Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


terça-feira, 21 de junho de 2016

Álbum em que Trio Mocotó lançou samba de Roberto e Erasmo volta ao vinil

Em 1973, o Trio Mocotó - criado em 1968 na cidade de São Paulo (SP), inicialmente para servir de banda de apoio para Jorge Ben Jor - lançou pela gravadora RGE um dos álbuns mais cultuados da discografia solo iniciada naquela década de 1970. Reeditado no formato original de LP pela Polysom, na série Clássicos em vinil, o álbum Trio Mocotó investiu na batida de samba-rock da qual Fritz Escovão (cuíca e voz), Joãozinho Parayba (bateria e voz) e Nereu Gargalo (pandeiro e voz) foram um dos principais criadores e propagadores. Um dos destaques do repertório foi o então inédito Samba da preguiça, fornecido por Roberto Carlos e Erasmo Carlos para o disco do Trio Mocotó e nunca regravado por nenhum dos dois compositores. O repertório do álbum Trio Mocotó inclui também Palomaris - música de Jorge Ben Jor, lançada pelo Zé Pretinho em 1971 em gravação feita com o próprio trio - entre temas de autoria de Carlinhos Vergueiro (Nó na garganta) e dos integrantes do grupo. Fritz Escovão - nome artístico do músico e compositor Luiz Carlos Fritz, que saiu do Trio Mocotó em 2003, sendo substituído por Skowa - contribuiu com músicas como Desapareça, Desculpe e Não vá embora. Já Nereu Gargalo é o compositor de Swinga sambaby, uma das 12 músicas do bom álbum Trio Mocotó.

6 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Em 1973, o Trio Mocotó - criado em 1968 na cidade de São Paulo (SP), inicialmente para servir de banda de apoio para Jorge Ben Jor - lançou pela gravadora RGE um dos álbuns mais cultuados da discografia solo iniciada naquela década de 1970. Reeditado no formato original de LP pela Polysom, na série Clássicos em vinil, o álbum Trio Mocotó investiu na batida de samba-rock da qual Fritz Escovão (cuíca e voz), Joãozinho Parayba (bateria e voz) e Nereu Gargalo (pandeiro e voz) foram um dos principais criadores e propagadores. Um dos destaques do repertório foi o então inédito Samba da preguiça, fornecido por Roberto Carlos e Erasmo Carlos para o disco do Trio Mocotó e nunca regravado por nenhum dos dois compositores. O repertório do álbum Trio Mocotó inclui também Palomaris - música de Jorge Ben Jor, lançada pelo Zé Pretinho em 1971 em gravação feita com o próprio trio - entre temas de autoria de Carlinhos Vergueiro (Nó na garganta) e dos integrantes do grupo. Fritz Escovão - nome artístico do músico e compositor Luiz Carlos Fritz, que saiu do Trio Mocotó em 2003, sendo substituído por Skowa - contribuiu com músicas como Desapareça, Desculpe e Não vá embora. Já Nereu Gargalo é o compositor de Swinga sambaby, uma das 12 músicas do bom álbum Trio Mocotó.

Rafael M. disse...

Álbum clásico e maravilhoso do Trio Mocotó. Mas que bem merecia um relançamento em CD, e não em vinil... Aff...

Manoel Junior disse...

Temos outro candidato a "chato" no blog!

Mauro Silva disse...


Em vinil ? Ah não! Quanta perda de tempo!

Ainda bem que esta maravilha, já foi relançada EM CD REMASTERIZADO pela série "Som Livre Masters", com SOM PURO E LIMPO!

A Polysom deveria lançar uma promoção: Quem comprar vinilzinho da idade da pedra, ganha de brinde uma lamparina a gaz ou um ferro a brasa.
Ou até mesmo uma maquina de datilografia :(

Manoel Junior disse...

O você é O chato do blog!

Rafael Feitosa disse...

Polysom arrasando nos lançamentos!

Mauro F., ouvi dizer que alguns álbuns do Erasmo iam ser relançados em LP pela Polysom (inclusive o "Sonhos e Memórias"). Vc tem alguma notícia sobre isso?

Manoel, concordo contigo, o Mauro e o Rafael (meu xará, que pena), são duas malas, mas é aquela coisa, né: vê o nome dos dois e já vai rolando o botão do mouse pra baixo e fica tudo lindo.