Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

RETROSPECTIVA 2015 – Wesley Safadão é aquele artista que teve ano 100%

RETROSPECTIVA 2015 – Wesley Oliveira da Silva viveu ano áureo aos 27 anos de idade e 12 de carreira que deslanchou ao longo de 2015 a reboque do estouro de músicas como Camarote (Neto Barros e Jota Reis) - lançada em single que virou viral no YouTube - e Aquele 1%, composição de Vinicius Poeta e Benício Neto registrada pela dupla sertaneja Marcos & Belutti com a participação de Wesley em gravação lançada em junho que também se transformou num dos maiores hits do ano. Conectado com o universo das baladas, o cantor cearense de forró - conhecido pelo nome artístico de Wesley Safadão em alusão ao fato de ter começado a carreira musical na banda Garota Safada, formada pela família do artista e na qual ele ingressou em 2007 como vocalista - é um dos fenômenos musicais de um Brasil popular que ignora o hype ditado pela mídia e que elege os próprios ídolos. Com média de 25 shows mensais, feitos mediante cachês de valores estratosféricos que podem chegar a R$ 500 mil, Wesley acumula milhões de seguidores nas redes sociais e milhões de visualizações de clipes postados na web. É contratado da gravadora Som Livre, por onde já lançou quatro títulos de discografia iniciada em 2003 como integrante da banda Garota Safada, mas ainda distribui CDs de graça pelo Nordeste do Brasil como forma de alavancar os shows que tornaram Wesley Safadão uma das vozes mais populares e rentáveis de 2015. Assistindo à crise de camarote,  Wesley Oliveira da Silva é aquele exemplo raro de artista para quem 2015 foi ano 100%.

9 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ RETROSPECTIVA 2015 – Wesley Oliveira da Silva viveu ano áureo aos 27 anos de idade e 12 de carreira que deslanchou ao longo de 2015 a reboque do estouro de músicas como Camarote (Neto Barros e Jota Reis) - lançada em single que virou viral no YouTube - e Aquele 1%, composição de Vinicius Poeta e Benício Neto registrada pela dupla sertaneja Marcos & Belutti com a participação de Wesley em gravação lançada em junho que também se transformou num dos maiores hits do ano. Conectado com o universo das baladas, o cantor cearense de forró - conhecido pelo nome artístico de Wesley Safadão em alusão ao fato de ter começado a carreira musical na banda Garota Safada, formada pela família do artista e na qual ele ingressou em 2007 como vocalista - é um dos fenômenos musicais de um Brasil popular que ignora o hype ditado pela mídia e que elege os próprios ídolos. Com média de 25 shows mensais, feitos mediante cachês de valores estratosféricos que podem chegar a R$ 500 mil, Wesley acumula milhões de seguidores nas redes sociais e milhões de visualizações de clipes postados na web. É contratado da gravadora Som Livre, por onde já lançou quatro títulos de discografia iniciada em 2003 como integrante da banda Garota Safada, mas ainda distribui discos de graça pelo Nordeste do Brasil como forma de divulgar os shows que tornaram Wesley Safadão uma das vozes mais populares e rentáveis de 2015. Assistindo à crise de camarote, Wesley Oliveira da Silva é aquele exemplo raro de artista para quem 2015 foi ano 100%.

Fred Alves disse...

Deus livre nossos ouvidos disso

Euler disse...

"Forró"?

ADEMAR AMANCIO disse...

A Som Livre só trabalha com...
Na verdade,se ele faz tanto sucesso só pode ter algum talento.Respeitemos.

Natálio disse...

Ruim demais.

Victor Moraes, disse...

Se fosse esse cachê ele já estaria bilionário e não precisaria mais fazer show. Por que esse nome artístico, gente?

André Luís disse...

Anitta, Latino, Wesley Safadão, Luan Santanna... O que mais veremos aqui no seu blog, Mauro?! A música brasileira em geral está um lixo, mas não precisa evidenciar tal lixo. Tenho certeza que há muuuuuuuita coisa boa pra falar sobre. Há grandes artistas nesse país com talento, criatividade e competência. Por favor, Mauro, enquanto crítico musical, faça um favor não apenas aos leitores do seu blog, mas principalmente à música brasileira, e pare de noticiar o "trabalho" desse povo. Contribua com a verdadeira música. Eu sei que você tem bom gosto. Esteja certo de que os ouvintes dos "artistas" citados (e afins) definitivamente não acessam o seu blog para saber mais sobre a "obra" deles.

Rhenan Soares disse...

Brasil de Safadão e Cristiano Araújo. A MPB pira!

Douglas Carvalho disse...

O que as pessoas (fãs e esses artistas) não percebem é que desde que a indústria de discos de consolidou existem esses "artistas" de ocasião, que fazem um "sucesso" absurdo e depois caem no esquecimento da mídia, das gravadoras e do público.

Não adianta ter o maior cachê num ano e no ano seguinte não ser contratado pra cantar nem em churrascaria. Ainda são mais relevantes e importantes aqueles que não são "sucesso" de massa mas têm prestígio e público cativo.