Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


terça-feira, 3 de março de 2015

Saulo explicita 'baianidade nagô' ao gravar seu segundo álbum solo, 'Baiuno'

Projetado na cena de axé music como vocalista da Banda Eva, posto que deixou após o Carnaval de 2013, Saulo Fernandes explicita sua baianidade em seu segundo álbum solo, já em fase de gravação em Salvador (BA). Sucessor de Saulo ao vivo (Universal Music, 2013), o primeiro álbum de estúdio do cantor e compositor baiano vai se chamar Baiuno. O artista batizou o disco com a expressão usada de forma pejorativa nos anos 1970 por jornalistas do semanário carioca O pasquim para se referir a cantores baianos como Caetano Veloso e Gilberto Gil. Curiosamente, o cantor e compositor cearense Belchior lançou há 22 anos um álbum chamado Baihuno (Movie Play, 1993). O Baiuno de Saulo Fernandes está sendo produzido por Munnir Hossn e Marcelus Leone. A ideia é ressaltar a baianidade do artista. "As canções estão indo por esse caminho. A Bahia é uma fonte que jorra o tempo todo e que não se esgota", ressalta Saulo. O repertório pode incluir a canção Sertanejo, parceria do artista com o pianista e compositor congolês Ray Lema. Lançada na web em novembro de 2014, em ação voltada para o Dia da Consciência Negra, a música inclui a expressão baiuno na letra. Baiuno será lançado em meados deste ano de 2015. Estão previstos vários convidados neste disco solo de Saul Fernandes.

2 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Projetado na cena de axé music como vocalista da Banda Eva, posto que deixou após o Carnaval de 2013, Saulo Fernandes explicita sua baianidade em seu segundo álbum solo, já em fase de gravação em Salvador (BA). Sucessor de Saulo ao vivo (Universal Music, 2013), o primeiro álbum de estúdio do cantor e compositor baiano vai se chamar Baiuno. O artista batizou o disco com a expressão usada de forma pejorativa nos anos 1970 por jornalistas do semanário carioca O pasquim para se referir a cantores baianos como Caetano Veloso e Gilberto Gil. Curiosamente, o cantor e compositor cearense Belchior lançou há 22 anos um álbum chamado Baihuno (Movie Play, 1993). O Baiuno de Saulo Fernandes está sendo produzido por Munnir Hossn e Marcelus Leone. A ideia é ressaltar a baianidade do artista. "As canções estão indo por esse caminho. A Bahia é uma fonte que jorra o tempo todo e que não se esgota", ressalta Saulo. O repertório inclui a canção Sertanejo, parceria do artista com o pianista e compositor congolês Ray Lema. Lançada na web em novembro de 2014, em ação voltada para o Dia da Consciência Negra, a música inclui a expressão baiuno na letra. Baiuno será lançado em meados deste ano de 2015.

italo vinicius disse...

Que venha logo ancioso pra ouvir