Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


domingo, 14 de dezembro de 2014

EP da Dônica já credencia banda carioca a entrar para o seleto clube mineiro

Resenha de EP digital
Título: Dônica
Artista: Dônica
Gravadora: Sony Music
Cotação: * * * *


Dônica - a banda carioca que tem sido notícia na mídia por trazer em sua formação oficial o compositor Tom Veloso, filho de Caetano Veloso - está credenciada para entrar no mineiro Clube da Esquina. Lançado nas plataformas digitais em 9 de dezembro de 2014 pela gravadora Sony Music, o EP Dônica - saboroso aperitivo para o álbum programado para o primeiro semestre de 2015 - escancara em três das quatro músicas a influência dos sons da música de Milton Nascimento (padrinho artístico da Dônica, aliás) na década de 1970. Obra construída com a participação fundamental do maestro Wagner Tiso, referência clara dos arranjos do repertório autoral da Dônica. Com exuberantes seis minutos e 38 segundos, Praga é a música que mais bem sintetiza - no som virtuoso da Dônica - as influências dos mineiros e dos roqueiros progressivos dos anos 1970 (os últimos são especialmente evocados nos solos instrumentais do fim do tema). Música já previamente lançada como single, Bicho burro é outro exemplo de como a Dônica surpreende ao se desviar da trilha habitual da cena musical carioca contemporânea - pavimentada por músicos que tocam com Caetano Veloso... - para celebrar o legado mineiro de Milton e dos demais sócios do Clube do Esquina. A propósito, Casa 180 abriga ecos da música de Flávio Venturini. O fato é que o repertório autoral da Dônica - criado geralmente por Tom Veloso com José Ibarra, vocalista e pianista da banda - é de ótimo nível. A única reversão de expectativa no EP Dônica reside na música que o abre, Macaco no caiaque, pautada por groove pop que se avizinha do som do grupo Jota Quest, integrante de outro clube mineiro (o que justifica, aliás, a escalação da Dônica para abrir shows do quinteto de Belo Horizonte). A estranheza se dá não pela música em si, boa, mas por contrariar o que se espera ouvir da banda - formada por Tom e Ibarra com o baterista André Almeida, o guitarrista Lucas Nunes e o baixista Miguel Guimarães - a partir do que fora previamente propagado pela mídia. Moral do primeiro EP do grupo: a Dônica também frequenta outras esquinas. O que poderá facilitar a sua entrada em outros bons clubes.

2 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Curta a página de Notas Musicais no Facebook e acompanhe as atualizações diárias do blog.

Adriana Franzen disse...

parabéns, eu tive o privilégio de ver o show ao vivo e me amarrei . todo sucesso pra vcs rapazes