Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Mais loura do que negra, Claudia Leitte esboça balé mulato em 'Negalora'

Resenha de CD / DVD
Título: NegaLora - Íntimo
Artista: Claudia Leitte
Gravadora: Som Livre
Cotação: * * 1/2

Em busca de status e de um conceito que norteie sua carreira fonográfica, Claudia Leitte esboça balé mulato no CD / DVD NegaLora, terceiro título de discografia solo que já rendeu o CD / DVD Ao Vivo em Copacabana (2008) e o álbum de estúdio As Máscaras (2010). O subtítulo Íntimo dá a pista nem sempre certeira do tom deste registro ao vivo de show, feito no Teatro Castro Alves, em Salvador (BA), em 13 de dezembro de 2011. Com maior liberdade estética, Leitte procura ir além do baticum afro-brasileiro da axé music e do repertório estilo 'tira o pé do chão' propagado por outras vozes do gênero, mas não deixa de baixar no terreiro. NegaLora é o melhor momento da carreira solo de Leitte, inclusive pelo fato de a intérprete estar cantando muito bem, mas isso não quer dizer que seja realmente bom. Faltou à cantora nascida em São Gonçalo (RJ) e criada em Salvador (BA) a coragem de ser mais negra do que loura, para fazer mais jus ao epíteto cunhado por Carlinhos Brown, cuja presença em cena valoriza a gravação ao vivo captada com apuro técnico. Quase todos os melhores momentos de NegaLora envolvem o nome de Brown, que fornece o bom samba GPS (Carlinhos Brown) e conduz com vivacidade o Repente da Nega Lora (Carlinhos Brown) após celebrar com Leitte o rico legado do compositor baiano Oscar da Penha (1924 - 1997), o Batatinha, lembrado com o samba Pra Todo Efeito (Batatinha e Lula Carvalho), mixado em pot-pourri com Amantes Cinzas (Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes, 1998). A miscigenação tribalista de Brown ecoa também em Magalenha (1992), tema de sua autoria, revivido por Leitte com os vocais e o piano suingante de Sergio Mendes, intérprete original do tema (Mendes também figura nos extras do DVD no vídeo de Mas Que Nada, sucesso de Jorge Ben Jor em 1963). Com figurino vermelho que remete ao universo hispânico, Leitte protagoniza número vibrante em Magalenha. É quando a nega baixa no terreiro. Tal negritude baixa também, em outra latitude, em Black Man (Carlinhos Conceição, Rubinho e Silvio Mury), outro grande momento de NegaLora. É quando a ladeira do Pelô desemboca em esquina do Harlem, terreno sagrado dos spirituals norte-americanos. Um coral de acento gospel se harmoniza com a batida do samba-reggae em gravação que representa o mais alto voo estilístico da cantora. Em contrapartida, Sambah e Incendeia - temas do compositor João Nabuco - soam como movimentos menos mulatos de balés anteriores de Daniela Mercury. Recorrentes em baladas triviais da face loura da artista, caso de Dois Caminhos (Mestre e Aprendiz), as cordas ajudam a plastificar a indignação exposta por Cazuza (1958 - 1990) nos versos de O Tempo Não Pára (Cazuza e Arnaldo Brandão, 1988),  música dividida por Leitte com Tico Santa Cruz - vocalista do grupo carioca Detonautas - em incursão sem alma pelo universo pop brazuca. A loura faz a gravação ao vivo perder cor quando entoa canção tão insossa quanto Bem-Vindo Amor (Claudia Leitte e Sergio Rocha), quando investe mais uma vez no cancioneiro romântico de Roberto Carlos - sem dar qualquer nuance a Falando Sério (Maurício Duboc e Carlos Colla, 1977) - e quando tenta em vão transmitir as ironias de Telegrama (Zeca Baleiro, 2002). Da face loura de NegaLora, os olhos marejados da cantora ao falar da avó na introdução de Você Existe em Mim (Carlinhos Brown, Lester Mendez e Josh Groban) parecem ser a única emoção real dessa primeira parte da gravação ao vivo, quando Leitte assume ar e figurino de diva. Sem renegar o universo do axé, evocado explicitamente no baticum do samba-reggae No Carnaval de Salvador (Sérgio Rocha, Zeca Brasileiro e Adson Tapajós) e reprocessado na levada eletrônica de Locomotion Batucada (João Nabuco e Alice Autran), NegaLora representa salutar tentativa de Claudia Leitte de refinar seu canto - e a evolução é nítida, justiça seja feita - e transitar por outros universo musicais. Em que pesem os muitos tropeços, a loura está no caminho certo.

