Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Em faixa inédita de novela, Zizi canta música de Caetano lançada por Gal

Música composta por Caetano Veloso a partir de versos do poeta russo Vladimir Maiakovski (1893 - 1930), numa parceria bissexta do artista baiano com o compositor carioca Ney Costa Santos, O amor ganha outra voz cristalina 34 anos após ter sido lançada por Gal Costa no álbum Fantasia (Philips, 1981). O amor já pode ser ouvida na voz de Zizi Possi - em foto de Rama Oliveira - em registro inédito veiculado na trilha sonora da novela Alto astral, exibida pela TV Globo às 19h. A gravação de Zizi está perpetuada na faixa 10 do CD Alto astral nacional vol. 2, lançado neste mês de fevereiro de 2015 pela gravadora Som Livre. Reverente à arquitetura original da música, o registro de Zizi é (ligeiramente) mais suave do que o tom da bonita gravação de Gal e - talvez justamente por essa reverência...  - somente acentua o brilho do registro original de 1981.

23 comentários:

Mauro Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cica Pu disse...

Amo Zizi mas a música é tão forte com Gal Costa que só vem a versão dela na mente. Registro complicado esse. Gal tomou a música p/ sí. Tem coisas que Gal Costa gravou que nem deveriam cantar, essa talvez seja uma delas.

Rafael M. disse...

A versão da Gal é forte e bela, mas a da Zizi ficou muito boa também. Não concordo que apenas um cantor deva cantar uma música que foi feita para si. Se é bom, tem que espalhar a palavra, o u melhor dizendo, a música.

Mauro Ferreira disse...

Concordo, Cica. A gravação de Zizi é bonita. Mas é impossível não lembrar da gravação original de Gal. Abs, MauroF

Rafael M. disse...

Para quem ainda não conferiu a versão da Zizi, aqui está:

https://www.youtube.com/watch?v=dUp4A_OFzsc

Eduardo Cáffaro disse...

As gravações de Gal dos albuns Fantasia, Minha voz, Baby Gal e Profana, são as mais marcantes na minha vida, acho legal outras cantoras gravarem mas vai ser muito dificil alguem fazer alguma gravação que seja realmente relevante. Tudo tem sua época, e os anos 80 pra mim Gal foi insuperável...super mosca, super tudo, super ela, super ela ...e era magrelinha ! kkk

Mauro Ferreira disse...

Cáffaro, a voz de Gal atingiu o auge nos anos 1980, mas concordo com Rafael que nenhuma música deve ser intocada somente porque tem uma gravação antológica. Uma regravação bem feita pode sempre surpreender. A própria Zizi redimensionou 'Explode coração' em 1991, indo por caminho diferente do registro antológico de Bethânia. Abs, MauroF

Bruno disse...

A gente ama Zizi? Sim! A gente ama Gal? Sim! A gente ama essa música? Sim! Mas a Zizi Possi ficar nessa base dos covers é complicado..."Explode coração", "Disparada", "Rosa dos ventos"...

Fábio Preccaro disse...

Esse registro da Zizi, mais do que a música em si, acho que é muito importante para ela mesma. Não sei se concordam comigo, mas sinto que na última década as gravações dela são muito leves, muito cristalinas. Me lembro que a primeira vez que ouvi Melodia Sentimental foi na voz da Zizi e me arrepiei, me emocionei, porque era profundo, doeu na alma, para mim, inclusive, é superior à outra gravação antológica: a de Bethânia. Mas desde "Bossa", Zizi canta como se não sentisse nada (salvo uma ou outra canção, como "Eu só Sei Amar Assim"). O "Tudo se Transformou" é lindo e, de tão lindo, é chato. Nessa música, que exige uma certa entrega, sinto que Zizi baixou um pouco o tom e foi. Espero que se repita e que ela volte a fazer grandes discos, porque a vida sem Zizi Possi seria um erro.

jose ferreira Calado disse...

Gal Costa é uma das mais expressivas cantoras do Brasil.Adoro.Coleciono tudo dela,porém,devo admitir que a voz ( o que é natural) não é mesma dos anos 80.Gal regravou O amor nos cds Recanto e Gal de todos os amores e soou fraca,sem brilho.Zizi é perfeita em técnica e afinação.Grande cantora que imprime marcas em tudo que faz.

maroca disse...

