Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sábado, 24 de janeiro de 2015

Kelly Key volta à cena com álbum em que flerta com a música angolana

A caminho dos 32 anos, a serem completados em 3 de março, Kelly Key volta ao mercado fonográfico em fevereiro deste ano de 2015 com a edição, pela gravadora Deck, de seu sexto álbum de estúdio, No controle, arquitetado desde 2010. Sucesso nacional em 2002 com o estouro de Baba (Kelly e Andinho, 2001), música de seu primeiro álbum Kelly Key (Warner Music, 2001), a cantora e compositora carioca não apresentava um álbum de estúdio desde 2008. Precedido pelo single Controle, lançado em outubro de 2014, o álbum No controle alinha 12 músicas compostas em português e em inglês. Key dá voz a composições de Mister Jam, Paulo Mac e Razzy, entre outros nomes. No CD, a artista também flerta com a música angolana, mais precisamente com o kizomba, ritmo originário da mistura de semba com zouk. O repertório inclui parcerias inéditas da artista com a cantora e compositora angolana Celma Ribas. O álbum tem sotaque pop eletrônico.

7 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ A caminho dos 32 anos, a serem completados em 3 de março, Kelly Key volta ao mercado fonográfico em fevereiro deste ano de 2015 com a edição, pela gravadora Deck, de seu sexto álbum de estúdio, No controle, arquitetado desde 2010. Sucesso nacional em 2002 com o estouro de Baba (Kelly e Andinho, 2001), música de seu primeiro álbum Kelly Key (Warner Music, 2001), a cantora e compositora carioca não apresentava um álbum de estúdio desde 2008. Precedido pelo single Controle, lançado em outubro de 2014, o álbum No controle alinha 12 músicas compostas em português e em inglês. Key dá voz a composições de Mister Jam, Paulo Mac e Razzy, entre outros nomes. No CD, a artista também flerta com a música angolana, mais precisamente com o kizomba, ritmo originário da mistura de semba com zouk. O repertório inclui parcerias inéditas da artista com a cantora e compositora angolana Celma Ribas. O álbum tem sotaque pop eletrônico.

italo vinicius disse...

Vamos ver como vai ser esse álbum

Rafael M. disse...

Lixo musical. Passo longe.

Luca disse...

ninguém nem lembra mais

Douglas Carvalho disse...

Momento mais marcante da carreira: se achando a Ella Fitzgerald brasileira cantando "O amor e o poder" numa boate chinfrim e dando piti por causa das palmas xoxas no fim.

Leo Halley disse...

Kelly key,o pop so é pop no brasil gracas a ela,sempre foi sucesso e nesse retorno triunfal vira para lacrar o c* e a boca de quem fala mal dela,arrasa,a unica rainha do pop nacional

Douglas Carvalho disse...

É pra rir?