Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quinta-feira, 23 de abril de 2015

Canção (pop) de Mallu vai promover o álbum que Gal lançará em 26 de maio

Com lançamento previsto para 26 de maio de 2015, em edição da gravadora Sony Music, o álbum Estratosférica - gravado por Gal Costa com produção de Moreno Veloso e Kassin - tem pegada rocker, mas abre janela para o pop radiofônico em canções como Amor, se acalme (Arnaldo Antunes, Marisa Monte e Cezar Mendes). Uma dessas canções - Quando você olha para ela, de autoria da cantora e compositora paulistana Mallu Magalhães - foi escolhida para ser o primeiro single promocional oficial do álbum. Na sequência da edição do single Ilusão à toa (Johnny Alf, 1961), lançado nas plataformas digitais em 14 de abril de 2015 somente pelo fato de a faixa-bônus de uma das edições físicas do disco estar incluída na trilha sonora da novela Babilônia (TV Globo, 2015), Gal - em foto de Daniela Toviansky - vai começar a divulgar a canção pop de Mallu.  Está prevista a gravação de clipe.

12 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Com lançamento previsto para 26 de maio de 2015, em edição da gravadora Sony Music, o álbum Estratosférica - gravado por Gal Costa com produção de Moreno Veloso e Kassin - tem pegada rocker, mas abre janela para o pop radiofônico em canções como Amor, se acalme (Arnaldo Antunes, Marisa Monte e Moreno Veloso). Uma dessas canções - Quando você olha para ela, de autoria da cantora e compositora paulistana Mallu Magalhães - foi escolhida para ser o primeiro single promocional oficial do álbum. Na sequência da edição do single Ilusão à toa (Johnny Alf, 1961), lançado nas plataformas digitais em 14 de abril de 2015 somente pelo fato de a faixa-bônus de uma das edições físicas do disco estar incluída na trilha sonora da novela Babilônia (TV Globo, 2015), Gal - em foto de Daniela Toviansky - vai começar a divulgar a canção pop de Mallu.

Bruno Cavalcanti disse...

Gal num momento pleno que, espero, continue a evoluir e se modificar - e espero que "Estratosférica" seja um álbum diferente do "Recanto" para não soar um clone de si mesmo. Mal posso esperar... principalmente pelo show!

Rafael M. disse...

Nossa, 26 de maio ainda o lançamento do disco??? Tá longe pra caramba... Tô aqui contando os dias para esse disco chegar logo...

Victor Moraes, disse...

Gostei da escolha da música! Todos mundo que comento sobre esse novo album da Gal mostra alguma curiosidade por Gal cantando Mallu.

DyNozzo disse...

Espero tudo de Bom pra Gal. Afinal, são as últimas balas do cartucho. Se for bem; Bom. Se for mal; Bem Bom, também... É GaL. Gal, Sempre, GaL. Gal do Mundo. A Dona da Voz. A mulher essencial. A Mulher Fatal. Gal dos nossos dias, da nossa vida. O que seria a vida sem GaL? A música sem a voz. A vida sem razão. A Razão, fatal, sem sentido. O sentido sem a essência de existir. A existência sem Graça (Maria da Graça). A Graça de viver e sentir o amanhã, o ontem e o agora? A vida sem Gal seria estranha, Fatal. Plural seria o normal. Profana. E o que é "Profana" neste mundo Profano? A voz não teria valor. A acústica, muito menos. Os Graves, não têm lugar. Os Agudos, são Reis. Gal É RaInHa. É SoBerana. É plenitude por mais que as pessoas não consumam, não entendam. GaL é EssEncial. É Necessário. Gal é tudo que existe. É tudo que há de bom. Um Dia de Domingo eu acordei e ví Gal ao meu lado. A coisa mais linda que existe. Ela estava no cio da criação. Da produção. De querer existir e ser. Ser e estar. Estar para abalar Cubatão. Deixar o Rio mais lindo do que é, com saudades da Bahia. Com a alegria de poder cantar em Lisboa. Com a satisfação de actuar em Xaangrilá. A força estranha que vem e convece. Vem e satifaz. Faz poesia de coisas banais. Faz da banalidade necessária aos ouvidos. Quando GaL abre a boca é pra cantar. É para impressionar. Poderia escrever, escrver, falar... Agora Complete vocês;

DyNozzo disse...

À ESPERA DE GAL....

Espero tudo de Bom pra Gal. Afinal, são as últimas balas do cartucho. Se for bem; Bom. Se for mal; Bem Bom, também... É GaL. Gal, Sempre, GaL. Gal do Mundo. A Dona da Voz. A mulher essencial. A Mulher Fatal. Gal dos nossos dias, da nossa vida. O que seria a vida sem GaL? A música sem a voz. A vida sem razão. A Razão, fatal, sem sentido. O sentido sem a essência de existir. A existência sem Graça (Maria da Graça). A Graça de viver e sentir o amanhã, o ontem e o agora? A vida sem Gal seria estranha, Fatal. Plural seria o normal. Profana. E o que é "Profana" neste mundo Profano? A voz não teria valor. A acústica, muito menos. Os Graves, não têm lugar. Os Agudos, são Reis. Gal É RaInHa. É SoBerana. É plenitude por mais que as pessoas não consumam, não entendam. GaL é EssEncial. É Necessário. Gal é tudo que existe. É tudo que há de bom. Um Dia de Domingo eu acordei e ví Gal ao meu lado. A coisa mais linda que existe. Ela estava no cio da criação. Da produção. De querer existir e ser. Ser e estar. Estar para abalar Cubatão. Deixar o Rio mais lindo do que é, com saudades da Bahia. Com a alegria de poder cantar em Lisboa. Com a satisfação de actuar em Xangrilá. A força estranha voz que vem e convence. Vem e satifaz. Faz poesia de coisas banais. Faz da banalidade necessária aos ouvidos. Quando GaL abre a boca é pra cantar. É para impressionar. Imagine um mundo global sem gAl. Pense num prelúdio de vida sem gAL. Poderia escrever, escrerver, escrever, falar... Agora Complete vocês;

Marcelo disse...

É isso mesmo???

Dalson Prisco disse...

Menos gente...menos...kkkkkk

Leonardo Ribeiro - Personal Dancer - BH disse...

Só eu que estou achando a Gal nessa foto a cara da Simone? O.o

Leonardo Ribeiro - Personal Dancer - BH disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Dona Emengarda disse...

É isso mesmo, produção?

ADEMAR AMANCIO disse...

A Gal já gravou tanta coisa linda, pra quê mais?