Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


segunda-feira, 11 de abril de 2016

Dulce Quental pega onda de gravações de 1994 no álbum 'Música e maresia'

Dulce Quental lança o álbum Música e maresia - já disponível no iTunes - após lançar dois singles com as gravações de Ao som de um tambor (Roberto Frejat e Dulce Quental, 1995) e da faixa-título Música e maresia (Dulce Quental e George Israel). O álbum Música e maresia alinha 11 gravações inéditas feitas em 1994 - como anunciado na capa - pela cantora e compositora carioca projetada na década de 1980 como vocalista do grupo feminino Sempre Livre. O repertório inclui músicas que, embora inéditas na época, acabaram lançadas nas vozes de outros cantores. Composição que traz o violoncelo de Jaques Morelenbaun, Ao som de um tambor foi apresentada em disco solo de Dinho Ouro Preto. Antes de acordar (Roberto Frejat e Dulce Quental, 2001) ganhou a voz de Simone há 15 anos em gravação feita para o álbum Seda pura (Universal Music, 2001). Já Guarda essa canção (Roberto Frejat e Dulce Quental, 1994) foi lançada ainda naquele ano de 1994 pelo atualmente desativado grupo Barão Vermelho no mesmo álbum, Carne crua (Warner Music, 1994), em que a banda registrou Vida frágil (Rodrigo Santos, Roberto Frejat e Dulce Quental, 1994). Por sua vez, Púrpura (Dulce Quental) já tinha sido lançada em 1991 em gravação feita pela artista para a trilha sonora da novela Lua cheia de amor (TV Globo, 1990 / 1991). As gravações inéditas de 1994 tiveram produção de Nilo Romero, baixista da banda que incluía Ricardo Medeiros e Rogério Meanda nas guitarras, Kadu Menezes na bateria e Maurício Gaetani no piano e teclados Hammond. O álbum  Música e maresia  chegou às plataformas digitais em lançamento da  Cafezinho Edições.

8 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Dulce Quental lança o álbum Música e maresia - já disponível no iTunes - após lançar dois singles com as gravações de Ao som de um tambor (Roberto Frejat e Dulce Quental, 1995) e da faixa-título Música e maresia (Dulce Quental e George Israel). O álbum Música e maresia alinha 11 gravações inéditas feitas em 1994 - como anunciado na capa - pela cantora e compositora carioca projetada na década de 1980 como vocalista do grupo feminino Sempre Livre. O repertório inclui músicas que, embora inéditas na época, acabaram lançadas nas vozes de outros cantores. Composição que traz o violoncelo de Jaques Morelenbaun, Ao som de um tambor foi apresentada em disco solo de Dinho Ouro Preto. Antes de acordar (Roberto Frejat e Dulce Quental, 2001) ganhou a voz de Simone há 15 anos em gravação feita para o álbum Seda pura (Universal Music, 2001). Já Guarda essa canção (Roberto Frejat e Dulce Quental, 1994) foi lançada ainda naquele ano de 1994 pelo atualmente desativado grupo Barão Vermelho no mesmo álbum, Carne crua (Warner Music, 1994), em que a banda registrou Vida frágil (Rodrigo Santos, Roberto Frejat e Dulce Quental, 1994). Por sua vez, Púrpura (Dulce Quental) já tinha sido lançada em 1991 em gravação feita pela artista para a trilha sonora da novela Lua cheia de amor (TV Globo, 1990 / 1991). As gravações inéditas de 1994 tiveram produção de Nilo Romero, baixista da banda que incluía Ricardo Medeiros e Rogério Meanda nas guitarras, Kadu Menezes na bateria e Maurício Gaetani no piano e teclados Hammond. O álbum Música e maresia chegou às plataformas digitais em lançamento da Cafezinho Edições.

italo vinicius disse...

gostei da capa

Rafael M. disse...

Gosto muito da Dulce, mas ainda não conferi esse álbum...

[rafael ribeiro] disse...

...teremos edição física ? Adoro Dulce Quental...Uma pena não relançarem os discos dela em cd e remasterizados !! Abçs...

Mauro Ferreira disse...

Rafael Ribeiro, não sei se haverá uma edição física. Também lamento que os três primeiros álbuns da carreira solo de Quental nunca terem sido relançados em CD pela EMI (atualmente abarcada pela Universal Music). Abs, MauroF

Luca disse...

pra quê, meus Deus, pra quê?

Márcio disse...

De Dulce Quental em CD só saiu a coletânea da série "Para Sempre". Lamentável a não edição de todos os seus discos (Solo e com o Sempre-Livre) solo nesse formato.

Guilherme Fernandes disse...

Márcio, o disco do Sempre Livre foi lançado em CD, em duas ocasiões, sendo a última com o encarte do vinil. Ela também lançou um CD chamado "Beleza Roubada". Sobre o "Música e Maresia", ele já saiu em Vinil com um cd encartado. Aguardo a resenha do querido Mauro.