Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sexta-feira, 3 de junho de 2016

Após (re)ler Arantes, Vaquer volta ao mundo do disco com 'Canções de exílio'

Três anos após lançar álbum com regravações de dez músicas do compositor paulista Guilherme Arantes, Antes da chuva chegar - Transversões volume 1 (Independente, 2013), o cantor e compositor carioca Jay Vaquer volta ao mercado fonográfico com a edição de Canções de exílio. Oitavo título da discografia do artista, Canções de exílio foi disponibilizado hoje, 3 de junho de 2016, nas plataformas digitais, em edição da Sony Music. Produzido por Moogie Canazio, o álbum alinha dez músicas inéditas de autoria do próprio Jay Vaquer. Quantos tantos abre o disco com o peso do rock que também sustenta Boneco de vudu e Como quem não quer nada. Com alta dosagem de eletrônica, perceptível em músicas como Possibilidade (Se já não caibo) e Tudo que não era esgoto, o álbum também abre espaço para baladas de amor e dor como Canção do exílio domiciliar, Hematomas da teima e Outrora. Vocalista da (já extinta) banda Luxúria, a cantora paulista Megh Stock participa do rock  Legítima defesa.  Baudaluv  completa o inédito repertório autoral do álbum Canções de exílio.

7 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Três anos após lançar álbum com regravações de dez músicas do compositor paulista Guilherme Arantes, Antes da chuva chegar - Transversões volume 1 (Independente, 2013), o cantor e compositor carioca Jay Vaquer volta ao mercado fonográfico com a edição de Canções de exílio. Oitavo título da discografia do artista, Canções de exílio foi disponibilizado hoje, 3 de junho de 2016, nas plataformas digitais, em edição da Sony Music. Produzido por Moogie Canazio, o álbum alinha dez músicas inéditas de autoria de Vaquer. Quantos tantos abre o disco com o peso do rock que também sustenta Boneco de vudu e Como quem não quer nada. Com alta dose de eletrônica, perceptível em músicas como Possibilidade (Se já não caibo) e Tudo que não era esgoto, o álbum também abre espaço para baladas de amor e dor como Canção do exílio domiciliar, Hematomas da teima e Outrora. Vocalista da extinta banda Luxúria, a cantora paulista Megh Stock participa do rock Legítima defesa. Baudaluv completa o inédito repertório autoral do álbum Canções de exílio.

PEDRO BRANDÃO disse...

E a hora, Mauro?

Mauro Ferreira disse...

Não entendi a pergunta, Pedro. Abs, MauroF

Luca disse...

Jay Vaquer é brasileiro...

Matheus Vieira disse...

queria resenha :/

Fernando Lima disse...

Inicialmente, achei o disco mais fraco de Jay, sem música de destaque. Mas, a cada audição, gosto mais! Impressionante como o disco vai crescendo na ordem contrológica escolhida e deixa com vontade de ouvir mais coisas inéditas.

anders disse...

Pra mim, o melhor disco desde Vendo a Mim Mesmo