28 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Em busca de status e de um conceito que norteie sua carreira fonográfica, Claudia Leitte esboça balé mulato no CD / DVD NegaLora, terceiro título de discografia solo que já rendeu o CD / DVD Ao Vivo em Copacabana (2008) e o álbum de estúdio As Máscaras (2010). O subtítulo Íntimo dá a pista nem sempre certeira do tom deste registro ao vivo de show, feito no Teatro Castro Alves, em Salvador (BA), em 13 de dezembro de 2012. Com maior liberdade estética, Leitte procura ir além do baticum afro-brasileiro da axé music e do repertório estilo 'tira o pé do chão' propagado por outras vozes do gênero, mas não deixa de baixar no terreiro. NegaLora é o melhor momento da carreira solo de Leitte, inclusive pelo fato de a intérprete estar cantando muito bem, mas isso não quer dizer que seja realmente bom. Faltou a cantora criada em Salvador (BA), mas nascida em Niterói (RJ), a coragem de ser mais negra do que loura, para fazer mais jus ao epíteto cunhado por Carlinhos Brown, cuja presença em cena valoriza a gravação ao vivo captada com apuro técnico. Quase todos os melhores momentos de NegaLora envolvem o nome de Brown, que fornece o bom samba GPS (Carlinhos Brown) e conduz com vivacidade o Repente da Nega Lora (Carlinhos Brown) após celebrar com Leitte o rico legado do compositor baiano Oscar da Penha (1924 - 1997), o Batatinha, lembrado com o samba Pra Todo Efeito (Batatinha e Lula Carvalho), mixado em pot-pourri com Amantes Cinzas (Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes, 1998). A miscigenação tribalista de Brown ecoa também em Magalenha (1992), tema de sua autoria, revivido por Leitte com os vocais e o piano suingante de Sergio Mendes, intérprete original do tema (Mendes também figura nos extras do DVD no vídeo de Mas Que Nada, sucesso de Jorge Ben Jor em 1963). Com figurino vermelho que remete ao universo hispânico, Leitte protagoniza número vibrante em Magalenha. É quando a nega baixa no terreiro. Tal negritude baixa também, em outra latitude, em Black Man (Carlinhos Conceição, Rubinho e Silvio Mury), outro grande momento de NegaLora. É quando a ladeira do Pelô desemboca em esquina do Harlem, terreno sagrado dos spirituals norte-americanos. Um coral de acento gospel se harmoniza com a batida do samba-reggae em gravação que representa o mais alto voo estilístico da cantora. Em contrapartida, Sambah e Incendeia - temas do compositor João Nabuco - soam como movimentos menos mulatos de balés anteriores de Daniela Mercury. Recorrentes em baladas triviais da face loura da artista, caso de Dois Caminhos (Mestre e Aprendiz), as cordas ajudam a plastificar a indignação exposta por Cazuza (1958 - 1990) nos versos de O Tempo Não Pára (Cazuza e Arnaldo Brandão, 1988), música dividida por Leitte com Tico Santa Cruz - vocalista do grupo carioca Detonautas - em incursão sem alma pelo universo pop brazuca. A loura faz a gravação ao vivo perder cor quando entoa canção tão insossa quanto Bem-Vindo Amor (Claudia Leitte e Sergio Rocha), quando investe mais uma vez no cancioneiro romântico de Roberto Carlos - sem dar qualquer nuance a Falando Sério (Maurício Duboc e Carlos Colla, 1977) - e quando tenta em vão transmitir as ironias de Telegrama (Zeca Baleiro, 2002). Da face loura de NegaLora, os olhos marejados da cantora ao falar da avó na introdução de Você Existe em Mim (Carlinhos Brown, Lester Mendez e Josh Groban) parecem ser a única emoção real dessa primeira parte da gravação ao vivo, quando Leitte assume ar e figurino de diva. Sem renegar o universo do axé, evocado explicitamente no baticum do samba-reggae No Carnaval de Salvador (Sérgio Rocha, Zeca Brasileiro e Adson Tapajós) e reprocessado na levada eletrônica de Locomotion Batucada (João Nabuco e Alice Autran), NegaLora representa salutar tentativa de Claudia Leitte de refinar seu canto - e a evolução é nítida, justiça seja feita - e transitar por outros universo musicais. Em que pesem os muitos tropeços, a loura está no caminho certo.

