquezas do Brasil (Brasil poderoso), criado com o parceiro Candeia para o Carnaval de 1956. Outra parceria com Candeia que desafia o tempo é Vem amenizar, samba composto em 1956, tendo sido gravado por Candeia e por Luiz Carlos da Vila (1949 - 2008). Compositor e sócio mais antigo da Portela, Waldir 59 chegou à agremiação quando a escola de samba ainda se chamava Vai como pode. Mas foi a partir da década de 1950 que integrou a ala de compositores da Portela. Compositor da mesma linhagem nobre de Casquinha e de Monarco, com quem integrava desde 2013 o grupo Velha Guarda da Portela, Waldir 59 sai de cena sem amenizar a dor que sofrem com sua partida desde compositor fundamental para a história da escola a que dedicou arte e vida. Waldir 59 foi bamba!!!

4 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Impossível dissociar o compositor carioca Waldir de Souza (3 de março de 1928 - 25 de novembro de 2015) da escola de samba Portela, uma das mais tradicionais agremiações do Carnaval do Rio de Janeiro (RJ), cidade onde Waldir 59 - como o sambista era conhecido por ter morado em casa de número 59 - saiu de cena na madrugada de hoje. Waldir ingressou na Portela aos sete anos de idade, tendo dedicado oito décadas de sua vida à escola azul e branco situada na divisa entre os bairros cariocas de Madureira e Oswaldo Cruz. Parceiro de Candeia (1935) e de Picolino da Portela na criação do vitorioso samba-enredo Legado de D. João VI, campeão do Carnaval carioca de 1957, Waldir 59 deixa diversos sambas inéditos. Sua obra gravada em disco abarca quase que tão somente os sambas-enredos que compôs para a Portela. Um dos mais famosos é que Riquezas do Brasil (Brasil poderoso), criado com o parceiro Candeia para o Carnaval de 1956. Outra parceria com Candeia que desafia o tempo é Vem amenizar, samba composto em 1956, tendo sido gravado por Candeia e por Luiz Carlos da Vila (1949 - 2008). Compositor e sócio mais antigo da Portela, Waldir 59 chegou à agremiação quando a escola de samba ainda se chamava Vai como pode. Mas foi a partir da década de 1950 que integrou a ala de compositores da Portela. Compositor da mesma linhagem nobre de Casquinha e de Monarco, com quem integrava desde 2013 o grupo Velha Guarda da Portela, Waldir 59 sai de cena sem amenizar a dor que sofrem com sua partida desde compositor fundamental para a história da escola a que dedicou arte e vida. Waldir 59 foi bamba!!!

italo vinicius disse...

Apenas um sentimento tristeza, vá com Deus

Marcelo Barbosa disse...

Foi o mais importante Diretor de Harmonia da escola e porque não do mundo do Samba (junto com Xangô da Mangueira). Felizmente repararam o erro a tempo de incluí-lo como membro da Velha Guarda da Portela (o grupo).
Descanse em paz, Seu Waldir! Meus sentimentos aos familiares.

Marcelo Barbosa disse...

E esqueci de informar sobre o belo registro do samba Riquezas do Brasil, no cd Deixa a vida me levar, pelo Zeca.