Augusto Flávio (Petrolina-Pe/Juazeiro-Ba)

Mauro, a gravação de Explode coração de Zizi é de 1996, do álbum Mais simples e não 1991 que foi o disco Sobre todas as coisas.

Mauro Ferreira disse...

Tem razão, Augusto. Eu confundi com "O que é o que é". Abs, MauroF

M@RQUINHOS di POSSI VITAL disse...

Apenas gostava da musica com a Gal. Com a Zizi Possi, amo a musica. A Zizi tem sempre isso, de buscar um caminho totalmente seu e diferente de interpretar, e é essa sutileza e leveza que ela dà às sua interpretaçoes, como o fez com "Explode coraçao", "Meu erro", e agora com "O amor", que a torna para mim a mais especial das interpretes brasileiras,isso tudo aliado à sua voz mais que linda e afinada. Abraços

M@RQUINHOS di POSSI VITAL disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lurian disse...

Interpretar bem, Zizi conseguiu, mas por a alma na música isso realmente não aconteceu. Nisso Gal foi absolutamente feliz. A entrega de Gal é tão intensa nessa música que dói de tanta beleza. Quanto a explode coração, prefiro nem comentar porque eu nem sequer ouço outro interprete que não seja a abelha.

Insensato Mundo disse...

Zizi imprime sua marca e voz inconfundível em registros já consagrados: Rebento, Corsário, Barato Total, O Bêbado e a Equilibrista... só para citar algumas. Um momento muito especial é o registro de O Canto do Pajé, que sempre acesso pelo YouTube. É uma demonstração de segurança e maturidade.

Júlio disse...

Só para lembra que, nas vias transversais, Cida Moreira fez um belo e personalíssimo registro dessa canção, vale a pena procurar!

M@RQUINHOS di POSSI VITAL disse...

Aqui o link para a musica https://www.youtube.com/watch?v=dUp4A_OFzsc

Roberto de Brito disse...

Além de Cida Moreira, em 1983 no disco "Abolerado Blues", "O amor" também foi regravada por Renato Bráz em 1998 no cd "História antiga".

Natival disse...

"O amor" foi gravada por Orlando Moraes também. rs

Acho a gravação de Gal (no Fantasia) perfeita. Sou apaixonado por Gal e acho que quase todas as músicas que ela gravou são melhores com ela. Uma ou outra exceção, como "Atrás da porta", que prefiro com Elis ou até mesmo "Beatriz", que prefiro com Zizi.

Zizi é uma cantora maravilhosa e acho que esse registro está lindo. Acho que ela fez mais uma reverência do que uma afronta. Zizi adora Gal e não esconde isso. Acho que ela sempre revisita o repertório de Gal com muita elegância (Barato total, Sim foi você, e até Dê um rolê, que é over pra caramba, eu acho legal). Zizi é uma das poucas com quem eu gosto de ouvir canções imortalizadas por Gal. Acho que Jussara Silveira é outra que adoro as intervenções também.

Gal já não canta mais como era antes, o que é natural, a voz envelhece. A voz de Zizi parece menos abalada, mas também ela gravou bem menos e fez bem menos shows que Gal. Além disso, acho que Zizi não lança um grande disco de inéditas brasileiras desde 1996. Sinto falta disso. Tenho certeza que Adriana Calcanhotto, Zélia Duncan, Moska, Chico César, Ana Carolina, Lenine, Zeca Baleiro, entre outros, não negariam inéditas a ela. Tomara que faça logo um novo bom disco.

Evangelina Maffei disse...

O amor foi uma das músicas da trilha sonora da peca teatral "O Percevejo", interpretada pelo própio Caetano (voz e violao)quem nunca a gravou. Abraco

Douglas Carvalho disse...

Somente os fãs mais obcecados não percebem o quanto essa gravação é reverente a gravação de Gal Costa. Zizi, uma cantora maravilhosa que teria todas as armas para refazer a música, faz, isso sim, uma quase homenagem a Gal.

Aliás, só mesmo os fãs mais obcecados não sabem ainda que Zizi é cria (assim como Marisa Monte, Ná ozzetti, Jussara Silveira, vanessa da Mata, Vânia Bastos e 9 entre 10 cantoras brasileiras) da escola galcostiana de canto. Zizi não seria a cantora que é se não tivesse existido Gal Costa antes. E ponto.

Carlos Eduardo disse...

Reverente ou não a gravação é chata, aliás como tudo que é reverente. Melhor terem usado a gravação original da Gal.