Rafael disse...

Disco que em nada acrescenta a música brasileira.

Duda disse...

Na verdade eu vejo esse 'NegaLora' como uma forma desesperada da cantora após o fracasso que tomou sua carreira em 2011, em tentar voltar a ocupar um antigo e familiar terreno ao qual ela possa ter pertencido mesmo que muito levemente, mas esteve um dia. Mas claro de uma forma mais agressiva quando o 'intimo' ela entra em um mundo a qual não e seu por completo(MPB)e qual não ganhará público cativo já que se comparado as experientes da casa ela fica bem atrás deixando muitíssimo e muitíssimo mesmo a desejar, Comparar isso com a formosa Obra 'Balé Mulato' e uma afronta.

Duda disse...

Mergunhando em um mar que não e su, comparar isso com a Obra de Arte 'Balé Mulato' e uma afronta.

Denilson Santos disse...

Mauro,

Parabéns pelo texto. Mas me permita fazer uma correção. A Cláudia Leitte nasceu em São Gonçalo e não em Niterói, como você escreveu.

abração,
Denilson

Mauro Ferreira disse...

Grato, Denilson, pela observação, valiosa como sempre. Abs, MauroF

Leonardo Assunção disse...

Esperando ansiosamente pelo seu recalque na crítica sobre o Real Fantasia. Aliás, foi providencial essa crítica do NegaLora sair só hoje, né? Tanto tempo depois de ser lançado...

Fernando Carioca disse...

Essas investidas de Claudia em busca desesperada por prestígio musical me soam tão forçadas...Dificilmente essa garota consegue me convencer! Assisti esse dvd em um encontro com amigos, mas a maneira "gritada" que ela entoa suas canções logo me fazem desistir dela.

Ela é linda, mas nada além disso. Soa fake quando resolve encarar a música de maneira mais séria e distante da sua realidade dos trios (ao contrário de Daniela, Ivete e Margareth. Para mim ela é muito mais uma celebridade do que propriamente uma cantora de talento.

Rafael disse...

Essa está mais perdida do que cego em tiroteio. Rsrsrsrs.

falsobrilhante disse...

Claudia Leite? Cantora? Está cantando muito bem? Esse lançamento ser comparado ao Balé Mulato?

Só pedindo para parar o mundo prá gente descer. Não acredito que li isso aqui escrito pelo Mauro.

Não me arrisco nem mesmo a dar uma olhada nessa porcaria para conferir. Esse criatura poder ser lora, nega, negalora, bonita, ... , o que for, mas cantora?, querer fazer a gente acreditar nisso é demais.

Rafael disse...

Concordo com o Duda em tudo o que diz. Apenas discordo num ponto no que ele diz: "Comparar isso com a formosa obra "Balé Mulato" é uma afronta. Não é afronta, é burrice mesmo.

Anônimo disse...

