Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

RETROSPECTIVA 2015 – Gravado por Gal, Arthur Nogueira cresce e aparece

RETROSPECTIVA 2015"Não sou mais tola / Nem mais me queixo / Não tenho medo / Nem esperança / Nada do que fiz / Por mais feliz / Está à altura / Do que há por fazer". Os versos cantados por Gal Costa na batida do rock, na abertura do álbum Estratosférica (Sony Music, 2015), foram escritos pelo poeta Antonio Cícero para música de Arthur Nogueira. Cantor e compositor paraense radicado em São Paulo (SP), Nogueira ganhou visibilidade a partir do lançamento do festejado disco de Gal, em maio. Em junho, no embalo da boa repercussão da música que compôs com Cícero, Nogueira editou o segundo álbum, Sem medo nem esperança (Joia Moderna, 2015), batizado com o título da composição lançada por Gal e gravado com mais parcerias com Cícero. Em agosto, o artista - em foto de Diego Ciarlariello - estreou em São Paulo (SP) belo show que evidenciou o timbre grave de voz posta a serviço de repertório apresentado com pegada roqueira e com intervenções de Cida Moreira e Lira. Em 6 de outubro, dia em que Antonio Cícero festejou 70 anos, Nogueira arremessou na web gravação inédita de Água perrier (Adriana Calcanhotto e Antonio Cícero, 1992), primeira faixa de álbum em tributo ao 70º aniversário de Cícero, disco idealizado e assinado por Nogueira com o produtor e músico Arthur Kunz. Intitulado Presente - Antonio Cícero 70, disco será lançado no primeiro trimestre de 2016, dando sequência à discografia de um artista que sai de 2015  maior e com mais projeção do que na entrada do ano.

6 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ RETROSPECTIVA 2015 – "Não sou mais tola / Nem mais me queixo / Não tenho medo / Nem esperança / Nada do que fiz / Por mais feliz / Está à altura / Do que há por fazer". Os versos cantados por Gal Costa na batida do rock, na abertura do álbum Estratosférica (Sony Music, 2015), foram escritos pelo poeta Antonio Cícero para música de Arthur Nogueira. Cantor e compositor paraense radicado em São Paulo (SP), Nogueira ganhou visibilidade a partir do lançamento do festejado disco de Gal, em maio. Em junho, no embalo da boa repercussão da música que compôs com Cícero, Nogueira editou o segundo álbum, Sem medo nem esperança (Joia Moderna, 2015), batizado com o título da composição lançada por Gal e gravado com mais parcerias com Cícero. Em agosto, o artista - em foto de Diego Ciarlariello - estreou em São Paulo (SP) belo show que evidenciou o timbre grave de voz posta a serviço de repertório apresentado com pegada roqueira e com intervenções de Cida Moreira e Lira. Em 6 de outubro, dia em que Antonio Cícero festejou 70 anos, Nogueira arremessou na web gravação inédita de Água perrier (Adriana Calcanhotto e Antonio Cícero, 1992), primeira faixa de álbum em tributo ao 70º aniversário de Cícero, disco idealizado e assinado por Nogueira com o produtor e músico Arthur Kunz. Intitulado Presente - Antonio Cícero 70, disco será lançado no primeiro trimestre de 2016, dando sequência à discografia de um artista que sai de 2015 maior e com mais projeção do que na entrada do ano.

Francisco Mota disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Luca disse...

esse é queridinho do Mauro porque grava na gravadora do Zé Pedro... Maurinho, estamos de olho...

Renato Gonçalves disse...

Um dos grandes discos do ano, sem dúvidas. Acho tão bonito ver como o Arthur, ao mesmo tempo que leva para frente todo o cuidado poético de Antonio Cicero, vai navegando por novas sonoridades. Gosto muito.

Fabio disse...

No palco o cara é super inexpressivo. Melhor compositor que cantor.

Israel Lee disse...

Ouvi o cd. Gosto de estar atento (e forte) para novidades. Achei muito boa a versão dele pra "Sem medo nem esperança". Mas a maioria das letras e arranjos não me agradaram, muito embora desconfie que esse menino ainda vai dar as caras - ou melhor, a voz - no rádio aqui de casa. Mas ainda não é a hora.