Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sábado, 9 de abril de 2016

Djavan reacende coisas de álbum de 1992 no show autoral 'Vidas pra contar'

Djavan reacende coisas de álbum de 1992 no roteiro inteiramente autoral do show Vidas pra contar. Nada menos do que cinco das nove músicas do álbum Coisa de acender (Sony Music, 1992) estão no roteiro do show que chegou à cidade do Rio de Janeiro (RJ) na noite de ontem, 8 de abril de 2016, em apresentação que eletrizou o público que lotou a casa Vivo Rio. A rota do indivíduo (Djavan e Orlando Morais, 1991), Alívio (Djavan e Arthur Maia, 1992), Boa noite (Djavan, 1992), Linha do Equador (Djavan e Caetano Veloso, 1992) e Outono (Djavan, 1992) foram as cinco músicas de Coisa de acender que ajudaram a iluminar a apresentação vibrante feita pelo artista na estreia carioca do show. O cantor, compositor e músico alagoano também reviveu composições do álbum Lilás (CBS, 1984) - Miragem (Djavan, 1984) e a música-título Lilás (Djavan, 1984) - em roteiro que obviamente também privilegiou o repertório do bom álbum Vidas pra contar (Luanda Records / Sony Music, 2015). Mote do show feito por Djavan com banda formada por Carlos Bala (bateria), Jessé Sadoc (flugelhorn e trompete), João Castilho (guitarra e violão), Marcelo Mariano (baixo), Marcelo Martins (sax) e Paulo Calasans (teclados e piano), o álbum Vidas pra contar teve sete das 12 músicas incluídas no roteiro. Eis o roteiro seguido em 8 de abril de 2016 por Djavan - em foto de Rodrigo Goffredo - no Vivo Rio, na estreia carioca do show Vidas pra contar, cuja turnê nacional, iniciada em fevereiro em Juiz de Fora (MG), vai seguir pelo Brasil ao longo de 2016:

1. Se não vira jazz (Djavan, 2015)
2. Miragem (Djavan, 1984)
3. Eu te devoro (Djavan, 1998)
4. Me leve (Djavan, 1987)
5. Outono (Djavan, 1992)
6. Alívio (Djavan e Arthur Maia, 1992)
7. Não é um bolero (Djavan, 2015)
8. Linha do Equador (Djavan e Caetano Veloso, 1992)
9. Encontrar-te (Djavan, 2015)
10. Vida nordestina (Djavan, 2015)
11. Açaí (Djavan, 1981)
12. A rota do indivíduo (Djavan e Orlando Morais, 1991)
13. Pétala (Djavan, 1982)
14. Vidas pra contar (Djavan, 2015)
15. Dona do horizonte (Djavan, 2015)
16. Flor de lis (Djavan, 1976)
17. Fato consumado (Djavan, 1975)
18. Só pra ser o sol (Djavan, 2015)
19. Acelerou (Djavan, 1999)
20. Lilás (Djavan, 1984)
21. Boa noite (Djavan, 1992)
Bis:
22. Um amor puro (Djavan, 1999)
23. Azul (Djavan, 1982)
24. Sina (Djavan, 1982)

5 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Djavan reacende coisas de álbum de 1992 no roteiro inteiramente autoral do show Vidas pra contar. Nada menos do que cinco das nove músicas do álbum Coisa de acender (Sony Music, 1992) estão no roteiro do show que chegou à cidade do Rio de Janeiro (RJ) na noite de ontem, 8 de abril de 2016, em apresentação que eletrizou o público que lotou a casa Vivo Rio. A rota do indivíduo (Djavan e Orlando Morais, 1991), Alívio (Djavan e Arthur Maia, 1992), Boa noite (Djavan, 1992), Linha do Equador (Djavan e Caetano Veloso, 1992) e Outono (Djavan, 1992) foram as cinco músicas de Coisas de acender que ajudaram a iluminar a apresentação vibrante feita pelo artista na estreia carioca do show. O cantor, compositor e músico alagoano também reviveu composições do álbum Lilás (CBS, 1984) - Miragem (Djavan, 1984) e a música-título Lilás (Djavan, 1984) - em roteiro que obviamente também privilegiou o repertório do bom álbum Vidas pra contar (Luanda Records / Sony Music, 2015). Mote do show feito por Djavan com banda formada por Carlos Bala (bateria), Jessé Sadoc (flugelhorn e trompete), João Castilho (guitarra e violão), Marcelo Mariano (baixo), Marcelo Martins (sax) e Paulo Calasans (teclados e piano), o álbum Vidas pra contar teve sete das 12 músicas incluídas no roteiro. Eis o roteiro seguido em 8 de abril de 2016 por Djavan - em foto de Rodrigo Goffredo - no Vivo Rio, na estreia carioca do show Vidas pra contar, cuja turnê nacional, iniciada em fevereiro em Juiz de Fora (MG), vai seguir pelo Brasil ao longo de 2016:

1. Se não vira jazz (Djavan, 2015)
2. Miragem (Djavan, 1984)
3. Eu te devoro (Djavan, 1998)
4. Me leve (Djavan, 1987)
5. Outono (Djavan, 1992)
6. Alívio (Djavan e Arthur Maia, 1992)
7. Não é um bolero (Djavan, 2015)
8. Linha do Equador (Djavan e Caetano Veloso, 1992)
9. Encontrar-te (Djavan, 2015)
10. Vida nordestina (Djavan, 2015)
11. Açaí (Djavan, 1981)
12. A rota do indivíduo (Djavan e Orlando Morais, 1991)
13. Pétala (Djavan, 1982)
14. Vidas pra contar (Djavan, 2015)
15. Dona do horizonte (Djavan, 2015)
16. Flor de lis (Djavan, 1976)
17. Fato consumado (Djavan, 1975)
18. Só pra ser o sol (Djavan, 2015)
19. Acelerou (Djavan, 1999)
20. Lilás (Djavan, 1984)
21. Boa noite (Djavan, 1982)
Bis:
22. Um amor puro (Djavan, 1999)
23. Azul (Djavan, 1982)
24. Sina (Djavan, 1982)

Unknown disse...

Grande mestre Djavan! A propósito Boa noite acho que houve erro de digitação. O ano e 1992 e o nome do álbum é Coisa de acender. Um abraço Leandro

Mauro Ferreira disse...

Grato pelo toque do erro de digitação, Leandro, do ano da música 'Boa noite' no roteiro (no texto, já estava 1992). Abs, MauroF

Adelson Jesus disse...

Mauro boa tarde! Que blog fantástico.

Conheci sua figura através dos seus comentários em alguns programas do canal BIS "Por Trás da Canção", sempre achei bacanas suas contribuições, hoje tive a felicidade de encontrar seu blog. Você tem algum email? Gostaria de te enviar um trabalho...Grande abraço ganhou um fã. Adelson

claudiopaes disse...

Isso sim e musica de qualidade. E um mestre, consegue dar vida e beleza a palavras simples e cotidianas. Isso nao e apenas um roteiro de show, transcende e passa a ser uma aula fe portugues e literatura.