Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


domingo, 24 de abril de 2016

Célia celebra 45 anos de carreira fonográfica com gravação do primeiro DVD

A bela foto de Carol Siqueira flagra Célia nos bastidores do Teatro Itália, pronta para gravar o primeiro DVD de carreira fonográfica que completa 45 anos em 2016. Idealizado pelo DJ Zé Pedro para a gravadora Joia Moderna, o DVD vai exibir o registro audiovisual do show feito pela cantora paulistana com base no repertório do álbum Aquilo que a gente diz  (Nova Estação / Tratore, 2015). Seis câmeras orquestradas pelo diretor do vídeo, Murilo Alvesso, captaram o show em apresentação feita por Célia na última quinta-feira, 21 de abril de 2016, no Teatro Itália, na cidade de São Paulo (SP). Sem plateia, a cantora de 68 anos apresentou o roteiro do show dirigido por Thiago Marques Luiz, produtor do disco Aquilo que a gente diz. O roteiro extrapola o repertório do 13º álbum da discografia de Célia. Além de dar voz a músicas como Não existe amor em SP (Criolo, 2011), Se o caso é chorar (Tom Zé e Perna, 1972), Deus dará (Zeca Baleiro, 2015), Crua (Otto, 2009), Eu sou aquele que disse (Sérgio Sampaio, 1973) e a composição-título Aquilo que a gente diz (Alzira E e Tiago Torres da Silva, 2015), a cantora interpretou músicas que gravou ao longo dos 45 anos de carreira fonográfica. Entre elas, Abrace Paul McCartney (Joyce Moreno, 1971), Vida de artista (Zé Rodrix e Luiz Carlos Sá, 1972),  Na boca do sol (Arthur Verocai e Vitor Martins, 1972), Abandono (Ivor Lancellotti, 1974), Mãe, eu juro (Peteleco e Marques Filho, 1957) - música com a qual a artista abriu o quarto álbum, Célia (Continental, 1977) - e Cigarro (Zeca Baleiro, 2005). Samba lançado há 70 anos e revivido com sucesso por Célia em gravação de 1975, Onde estão os tamborins? (Pedro Caetano, 1946) foi alocado em medley com outros dois sambas, Adeus, batucada (Synval Silva, 1935) - gravado por Célia em 1971 - e Estação derradeira (Chico Buarque, 1987).  O primeiro DVD de Célia vai ser lançado no segundo semestre deste ano de 2016.

12 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ A bela foto de Carol Siqueira flagra Célia nos bastidores do Teatro Itália, pronta para gravar o primeiro DVD de carreira fonográfica que completa 45 anos em 2016. Idealizado pelo DJ Zé Pedro para a gravadora Joia Moderna, o DVD vai exibir o registro audiovisual do show feito pela cantora paulistana com base no repertório do álbum Aquilo que a gente diz (Nova Estação / Tratore, 2015). Seis câmeras orquestradas pelo diretor do vídeo, Murilo Alvesso, captaram o show em apresentação feita por Célia na última quinta-feira, 21 de abril de 2016, no Teatro Itália, na cidade de São Paulo (SP). Sem plateia, a cantora de 68 anos apresentou o roteiro do show dirigido por Thiago Marques Luiz, produtor do disco Aquilo que a gente diz. O roteiro extrapola o repertório do 13º álbum da discografia de Célia. Além de dar voz a músicas como Não existe amor em SP (Criolo, 2011), Se o caso é chorar (Tom Zé e Perna, 1972), Deus dará (Zeca Baleiro, 2015), Crua (Otto, 2009), Eu sou aquele que disse (Sérgio Sampaio, 1973) e a composição-título Aquilo que a gente diz (Alzira E e Tiago Torres da Silva, 2015), a cantora interpretou músicas que gravou ao longo dos 45 anos de carreira fonográfica. Entre elas, Abrace Paul McCartney (Joyce Moreno, 1971), Vida de artista (Zé Rodrix e Luiz Carlos Sá, 1972), Na boca do sol (Arthur Verocai e Vitor Martins, 1972), Abandono (Ivor Lancellotti, 1974), Mãe, eu juro (Peteleco e Marques Filho, 1957) - música com a qual a artista abriu o quarto álbum, Célia (Continental, 1977) - e Cigarro (Zeca Baleiro, 2005). Samba lançado há 70 anos e revivido com sucesso por Célia em gravação de 1975, Onde estão os tamborins? (Pedro Caetano, 1946) foi alocado em medley com outros dois sambas, Adeus, batucada (Synval Silva, 1935) - gravado por Célia em 1971 - e Estação derradeira (Chico Buarque, 1987). O primeiro DVD de Célia vai ser lançado no segundo semestre deste ano de 2016.

Rafael M. disse...

Que notícia ótima.... Aguardo com muitas expectativas pelo primeiro DVD da grandiosa Célia!!! Ela é fenomenal!!!

Mauro Silva disse...


Mauro,

"Abandono" não é de 1974. O Ivor Lancellotti escreveu esta canção pro Roberto Carlos em 1979 e foi originalmente lançada no disco do Roberto de 1979. No ano seguinte Ivor Lancellotti, fez sua versão e lançou um compacto no qual foi incluída na Trilha da novela "Olhai Os Lírios Do Campo" de 1980.

Jeferson Garcia disse...

A melhor notícia da semana. Uma das grandes cantoras do Brasil, merecidamente reconhecida com esse registro. Salve Thiago! Salve Zé Pedro! Salve Célia!

Marcelo Barbosa disse...

Grande Célia! Passava da hora!!

Mauro Ferreira disse...

Mauro Silva, grato pelo toque, mas a informação não procede. Todo mundo conhece 'Abandono' na voz de Roberto Carlos, é fato, mas a música foi lançada - acredita se quiser! - pela cantora Eliana Pittman em álbum de 1974. Abs, MauroF

Marcelo disse...

Um show maravilhoso com uma das melhores produções do Thiago Marques. Todos de parabéns! Que venha logo !

Rafael Daher disse...

Uau! Maravilha! Excelente notícia!!!

Mauro Silva disse...


Mauro, Obrigado pelo esclarecimento!

Eu realmente não conhecia essa gravação da Eliana Pittman, que por sinal é muito bonita assim como a versão do próprio compositor Ivor Lancellotti , mas a gravação do Roberto (pra mim) é arrebatadora e definitiva.

A vida é assim, feita de trocas e informações, a gente nunca sabe tudo (risos), por isso que eu gosto de você Mauro :)


Otaviano Wanderley Wanderley disse...

Que maravilha Mauro. A Célia é uma das vozes mais marcantes da nossa música. Intensa, excelente cantora e de repertório sempre refinadíntimo!

Galex disse...

"Abandono" foi lançada pela cantora Eliana Pittman em 1974, no LP "Tô Chegando, Já Cheguei" (RCA Victor), mas só foi fazer sucesso com o Roberto Carlos em 79.
Não sabia que a Célia havia gravado na mesma época da Eliana.

ADEMAR AMANCIO disse...

A gravação da Célia é recente.