Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Cozza insere bolero argentino de 1946 no roteiro afro-baiano do show 'Partir'

Sem fazer concessões ao público, a cantora paulistana incluiu todas as 14 músicas de seu quinto álbum, Partir (Agô Produções, 2015), no roteiro do show inspirado no seu melhor disco. Mas vai além. No show, que chegou à cidade do Rio de Janeiro (RJ) na noite de ontem, 11 de agosto de 2015, a cantora embeveceu o público do Teatro do Sesc Ginástico ao inserir no roteiro afro-baiano de Partir famoso bolero argentino, Vete de mi, composto em 1946 pelos irmãos Virgílio Expósito (1924 - 1997) e Homero Expósito (1918 - 1987), pianista e poeta, respectivamente. Cantando em espanhol, Cozza expôs toda a beleza da melodia de Virgílio e todo o lirismo romântico da letra de Homero em um dos números mais aplaudidos da excelente apresentação. Sob a direção do ator Elias Andreato, Cozza realçou toda a inspiração do repertório do álbum Partir em show feito com o violonista Swami Jr. - produtor do disco - e com os músicos Douglas Alonso (percussão), Felipe Roseno (percussão), Leo Mendes (violão) e Marcelo Mariano (baixo). Eis o roteiro seguido em 11 de agosto de 2015 por Fabiana Cozza - em foto de Rodrigo Goffredo - na estreia carioca de seu coeso show Partir no palco do Teatro Sesc Ginástico, situado no Centro da cidade do Rio de Janeiro (RJ):

1. Velhos de coroa (Sérgio Pererê, 2012)
2. Entre o mangue e o mar (Alzira Espíndola e Arruda, 2015)
3. Le mali chez la carte invisible (Tiganá Santana, 2014)
4. Chicala (João Cavalcanti, 2015)
5. Roda de capoeira (Vicente Barreto e Paulo César Pinheiro, 2015)
6. Orixá (Roberto Mendes e Jorge Portugal, 2007)
7. Mama Kalunga (Tiganá Santana, 2015)
8. Fim da dança (Moyseis Marques e Vidal Assis, 2015)
9. O samba é meu dom (Wilson das Neves e Paulo César Pinheiro, 1996)
10. Não pedi (Roberto Mendes e Nizaldo Costa, 2014)
11. Voz guia (Roberto Mendes e Jorge Portugal, 1996)
12. Teus olhos em mim (Roberto Mendes e Nizaldo Costa, 2015)
13. Vete de mi (Virgílio Expósito e Homero Expósito, 1946)
14. É do mar (Gisele Di Santi, 2015)
15. Saudação para Iemanjá (tema afro-brasileiro de domínio público) /
16. Agradecer e abraçar (Abracei o mar) (Vevé Calazans e Gerônimo, 1986)
       - com citação de Canto para Oxum (tema afro-brasileiro de domínio público)
17. Ê menina (João Donato e Guarabyra, 1975) - vinheta /
18. É d'Oxum (Gerônimo e Vevé Calazans, 1985)
19. Seu moço (Roberto Mendes e Hermínio Bello de Carvalho, 1996)
20. Santo Amaro êê (Tema tradicional de domínio público) /
      Dona de casa, me dá licença (Tema tradicional de domínio público)
Bis:
21. Borzeguita (Leandro Medina, 2015)

4 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Sem fazer concessões ao público, a cantora paulistana incluiu todas as 14 músicas de seu quinto álbum, Partir (Agô Produções, 2015), no roteiro do show inspirado no seu melhor disco. Mas vai além. No show, que chegou à cidade do Rio de Janeiro (RJ) na noite de ontem, 11 de agosto de 2015, a cantora embeveceu o público do Teatro do Sesc Ginástico ao inserir no roteiro afro-baiano de Partir famoso bolero argentino, Vete de mi, composto em 1946 pelos irmãos Virgílio Expósito (1924 - 1997) e Homero Expósito (1918 - 1987), pianista e poeta, respectivamente. Cantando em espanhol, Cozza expôs toda a beleza da melodia de Virgílio e todo o lirismo romântico da letra de Homero em um dos números mais aplaudidos da excelente apresentação. Sob a direção do ator Elias Andreato, Cozza realçou toda a inspiração do repertório do álbum Partir em show feito com o violonista Swami Jr. - produtor do disco - e com os músicos Douglas Alonso (percussão), Felipe Roseno (percussão), Leo Mendes (violão) e Marcelo Mariano (baixo). Eis o roteiro seguido em 11 de agosto de 2015 por Fabiana Cozza - em foto de Rodrigo Goffredo - na estreia carioca de seu coeso show Partir no palco do Teatro Sesc Ginástico, situado no Centro da cidade do Rio de Janeiro (RJ):

1. Velhos de coroa (Sérgio Pererê, 2012)
2. Entre o mangue e o mar (Alzira Espíndola e Arruda, 2015)
3. Le mali chez la carte invisible (Tiganá Santana, 2014)
4. Chicala (João Cavalcanti, 2015)
5. Roda de capoeira (Vicente Barreto e Paulo César Pinheiro, 2015)
6. Orixá (Roberto Mendes e Jorge Portugal, 2007)
7. Mama Kalunga (Tiganá Santana, 2015)
8. Fim da dança (Moyseis Marques e Vidal Assis, 2015)
9. O samba é meu dom (Wilson das Neves e Paulo César Pinheiro, 1996)
10. Não pedi (Roberto Mendes e Nizaldo Costa, 2014)
11. Voz guia (Roberto Mendes e Jorge Portugal, 1996)
12. Teus olhos em mim (Roberto Mendes e Nizaldo Costa, 2015)
13. Vete de mi (Virgílio Expósito e Homero Expósito, 1946)
14. É do mar (Gisele Di Santi, 2015)
15. Saudação para Iemanjá (tema afro-brasileiro de domínio público) /
16. Agradecer e abraçar (Vevé Calazans e Gerônimo, 1999)- com citação de Canto para Oxum (tema afro-brasileiro de domínio público)
17. Ê menina (João Donato e Guarabyra, 1975) - vinheta /
18. É d'Oxum (Gerônimo e Vevé Calazans, 1991)
19. Seu moço (Roberto Mendes e Hermínio Bello de Carvalho, 1996)
20. Santo Amaro êê (Tema tradicional de domínio público) / Dona de casa, me dá licença (Tema tradicional de domínio público)
Bis:
21. Borzeguita (Leandro Medina, 2015)

Rafael M. disse...

Adoro "Vete de Mi". O Caetano a gravou com louvor. Deve ter ficado muito bom na voz de Cozza também.

Natival disse...

Mauro, "É D'Oxum" é de 1985, lançada por Gerônimo no disco "Mensageiro da alegria". E "Agradecer a abraçar" é do disco "Vevé Calasans", de 1986, lançada com o nome "Abracei o mar".

Mauro Ferreira disse...

Grato pelos dois toques, Natival. Vinha errando ao longo dos anos. Abs, MauroF