Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quinta-feira, 2 de abril de 2015

Questão jurídica relativa à capa exclui álbum inicial da caixa de Paulinho

Produzida com curadoria do jornalista Vagner Fernandes, a caixa Ruas que sonhei - recém-posta nas lojas pela gravadora Universal Music com reedições de 10 álbuns e uma compilação inédita de Paulinho da Viola - exclui um dos 11 álbuns lançados pelo cantor e compositor carioca na extinta gravadora Odeon entre 1968 e 1979. Trata-se do primeiro álbum solo do sambista chorão, Paulinho da Viola (Odeon, 1968). A Universal Music optou por lançar a caixa sem o disco por conta de questão jurídica relativa à reprodução da capa do álbum - capa que tem arte gráfica e foto de autoria de Pedro de Moraes. De todo modo, como a compilação de gravações avulsas intitulada Raridades inclui fonograma de 1968 (existe até um de 1966), o subtítulo 68 até 79 acaba fazendo sentido por se referir aos anos em que o artista consolidou sua genial obra solo na Odeon.

10 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Produzida com curadoria do jornalista Vagner Fernandes, a caixa Ruas que sonhei - recém-posta nas lojas pela gravadora Universal Music com reedições de 10 álbuns e uma compilação inédita de Paulinho da Viola - exclui um dos 11 álbuns lançados pelo cantor e compositor carioca na extinta gravadora Odeon entre 1968 e 1979. Trata-se do primeiro álbum solo do sambista chorão, Paulinho da Viola (Odeon, 1968). A Universal Music optou por lançar a caixa sem o disco por conta de questão jurídica relativa à reprodução da capa do álbum - capa que tem arte gráfica e foto de autoria de Pedro de Moraes. De todo modo, como a compilação de gravações avulsas intitulada Raridades inclui fonograma de 1968 (existe até um de 1966), o subtítulo 68 até 79 acaba fazendo sentido por se referir aos anos em que o artista consolidou sua genial obra solo na Odeon.

Rafael M. disse...

Que pena terem excluído o disco de 1968 por conta de capa... As capas, uma vez feitas, deveriam pertencer ao cantor... Mas de qualquer forma esse box é super necessário de se ter.

Douglas Carvalho disse...

De novo as reedições tendo problema por chatice de que fez a capa?

Mauro Ferreira disse...

Douglas, os contratos antigos não previam reedições em mídias futuras, como os contratos atuais fazem. Por isso, eventualmente há problemas judiciais por direito de imagens das capas. Abs, MauroF

Leo-MT disse...

Já vou comprar a minha caixa do Paulinho. Novidades com relação à caixa da Rita Lee Mauro?

Douglas Carvalho disse...

Mas que é uma sacanagem, é.

BIGODE disse...

Essa caixa é uma roubada, apesar de ser fã do Paulinho....o album de raridades é bem ruim, e o fato de não ter o primeiro disco torna totalmente desnescessária a caixa...Só é recomendada para quem não tem esses discos, ai sim ela é essencial, se você já possui as edições em cd dos mesmos com bonus e tudo o mais, passe longe dessa caixa, caça niquel da pior qualidade

Mauro Ferreira disse...

Bigode, o som das atuais reedições é superior aos das reedições de 1997. E mais fiel ao som dos álbuns originais. Abs, MauroF

Clayton Moreira disse...

Mauro, pode publicar a lista das músicas que compõem o CD de raridades? Será que tem o "Choro n° 10", gravado por Paulinho num raríssimo LP dedicado à obra do chorão paulista Armandinho Neves e lançado em 1978?

Mauro Ferreira disse...

Clayton, ainda vou publicar uma resenha mais extensa da caixa. Abs, MauroF