Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Mestre dos teclados dos anos 1980, Lincoln Olivetti sai de cena aos 60 anos

Há quem considere a atuação do compositor, pianista, arranjador e produtor musical Lincoln Olivetti (17 de abril de 1954 - 13 de janeiro de 2015) nociva para a música brasileira. Mestre dos teclados, inclusive dos sintetizadores dos quais foi pioneiro ao usá-los sem cerimônia nos anos 1980, o músico fluminense contribuiu decisivamente para a construção da sonoridade tecnopop que deu o tom da música brasileira a partir da década de 1980. Contudo, até os que entendem que Lincoln pasteurizou a MPB com seus arranjos eletrônicos jamais negam o talento extraordinário deste magistral músico que ontem à tarde saiu de cena, aos 60 anos, vítima de infarto. Virtuoso, tecnicamente irrepreensível, Lincoln Olivetti - visto em foto de Luiz Lima - tocou com os maiores nomes da MPB, deixando sua marca como músico e / ou arranjador em discos de Ed Motta, Gal Costa, Gilberto Gil, Jorge Ben Jor, Lulu Santos, Rita Lee, Roberto Carlos e Tim Maia (1942 - 1998), entre outros nomes mais ou menos importantes. Em parceria com o carioca Robson Jorge (1954 - 1993), músico que pilotava guitarra e também teclados, Lincoln gravou e lançou em 1982, pela gravadora Som Livre, um disco - intitulado Robson Jorge & Lincoln Olivetti - que é considerado uma aula de black music à moda brasileira. Inclusive pelo alto padrão técnico do disco. Como Robson, Olivetti - nascido em Nilópolis, cidade da Baixada Fluminense (RJ) - pôs os pés na profissão através dos bailes da vida suburbana da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Como compositor, foi parceiro sobretudo de Tim Maia e Robson Jorge. Mas não foi um compositor de hits. O único foi Amor perfeito. Grande sucesso lançado por Roberto Carlos no seu álbum de 1986, Amor perfeito é resultado da parceria da dupla Lincoln Olivetti & Robson Jorge com outra dupla que deu as cartas no jogo industrial da música brasileira dos anos 1980, Michael Sullivan & Paulo Massadas. Olivetti era arisco, tinha fama de excêntrico e fazia jus ao epíteto Mago dos estúdios. Foi neles, nos estúdios, seu habitat natural, que o músico criou arranjos de padrão internacional que - para o bem ou para o mal - transformaram para sempre a música brasileira a partir dos anos 1980. Olivetti foi um mestre como músico e  arranjador. Sua maestria na arte de orquestrar cordas de forma sublime mostra que o imenso legado do maestro transcende o universo eletrônico dos sintetizadores, embora Lincoln Olivetti vá passar para a posteridade como um mago dos teclados. O que não é pouco.

12 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Há quem considere a atuação do compositor, pianista, arranjador e produtor musical Lincoln Olivetti (17 de abril de 1954 - 13 de janeiro de 2015) nociva para a música brasileira. Mestre dos teclados, inclusive dos sintetizadores dos quais foi pioneiro ao usá-los sem cerimônia nos anos 1980, o músico fluminense contribuiu decisivamente para a construção da sonoridade tecnopop que deu o tom da música brasileira a partir da década de 1980. Contudo, até os que entendem que Lincoln pasteurizou a MPB com seus arranjos eletrônicos jamais negam o talento extraordinário deste músico que saiu ontem de cena, aos 60 anos, de causas ainda ignoradas. Virtuoso, tecnicamente irrepreensível, Lincoln Olivetti - visto em foto de Luiz Lima - tocou com os maiores nomes da MPB, deixando sua marca como músico e / ou arranjador em discos de Ed Motta, Gal Costa, Gilberto Gil, Jorge Ben Jor, Lulu Santos, Rita Lee, Roberto Carlos e Tim Maia (1942 - 1998), entre outros nomes mais ou menos importantes. Em parceria com o carioca Robson Jorge (1954 - 1993), músico que pilotava guitarra e também teclados, Lincoln gravou e lançou em 1982, pela gravadora Som Livre, um disco - intitulado Robson Jorge & Lincoln Olivetti - que é considerado uma aula de black music à moda brasileira. Inclusive pelo alto padrão técnico do disco. Como Robson, Olivetti - nascido em Nilópolis, distrito da Baixada Fluminense (RJ) - pôs os pés na profissão através dos bailes da vida suburbana da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Como compositor, foi parceiro sobretudo de Tim Maia e Robson Jorge. Mas não foi um compositor de hits. O único foi Amor perfeito. Grande sucesso lançado por Roberto Carlos no seu álbum de 1986, Amor perfeito é resultado da parceria da dupla Lincoln Olivetti & Robson Jorge com outra dupla que deu as cartas no jogo industrial da música brasileira dos anos 1980, Michael Sullivan & Paulo Massadas. Olivetti era arisco, tinha fama de excêntrico e fazia jus ao epíteto Mago dos estúdios. Foi neles, nos estúdios, seu habitat natural, que o músico criou arranjos de padrão internacional que - para o bem ou para o mal - transformaram para sempre a música brasileira. Foi um mestre!!

Euler disse...

Ele também fez arranjos para diversos discos da cantora Rosanah!

Unknown disse...

Mas, Mauro, Nilópolis não é distrito, é cidade da Baixada Fluminense.

Felipe dos Santos disse...

Os arranjos de Lincoln foram polêmicos? Sim. Muitos não o perdoam (que besteira!), a ponto do cidadão ter ficado proscrito um bom tempo das altas rodas de arranjadores da música brasileira.

Mas é inegável que ele marcou época. Foi O arranjador mais futurista e tecnológico que a música brasileira já teve, sem dúvida nenhuma. Muitos sintetizadores (talvez até bateria eletrônica) tenham tido sua introdução nos estúdios brasileiros com Lincoln.

Para quem acredita, fica a esperança de que ele já tenha se encontrado com o velho parceiro Robson Jorge, e que ambos já estejam fazendo arranjos para Tim (que os adorava - Lincoln até faz uma "ponta" no show de Niterói em que Tim saiu para sair de cena, em "Tim Maia - Vale tudo", o filme).

Ou que já estejam fazendo um som funkeado com outros instrumentistas que os acompanhavam em seus arranjos por aí, como Picolé e Márcio Montarroyos.

Ouvindo "Jorgeia Corisco" aqui. Que perda, que perda...

Felipe dos Santos Souza

Felipe dos Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Felipe dos Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mauro Ferreira disse...

Tem razão, Unkown. Grato pelo toque, Mauro Ferreira

Felipe dos Santos disse...

Mauro, só para acrescentar: as causas já não são mais ignoradas. A assessoria de imprensa e a filha já comunicaram que foi infarto, no fim da tarde de ontem.

Felipe dos Santos Souza

Mauro Ferreira disse...

Grato, Felipe, já consertei. Abs, MauroF

maroca disse...

Augusto Flávio (Petrolina-Pe/Juazeiro-Ba)

Pasteurizado ou não Lincoln Olivetti e Robson Jorge, fizeram arranjos que até hoje eu gosto;

- Só nos resta viver (Angela RoRo) 1980, Meu bem querer (Zizi Possi) 1980, Você é linda (Caetano) 1983, Sentado a beira do caminho (Erasmo e Roberto) 1980, Doce espera (Bethânia) 1986, Meu bem, meu mal (Gal) 1981, Drão (Gil) 1982 e tantos outros.

ADEMAR AMANCIO disse...

Tim cantando em outra dimensão? É claro que eu acredito.

ianca olivetti disse...

Tocava muito