Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sábado, 22 de agosto de 2015

NX Zero afasta fantasma do emo enquanto busca norte entre rocks e baladas

Resenha de CD
Título: Norte
Artista: NX Zero
Gravadora: Deck
Cotação: * * *

♪ Assim como o grupo gaúcho Fresno, o grupo paulistano NX Zero ganhou projeção no desolador cenário roqueiro brasileiro dos anos 2000 sob a batuta padronizadora do produtor e empresário Rick Bonadio. Assim como o Fresno, o NX Zero rompeu a parceria com Bonadio, decidido a buscar outros timbres para seu som por vezes associado ao emo. Em busca de rumo para sua carreira, ameaçada por crise interna que quase provocou o fim do quinteto, o NX Zero encontrou seu norte na pessoa de Rafael Ramos, que assumiu a função de diretor artístico do EP digital produzido e lançado pela banda no ano passado, Estamos no começo de algo muito bom, não precisa ter nome não. (Independente, 2014), primeiro título da nova fase da discografia do NX Zero. A parceria com Ramos foi bisada no sexto álbum inéditas do grupo, Norte, lançado neste mês de agosto de 2015. É Ramos quem assina a produção deste disco que marca a estreia do NX Zero na gravadora carioca Deck. Produtor habilidoso, Ramos afasta de vez o fantasma do emo que rondava a obra do NX Zero, eliminando resquícios do hardcore melódico em bons rocks como Modo avião (Di Ferrero e Gee Rocha) e Gole de sorte (Di Ferrero e Gee Rocha), voos mais altos do repertório inédito e autoral ao lado da balada pop Meu bem (Di Ferrero, Gee Rocha, Dani Wersler, Fi Ricardo e Caco Grandino), a faixa mais radiofônica do disco. A alardeada influência do soul se mostra imperceptível ao longo das 12 músicas de Norte. Mas o que importa é que, entre rocks nervosos como Por amor (Di Ferrero e Gee Rocha) e baladas menos sedutoras como Vibe (Di Ferrero e Gee Rocha), o NX Zero está procurando outro caminho para seu som. Com a participação luxuosa de Lulu Santos, cuja guitarra slide é ouvida em solo inserido na balada Fração de segundo (Di Ferrero, Gee Rocha, Dani Wersler e Fi Ricardo), Norte aponta esse caminho, que passa pela valorização da guitarra na construção dos arranjos e pela escrita de algumas letras de teor crítico. Se continuar por esse caminho,  o NX Zero tem tudo para crescer e ganhar mais peso na cena roqueira do Brasil.

6 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Assim como o grupo gaúcho Fresno, o grupo paulistano NX Zero ganhou projeção no desolador cenário roqueiro brasileiro dos anos 2000 sob a batuta padronizadora do produtor e empresário Rick Bonadio. Assim como o Fresno, o NX Zero rompeu a parceria com Bonadio, decidido a buscar outros timbres para seu som por vezes associado ao emo. Em busca de rumo para sua carreira, ameaçada por crise interna que quase provocou o fim do quinteto, o NX Zero encontrou seu norte na pessoa de Rafael Ramos, que assumiu a função de diretor artístico do EP digital produzido e lançado pela banda no ano passado, Estamos no começo de algo muito bom, não precisa ter nome não. (Independente, 2014), primeiro título da nova fase da discografia do NX Zero. A parceria com Ramos foi bisada no sexto álbum inéditas do grupo, Norte, lançado neste mês de agosto de 2015. É Ramos quem assina a produção deste disco que marca a estreia do NX Zero na gravadora carioca Deck. Produtor habilidoso, Ramos afasta de vez o fantasma do emo que rondava a obra do NX Zero, eliminando resquícios do hardcore melódico em bons rocks como Modo avião (Di Ferrero e Gee Rocha) e Gole de sorte (Di Ferrero e Gee Rocha), voos mais altos do repertório inédito e autoral ao lado da balada pop Meu bem (Di Ferrero, Gee Rocha, Dani Wersler, Fi Ricardo e Caco Grandino), a faixa mais radiofônica do disco. A alardeada influência do soul se mostra imperceptível ao longo das 12 músicas de Norte. Mas o que importa é que, entre rocks nervosos como Por amor (Di Ferrero e Gee Rocha) e baladas menos sedutoras como Vibe (Di Ferrero e Gee Rocha), o NX Zero está procurando outro caminho para seu som. Com a participação luxuosa de Lulu Santos, cuja guitarra slide é ouvida em solo inserido na balada Fração de segundo (Di Ferrero, Gee Rocha, Dani Wersler e Fi Ricardo), Norte aponta esse caminho, que passa pela valorização da guitarra na construção dos arranjos e pela escrita de algumas letras de teor crítico. Se continuar por esse caminho, o NX Zero tem tudo para crescer e ganhar mais peso na cena roqueira do Brasil.

Rafael M. disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Rafael M. disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Rafael M. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luca disse...

Esse disco deu uma melhorada no som do grupo, pelo que ouvi, modo avião e meu bem mas não sei se vão além disso

ADEMAR AMANCIO disse...

...não precisa ter nome não,muito bom.