Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


domingo, 17 de maio de 2015

Lia Paris exibe ótimo domínio do idioma pop em disco produzido por Miranda

Resenha de CD
Título: Lia Paris
Artista: Lia Paris
Gravadora: Edição independente da artista
Cotação: * * * *

Das 13 músicas autorais gravadas por Lia Paris em seu excelente primeiro álbum solo, três - A estrada, Subentendido e Wild boy  - são assinadas pela cantora e compositora paulistana com seu conterrâneo Marcelo Jeneci. Uma quarta, Foguete, dispara no universo pop a segunda (boa) parceria de Lia com o cantor e compositor mineiro Samuel Rosa. A primeira, o delicioso synth-pop Aniversário, já tinha sido lançada nas vozes dos parceiros em gravação feita para o último álbum de inéditas do Skank, Velocia (Sony Music, 2014), que serviu para projetar Lia no mercado fonográfico brasileiro, no qual ela já debutara em março de 2014 com a edição de EP, Wild boy (Aurea Music), em que apresentou três das 13 músicas do atual álbum Lia Paris. Ou seja, a artista está se conectando com dois dos mais hábeis artesãos do pop brasileiro. Contudo, é injusto tirar de Lia o crédito pelo ótimo domínio pop do cancioneiro autoral do álbum formatado pelo produtor Carlos Eduardo Miranda com banda que inclui músicos como Alexandre Kassin (no baixo) e Pupillo (na bateria). Músicas assinadas solitariamente por Lia - casos, sobretudo, de Seu jardim (de uma simplicidade sedutora que remete às melhores canções da Jovem Guarda), Azul e flores (canção - já lançada no EP pilotado por Antonio Pinto e Dudu Aram - que reitera a vocação pop de Lia com letra que alude à vivência circense da artista), Dissonantes e Tempo - revelam uma compositora apta a ter suas músicas cantadas por multidões sem jamais descer ao nível rasteiro dos hits das paradas atuais. Com voz leve que se harmoniza com a produção orquestrada por Miranda com dose sutil de eletrônica, a cantora apresenta um CD coeso. O produtor acertou ao entender que nada pode embaçar a aura pop da obra autoral de Lia Paris. O álbum de estreia da cantora é solar. Tomara que um raio de luz entre pelo (nublado) mercado do disco para iluminar o som de Lia Paris.

6 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Das 13 músicas autorais gravadas por Lia Paris em seu primeiro álbum, três - A estrada, Subentendido e Wild boy - são assinadas pela cantora e compositora paulistana com seu conterrâneo Marcelo Jeneci. Uma quarta, Foguete, dispara no universo pop a segunda (boa) parceria de Lia com o cantor e compositor mineiro Samuel Rosa. A primeira, o delicioso synth-pop Aniversário, já tinha sido lançada nas vozes dos parceiros em gravação feita para o último álbum de inéditas do Skank, Velocia (Sony Music, 2014), que serviu para projetar Lia no mercado fonográfico brasileiro, no qual ela já debutara em março de 2014 com a edição de EP, Wild boy (Aurea Music), em que apresentou três das 13 músicas do atual álbum Lia Paris. Ou seja, a artista está se conectando com dois dos mais hábeis artesãos do pop brasileiro. Contudo, é injusto tirar de Lia o crédito pelo ótimo domínio pop do cancioneiro autoral do álbum formatado pelo produtor Carlos Eduardo Miranda com banda que inclui músicos como Alexandre Kassin (no baixo) e Pupillo (na bateria). Músicas assinadas solitariamente por Lia - casos, sobretudo, de Seu jardim (de uma simplicidade sedutora que remete às melhores canções da Jovem Guarda), Azul e flores (canção - já lançada no EP pilotado por Antonio Pinto e Dudu Aram - que reitera a vocação pop de Lia com letra que alude à vivência circense da artista), Dissonantes e Tempo - revelam uma compositora apta a ter suas músicas cantadas por multidões sem jamais descer ao nível rasteiro dos hits das paradas atuais. Com voz leve que se harmoniza com a produção orquestrada por Miranda com dose sutil de eletrônica, a cantora apresenta um CD coeso. O produtor acertou ao entender que nada pode embaçar a aura pop da obra autoral de Lia Paris. O álbum de estreia da cantora é solar. Tomara que um raio de luz entre pelo (nublado) mercado do disco para iluminar o som de Lia Paris.

reverendo t aka Tony Lopes disse...

Salve Mauro, ela Tb lançou um CD com a banda Paris le rock.

LIA paris disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
carlos buzolin disse...

Gostei da crítica ao trabalho de estréia da Lia que também considero uma estréia "solar".
Os músicos produtores fizeram um trabalho muito legal sob a direção do Miranda.
Fica difícil escolher uma música de trabalho, uma vez que o CD tem várias músicas bem legais.

carlos buzolin disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ADEMAR AMANCIO disse...

Não conhecia a Lia, que não é de Itamaracá.