Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Retrô 2014: Música brasileira pulsa em nichos ao longo do ano pop sertanejo

Retrospectiva 2014 - Do ponto de vista do mercado fonográfico brasileiro, 2014 foi um ano sertanejo. Tanto que um dos campeões de vendas de discos no Brasil neste ano que hoje finda é um padre que faz sua pregação católica ao som de música sertaneja, Alessandro Campos, cantor religioso que enfrentou o colega padre Marcelo Rossi nas paradas com seu segundo álbum, O que é que eu sou sem Jesus (Som Livre). Sob a ótica do mainstream, a diluição pop da música sertaneja deu o tom das paradas e (mais) fama a astros do gênero como Luan Santana e Lucas Lucco. Não por acaso, a absorção do arrocha pelo universo sertanejo gerou ídolos locais como o baiano Agenor Apolinário dos Santos Filho, o Pablo, cuja voz romântica se fez ouvir com sucesso no Nordeste do Brasil por conta de Porque homem não chora, música que popularizou o termo sofrência no país. Mas nem tudo foi sertanejo. Com toda sua diversidade, a música brasileira pulsou, viva, por entre as brechas abertas em um mercado fonográfico cada vez mais segmentado e dividido em nichos. Com o auxílio das redes sociais, vitais para a propagação da música produzida na vigorosa cena indie do Brasil (especialmente forte na cidade de São Paulo), nomes como Criolo, Juçara Marçal, Lucas Santtana, Romulo Fróes, O Terno e Thiago Pethit também se fizeram ouvir por um público antenado, pequeno diante das proporções continentais do Brasil, mas significativo, exigente e formador de opinião. Foi nesse nicho underground que Alice Caymmi - a personalidade pop do ano por conta de seu álbum Rainha dos raios (Joia Moderna) - pulou dos posts de blogs e Facebook para as páginas dos maiores jornais e revistas do Brasil. Posta à margem desse mercado, a MPB resistiu em grandes álbuns de Francis Hime, Gilberto Gil, Maria Bethânia e Mônica Salmaso. O rock made in Brasil também esteve por baixo no país do samba (pagodeiro), do Lepo lepo (um dos hits do ano na gravação feita pelo grupo Psirico em 2013) e do futebol. Só que os Titãs honraram o gênero e os seus anos de glória com álbum afiado, Nheengatu (Som Livre). Correndo por fora, mas com grande adesão popular, o funk gerou ídolos massivos como MC Guimê e Valesca Popozuda. E, em prova de que há espaço para boa música pop, a luso-brasileira Banda do Mar debutou com disco solar que gerou turnê nacional vista por pequenas multidões. Nichos à parte, ficou claro no balanço do ano que o pulso da música brasileira ainda pulsa...

3 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Retrospectiva 2014 - Do ponto de vista do mercado fonográfico brasileiro, 2014 foi um ano sertanejo. Tanto que um dos campeões de vendas de discos no Brasil neste ano que hoje finda é um padre que faz sua pregação católica ao som de música sertaneja, Alessandro Campos, cantor religioso que enfrentou o colega padre Marcelo Rossi nas paradas com seu segundo álbum, O que é que eu sou sem Jesus (Som Livre). Sob a ótica do mainstream, a diluição pop da música sertaneja deu o tom das paradas e (mais) fama a astros do gênero como Luan Santana e Lucas Lucco. Tanto que a absorção do arrocha pelo universo sertanejo gerou ídolos locais como o baiano Agenor Apolinário dos Santos Filho, o Pablo, cuja voz romântica se fez ouvir com sucesso no Nordeste do Brasil por conta de Porque homem não chora, música que popularizou o termo sofrência no país. Mas nem tudo foi sertanejo. Com toda sua diversidade, a música brasileira pulsou, viva, por entre as brechas abertas em um mercado fonográfico cada vez mais segmentado e dividido em nichos. Com o auxílio das redes sociais, vitais para a propagação da música produzida na vigorosa cena indie do Brasil (especialmente forte na cidade de São Paulo), nomes como Criolo, Juçara Marçal, Lucas Santtana, Romulo Fróes, O Terno e Thiago Pethit também se fizeram ouvir por um público antenado, pequeno diante das proporções continentais do Brasil, mas significativo e formador de opinião. Foi nesse nicho underground que Alice Caymmi - a personalidade pop do ano por conta de seu álbum Rainha dos raios (Joia Moderna) - pulou dos posts de blogs e Facebook para as páginas dos maiores jornais e revistas do Brasil. Posta à margem desse mercado, a MPB resistiu em grandes álbuns de Francis Hime, Gilberto Gil, Maria Bethânia e Mônica Salmaso. O rock made in Brasil também esteve por baixo no país do samba (pagodeiro), do Lepo lepo (um dos hits do ano na gravação feita pelo grupo Psirico em 2013) e do futebol. Só que os Titãs honraram o gênero e os seus anos de glória com álbum afiado, Nheengatu (Som Livre). Correndo por fora, mas com grande adesão popular, o funk gerou ídolos massivos como MC Guimê e Valesca Popozuda. E, em prova de que há espaço para boa música pop, a luso-brasileira Banda do Mar debutou com disco solar que gerou turnê nacional vista por pequenas multidões. No balanço do ano, ficou claro que o pulso da música brasileira ainda pulsa...

Carlos Eduardo disse...

Esqueceu do samba...

Rafael M. disse...

Pablo e Lepo Lepo: dois lixos musicais que ganharam o Brasil, infelizmente...