Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Teresa canta a poesia de Cartola com o toque das sete cordas de Carlinhos

Carlos Moraes dos Santos é mineiro de Leopoldina (MG), mas, pelas sete cordas de seu violão, o virtuoso músico evoca as tradições do samba e do choro cultivados nos melhores quintais cariocas. Por isso mesmo, Carlinhos Sete Cordas foi o músico ideal para acompanhar Teresa Cristina na bela incursão da cantora carioca Teresa Cristina pelo repertório do compositor carioca Angenor de Oliveira (1908 - 1980), o Cartola. Motivado por participação da artista em evento no Real Gabinete Português de Leitura, instituição carioca em cuja solenidade a intérprete deu voz a músicas do autor de As rosas não falam (1976), o inédito show Teresa Cristina canta Cartola  Um poeta de Mangueira estreou no Rio de Janeiro (RJ), cidade natal de Cartola, na última segunda-feira, 16 de novembro de 2015, em duas sessões (às 19h e às 21h) que encheram o Theatro Net Rio. Além dos clássicos do repertório de Cartola, como Acontece (1972) e O mundo é um moinho (1976), Teresa cantou músicas menos ouvidas e gravadas do poeta, caso de Vai amigo, samba lançado em disco, em 1968, por Paulinho da Viola, compositor cuja obra já foi cantada por Teresa em álbum duplo que marcou a estreia da cantora no mercado fonográfico, em 2002. "De certa forma, eu canto Paulinho novamente ao cantar Cartola, pois Cartola foi o ídolo dele e Paulinho é meu ídolo", contextualizou a cantora. Eis o roteiro seguido em 16 de novembro de 2015 por Teresa Cristina e Carlinhos Sete Cordas  vistos em foto de Rodrigo Goffredo  na estreia nacional do lírico recital Teresa Cristina canta Cartola  Um poeta de Mangueira no Theatro Net Rio, no Rio de Janeiro:

1. Chega de demanda (Cartola, 1929 / Lançamento em disco em 1975)
2. O mundo é um moinho (Cartola, 1976)
3. Corra e olhe o céu (Cartola, 1974)
4. Alvorada (Cartola, Carlos Cachaça e Hermínio Bello de Carvalho, 1968)
5. Ao amanhecer (Cartola, 1968)
6. Disfarça e chora (Cartola, 1974)
7. Vai amigo (Cartola, 1968)
8. Pranto de poeta (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, 1957)
9. Preciso me encontrar (Candeia, 1976)
10. Meu drama (Senhora tentação) (Silas de Oliveira e Joaquim Ilarindo, 1967)
11. Evite meu amor (Cartola, 1979)
12. Amor proibido (Cartola, 1965)
13. Tive sim (Cartola, 1968)
14. Sim (Cartola e Osvaldo Martins, 1952)
15. Acontece (Cartola, 1972)
16. Peito vazio (Cartola e Elton Medeiros, 1976)
17. Sala de recepção (Cartola, 1976)
Bis:
18. As rosas não falam (Cartola, 1976)
19. O sol nascerá (Cartola e Elton Medeiros, 1964)

7 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Carlos Moraes dos Santos é mineiro de Leopoldina (MG), mas, pelas sete cordas de seu violão, o virtuoso músico evoca as tradições do samba e do choro cultivados nos melhores quintais cariocas. Por isso mesmo, Carlinhos Sete Cordas foi o músico ideal para acompanhar Teresa Cristina na bela incursão da cantora carioca Teresa Cristina pelo repertório do compositor carioca Angenor de Oliveira (1908 - 1980), o Cartola. Motivado por participação da artista em evento no Real Gabinete Português de Leitura, instituição carioca em cuja solenidade a intérprete deu voz a músicas do autor de As rosas não falam (1976), o inédito show Teresa Cristina canta Cartola – Um poeta de Mangueira estreou no Rio de Janeiro (RJ), cidade natal de Cartola, na última segunda-feira, 16 de novembro de 2015, em duas sessões (às 19h e às 21h) que encheram o Theatro Net Rio. Além dos clássicos do repertório de Cartola, como Acontece (1972) e O mundo é um moinho (1976), Teresa cantou músicas menos ouvidas e gravadas do poeta, caso de Vai amigo, samba lançado em disco, em 1968, por Paulinho da Viola, compositor cuja obra já foi cantada por Teresa em álbum duplo que marcou a estreia da cantora no mercado fonográfico, em 2002. "De certa forma, eu canto Paulinho novamente ao cantar Cartola, pois Cartola foi o ídolo dele e Paulinho é meu ídolo", contextualizou a cantora. Eis o roteiro seguido em 16 de novembro de 2015 por Teresa Cristina e Carlinhos Sete Cordas – vistos em foto de Rodrigo Goffredo – na estreia nacional do lírico recital Teresa Cristina canta Cartola – Um poeta de Mangueira no Theatro Net Rio, no Rio de Janeiro:

1. Chega de demanda (Cartola, 1929 / Lançamento em disco em 1975)
2. O mundo é um moinho (Cartola, 1976)
3. Corra e olhe o céu (Cartola, 1974)
4. Alvorada (Cartola, Carlos Cachaça e Hermínio Bello de Carvalho, 1968)
5. Ao amanhecer (Cartola, 1968)
6. Disfarça e chora (Cartola, 1974)
7. Vai amigo (Cartola, 1968)
8. Pranto de poeta (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, 1957)
9. Preciso me encontrar (Candeia, 1976)
10. Meu drama (Senhora tentação) (Silas de Oliveira e Joaquim Ilarindo, 1967)
11. Evite meu amor (Cartola, 1979)
12. Amor proibido (Cartola, 1965)
13. Tive sim (Cartola, 1968)
14. Sim (Cartola e Osvaldo Martins, 1952)
15. Acontece (Cartola, 1972)
16. Peito vazio (Cartola e Elton Medeiros, 1976)
17. Sala de recepção (Cartola, 1976)
Bis:
18. As rosas não falam (Cartola, 1976)
19. O sol nascerá (Cartola e Elton Medeiros, 1964)

italo vinicius disse...

Carlinhos sete cordas é um grandíssimo violonista já estive em duas rodas de samba que contou com sua presença e Teresa esta cada vez melhor ai junta se os dois e um repertorio desses meu deus Viva a poesia cartola e toda sua mangueira

Rafael M. disse...

Nossa, que repertório maravilhoso!!! Esse show deve estar lindo... Cartola e Teresa Cristina são tudo de bom!!!

Dorina samba disse...

Tive o prazer de gravar um Cd o violao e o Samba com Carlinhos e Cláudio Jorge foi um dos momentos mais emocionantes de minha carreira,Teresa,Cartola e Carlinhos deve estar ealmente lindo

Dorina samba disse...

Nesse cd eu cantei cordas de aço que agora eu vi que não está no repertório, tomara que repita o show@

Douglas Carvalho disse...

Teresa é de sensibilidade ímpar. Sabe como poucas escolher que músicas cantar e, de quebra, é a MELHOR compositora "jovem" do país.

fernando venancio disse...

Só Sala de recepção já diz tudo. parabéns Teresa Cristina e Carlinhos