Contrariando a maravilhosa máxima de que "De onde menos se espera é dali mesmo que não sai nada" - tudo nessa vida tem exceção.
Outro dia, pelos bailes da vida, ouvi um axé chamado "Largadinho" que achei ótimo. Me lembrou os axés legais do fim dos anos oitenta e começo dos noventa, antes da indústria entrar com força e transformar o ritmo em um monstrengo.
Sim, quem entoa a contagiante "Largadinho" é a Cláudia Leite.
Vai estourar.

Camila Fernandes Rosa disse...

Infelizmente as pessoas são muito PRECONCEITUOSAS e não aceitam Claudia Leitte ainda mais interpretando música intimista.
Este é somente o SEGUNDO DVD SOLO de uma cantora que já possui em sua carreira inúmeras conquistas.
Já se apresentou no Rock in Rio, cantou em eventos mundiais, concorreu ao Grammy Latino e atualmente está todos os domingos em horário nobre da Rede Globo, e digo mais uma vez: isso é só o início!
Celebridades não duram, a fama é passageira e não é o que acontece com Claudia que só cresce cada vez mais.
Se não fosse uma cantora de prestígio não teria conseguido o que já conquistou em tão pouco tempo então sinto muito as pessoas de mente fechada que adoram menospreza-la pois terão que engoli-la por muitos e muitos anos.
Sinto mais ainda aos que não souberam apreciar este DVD pois ele é maravilhoso composto por lindas canções muito bem interpretadas sim por ela. Para mim, foi o melhor de trabalho de Claudia Leitte até agora, o melhor de muitos que ainda estão por vir.
Abraços a todos, Camila

RobertííínhA disse...

Esse DVD veio pra mostrar uma Claudia Leitte que eu não conhecia! Já vi muitos show's dela aqui no RJ e no carnaval de Salvador e me surpreendi quando assisti ao seu novo trabalho! Tudo em perfeita sintonia! Cenário,figurino e principalmente convidados! Claudia tem subido ainda mais no meu conceito e aponto como uma das artistas mais completas hoje! É disso que o nosso Brasil precisa,gente boa,que faz música,que trabalha a musica e nos encanta! Parabéns Claudinha!

Camila Fernandes Rosa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Francisco Frankson de Freitas Franco disse...

"registro ao vivo de show, feito no Teatro Castro Alves, em Salvador (BA), em 13 de dezembro de 2012"

Puxa o show nem aconteceu ainda e já tem registro em cd e dvd

André disse...

A Claudia Leite podia tentar carreira no Afeganistão...brincadeira! Não gosto dela e muito menos do seu trabalho. Soa muito artificial, não tem estilo próprio, o que foi aquela apresentação do Rock in Rio? Ela atira para todos os lados, mas nunca acerta... há quem goste e eu respeito!

Mauro Ferreira disse...

Grato pelo toque do erro da data, Francisco. Abs, MauroF

Douglas Carvalho disse...

Me desculpem, mas chegar em algum lugar a base de muita mídia é fácil. Quero ver é gravar CD anualmente como Mônica Salmaso, angariar prestígio disco após disco como Teresa Cristina, completar 30 anos de carreira como Ná Ozzetti, tudo sem NUNCA ter tocado na rádio, aparecido no Faustão ou ter sido tema de abertura da novela da Globo. ISSO é que é prestígio.

Rafael disse...

Pior do que ver Cláudia Leitte na careira musical, é saber que ela é jurada do "The Voice Brasil". O que ela entende de música para chegar ao ponto de ser julgadora? É brincadeira... É cada uma que até parecem duas.

falsobrilhante disse...

Fazer o que!? Temos tantos astros aí de pouco ou mesmo pouquíssimo tempo de estrada que já conqui$taram muito mais do que muita gente de verdadeiro talento e que batalha a décadas.

Tornar-se estrela, obter conquistas (grandes apresentações-vendagens-fama-programa enlatado em horário nobre da toda poderosa emissora de TV) não dá talento nem dom a ninguém.

