Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


domingo, 11 de janeiro de 2015

Bethânia estreia no Rio 'Abraçar e agradecer', o show dos 50 anos de carreira

A IMAGEM DO SOM - A foto de Rodrigo Goffredo mostra Maria Bethânia no palco da casa Vivo Rio com o primeiro dos dois figurinos de Gilda Midani usados no show comemorativo de seus 50 anos de carreira, Abraçar e agradecer. Com cenário e direção de Bia Lessa, o espetáculo estreou na noite de ontem, 10 de janeiro de 2015, no Rio de Janeiro (RJ), cidade onde, em 13 de fevereiro de 1965, a intérprete baiana fez sua estreia oficial nos palcos, aos 18 anos, substituindo a cantora capixaba Nara Leão (1942 - 1989) no elenco do teatralizado show Opinião. Embora a rigor Bethânia já esteja em cena desde 1963, a histórica estreia no Opinião é o ponto de partida de trajetória luminosa nos palcos do Brasil. Com produção musical de Guto Graça Mello, o show Abraçar e agradecer passa em revista essa trajetória, misturando músicas do álbum Meus quintais (Biscoito Fino, 2014) com canções - nada óbvias... - gravadas pela cantora ao longo desses 50 anos de carreira. Dividindo o palco com banda formado por Jorge Helder (regência e baixo), João Carlos Coutinho (piano e acordeom), Paulo Dafilim (viola e violão), Pedro Franco (violão, bandolim e guitarra), Marcio Mallard (cello), Pantico Rocha (bateria) e Marcelo Costa (percussão), Bethânia deu voz a músicas como A tua presença morena (Caetano Veloso, 1971), Nossos momentos (Caetano Veloso, 1982) - música-título do show que gerou o álbum ao vivo de 1982 - e Eterno em mim (Caetano Veloso, 1996), além de Agradecer e abraçar (Gerônimo e Vevé Calazans, 1986), música que inspirou o título do atual espetáculo com que Bethânia celebra cinco décadas de atuação na cena brasileira. O show ficará em cartaz no Rio até 18 de janeiro.

4 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ A IMAGEM DO SOM - A foto de Rodrigo Goffredo mostra Maria Bethânia no palco da casa Vivo Rio com o primeiro dos dois figurinos de Gilda Midani usados no show comemorativo de seus 50 anos de carreira, Abraçar e agradecer. Com cenário e direção de Bia Lessa, o espetáculo estreou na noite de ontem, 10 de janeiro de 2015, no Rio de Janeiro (RJ), cidade aonde, em 13 de fevereiro de 1965, a intérprete baiana fez sua estreia oficial nos palcos, aos 18 anos, substituindo a cantora capixaba Nara Leão (1942 - 1989) no elenco do teatralizado show Opinião. Embora a rigor Bethânia já esteja em cena desde 1963, a histórica estreia no Opinião é o ponto de partida de trajetória luminosa nos palcos do Brasil. Com produção musical de Guto Graça Mello, o show Abraçar e agradecer passa em revista essa trajetória, misturando músicas do álbum Meus quintais (Biscoito Fino, 2014) com canções - nada óbvias... - gravadas pela cantora ao longo desses 50 anos de carreira. Dividindo o palco com banda formado por Jorge Helder (regência e baixo), João Carlos Coutinho (piano e acordeom), Paulo Dafilim (violas e violão), Pedro Franco (violão, bandolim e guitarra), Marcio Mallard (cello), Pantico Rocha (bateria) e Marcelo Costa (percussão), Bethânia deu voz a músicas como A tua presença morena (Caetano Veloso, 1971), Nossos momentos (Caetano Veloso, 1982) - música-título do show que gerou o álbum ao vivo de 1982 - e Eterno em mim (Caetano Veloso, 1996), além de Agradecer e abraçar (Gerônimo e Vevé Calazans, 1999), música que inspirou o título do atual espetáculo com que Bethânia celebra cinco décadas de atuação na cena musical brasileira. O show ficará em cartaz no Rio até 18 de janeiro.

Luca disse...

até o figurino é parecido com as roupas de sempre

italo vinicius disse...

5 décadas de sucesso, profissionalismo sempre com discos marcantes uma das maiores interpretes da nossa terra viva Bethania

Jaiartes disse...

Meu Deus, como o povo implica com a criatura, Bethânia é diva e ponto! Carreira coerente, trabalho de altíssima qualidade, reinventa-se em torno do que ela gosta e sabe fazer e criar...nunca se vendeu aos modismos e a industria musical. o que esperam desta senhora, que ela faça o show nua, seminua, ou de forma extravagante? Que ela cante aberrações, que estupram nossos ouvidos nas TVs, rádios, net e afins? Tenha Santa Paciência, crítica é sempre bem-vinda, mas na hora certa e direcionada para o artista certo. Exigências descabidas e destrutivas de quem não conhece a trajetória histórica da artista, que soube e sabe construir uma carreira digna de ser chamada de sua, simplesmente como poucos. Nós devemos respeitá-la e agradecer mesmo aos Céus, por termos uma artista do quilate de MARIA BETHÂNIA apontada, aqui pra nós!