Vivemos no tempo da mercadoria e do consumo enfurecido. O que "eles" quiserem vender, vão vender, altos esquemas publicitários e jogadas bestializantes serão utilizadas a ponto de conduzir a massa idiotizada a comprar discos e assistir shows sem saber o que é música de verdade.

Cláudia Leite, definitivamente, não é cantora. É um produto, tal qual os luans, telós e congêneres.

Unknown disse...

O pré conceito realmente é um defeito do ser humano, né? aposto q os q criticam a Claudia Leitte n viram o mais novo DVD para poder julga-la, acham mais fácil criticar do q ver um trabalho feito com amor e profissionalismo. Depreciar o trabalho alheio é mto fácil, fazer melhor é bem mais complexo.
Claudia esta no topo por merecimento e n por ser um produto de mídia, conquistou milhões de pessoas q a admiram, e sim sabem apreciar boa musica.
Estilo musical não define caráter, n importa se vc ouve axé ou Rock o q importa é o respeito e saber apreciar os artistas da nossa terra.
Parabéns Claudia, pelo excelente DVD e por compartilhar da sua musicalidade conosco !!

Steh disse...

Esse trabalho novo da Claudia mostra uma pessoa madura, um lado intimista que ela já havia mostrado em outros pockets shows com músicas ao estilo dessas que compõem o dvd..
Na minha opinião ela acertou em muito, arranjos ótimos, convidados que tem uma sintonia com ela, além de uma perfeita afinação - não me venham dizer que é tratamento no audio, pois eu pesquisei alguns vídeos da gravação e a afinação é a mesma - as músicas ficaram ótimas na voz dela, gostei muito.
Ela ao contrário do que muitos julgaram, não é somente uma cantora de trio elétrico que só aparece no carnaval, muito pelo contrário, ela é uma artista completa, sabe entreter o público, animar e sabe fazer música intimista também.
Muita gente por puro pré-conceito a julga sem nem procurar saber sobre seus trabalhos, isso é ignorância!

E respondendo a pergunta feita pelo rapaz ali em cima:

"Rafael disse...
Pior do que ver Cláudia Leitte na careira musical, é saber que ela é jurada do "The Voice Brasil". O que ela entende de música para chegar ao ponto de ser julgadora? É brincadeira... É cada uma que até parecem duas."

Rafael, você certamente não está acompanhando o programa, se estivesse veria que os comentários de todos os coachs são super técnicos e revelevantes. Cada um está ali por mérito.
E a outra pergunta, Claudia tem 10 anos de carreira, ela é uma das diretores dos cds e dvds que produz e dos shows, além de ter cursado a faculdade de Música antes de entrar na banda Babado Novo.

Procure pesquisar, antes de falar algo sobre alguém, a ignorância é uma das coisas mais tristes que existem!

Rafael disse...

Ignorância é achar que Cláudia Leitte é cantora e que seja importante para a música.

Duda disse...

Fiz questão de ver o tal DVD 'negalora' vi a loira mais a nega não apareceu em nenhum momento, Isso e o que dá querer encarar um personagem sem ter condições. são coisas que vão muito além de pinturas no rosto.

Renan Leal disse...

Mauro, estou satisfeito demais por ver sua resenha ao NegaLora, e concordo com você. Sou fanático por Claudia, mas sei que houveram tropeços no repertório do projeto.

Quanto aos ignorantes, eu só tenho uma coisa a dizer "Ninguém atira tanta pedra em árvore que não dá frutos".

falsobrilhante disse...

"Claudia esta no topo por merecimento e n por ser um produto de mídia."

Será mesmo Unknown?, tira a mídia de cima prá ver o que sobra. Nem lora nem nega.

Faço coro com o Rafael: "Ignorância é achar que Cláudia Leitte é cantora e que seja importante para a música."

Rener Melo disse...

Parabéns, Claudia Leitte! Tá tudo lindo! (=

"Em que pesem os muitos tropeços, a loura está no caminho certo."