Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sábado, 21 de maio de 2016

Sandy roça ponto de maturação no melhor show da carreira solo, 'Meu canto'

Resenha de show
Título: Meu canto
Artista: Sandy (em foto de Mauro Ferreira)
Local: Vivo Rio (Rio de Janeiro, RJ)
Data: 20 de maio de 2016
Cotação: * * * 1/2

Mesmo sem esboçar ruptura com o mundo musical construído nos dois anteriores shows autorais da carreira solo, o delicado Manuscrito (2010 / 2012) e o expansivo Sim (2013 / 2014), Sandy roça ponto de coesão e maturação em Meu canto, show que já está em turnê pelo Brasil antes da chegada do CD ao vivo e do DVD - prevista para junho deste ano de 2016 - com a gravação ao vivo do espetáculo dirigido por Raoni Carneiro. Se a artista paulista tivesse encerrado a apresentação de 20 de maio de 2016 na casa Vivo Rio com o luminoso revival da Cantiga por Luciana (Edmundo Souto e Paulinho Tapajós, 1969), número afetivo feito por Sandy em memória do avô Zé do Rancho, a estreia carioca do show Meu canto teria atingido esse ponto de coesão. Aos 33 anos, Sandy Leah Lima continua cantando muito bem - com a afinação notória desde os tempos infanto-juvenis - e já tem, como compositora, obra autoral que lhe permite montar roteiro somente com as melhores canções do cancioneiro que compôs sozinha e com o parceiro Lucas Lima. Meu canto perde o encanto já no final, quando Sandy - na provável tentativa de criar um arremate mais pop e extrovertido para o show - recorre a músicas pobres de rimas fáceis como Sem jeito (Sandy Leah e Lucas Lima, 2010) e a sucessos industrializados da dupla que formou com o irmão Junior Lima. Hits de Sandy & Junior, Nada é por acaso (Liah, Pedro Barezzi, Márcio Cruz e Danimar, 2001) e Desperdiçou (Liah, Dani Monaco e Rique Azevedo, 2003) são músicas que já destoam do mundo musical mais sensível construído por Sandy desde o álbum Manuscrito (Universal Music, 2010), mas que - justiça seja feita - ainda são cantadas a plenos pulmões pela plateia estridente que segue Sandy na jornada solo. Meu canto é tentativa de expor no palco a sensibilidade deste mundo musical. Povoado por elementos como abajures, janelas e portas, o cenário de Zé Carratu procura traduzir um clima de intimidade. "...Entre sem bater / Sem julgar, sem tentar entender / Deixe as armas e angústias do lado de fora / Em troca, ofereço a música e o agora / Eu lhe dou o meu canto / Nesse canto que é tão meu", propõe Sandy na abertura do show, feita com a primeira das cinco músicas inéditas do roteiro, Meu canto (Sandy Leah, 2016), entoada por Sandy na penumbra, atrás da porta que a conduzirá ao palco ao fim do número. Em seguida, Sim (Sandy Leah, 2013) e Aquela dos 30 (Sandy Leah, 2012) deram sequência ao show com sonoridade pesada, ambientada na atmosfera do pop rock. Sim, Sandy busca dar peso à obra autoral em mais de um sentido. Paradoxalmente, é na delicadeza que a cantora e compositora atinge ponto de equilíbrio e sedução. As baladas Ela / Ele (Sandy Leah e Lucas Lima, 2010) e Pés cansados (Sandy Leah e Lucas Lima, 2010) - boas lembranças do primeiro álbum - sobressaem no roteiro, em fina sintonia com a bonita e recente canção Me espera (Sandy Leah, Lucas Lima e Tiago Iorc, 2016), gravada ao vivo e em estúdio para o CD e DVD Meu canto em dueto com o cantor e compositor Tiago Iorc, coautor da canção. Outra inédita do repertório, Salto (Sandy Leah, 2016) reitera o tom confessional que pauta boa parte da obra da artista. Já Respirar (Sandy Leah, Lucas Lima e Daniel Lopes, 2016) - número feito com interação da plateia, cujas luzes dos celulares acenderam a chama impagável dos fãs fiéis - caminha na direção oposta, buscando extroversão pop. A mesma que pauta a funkeada Colidiu (Sandy Leah e Lucas Lima, 2016), a mais trivial das cinco inéditas. Mesmo que a obra autoral ainda soe irregular, Sandy já provou ser boa compositora. A inspiração da artista habita forte em Morada (Sandy Leah, Lucas Lima e Tati Bernardi, 2013), reminiscência do álbum Sim (Universal Music, 2013) que encontra espaço em Meu canto, até pelo fato de não ter feito parte do roteiro original do show Sim. O que não faz sentido é a repetição em Meu canto do cover de All star (Nando Reis, 2000), herança do show anterior. Com tanta música no mundo, bisar a canção apaixonada de Nando Reis denota certa preguiça na formatação do roteiro. Mesmo assim, pelo acabamento técnico e pela (visível) evolução da artista, dentro dos limites como compositora, Meu canto se impõe como o melhor show solo de Sandy.

11 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Mesmo sem esboçar ruptura com o mundo musical construído nos dois anteriores shows autorais da carreira solo, o delicado Manuscrito (2010 / 2012) e o expansivo Sim (2013 / 2014), Sandy roça ponto de coesão e maturação em Meu canto, show que já está em turnê pelo Brasil antes da chegada do CD ao vivo e do DVD - prevista para junho deste ano de 2016 - com a gravação ao vivo do espetáculo dirigido por Raoni Carneiro. Se a artista paulista tivesse encerrado a apresentação de 20 de maio de 2016 na casa Vivo Rio com o luminoso revival da Cantiga por Luciana (Edmundo Souto e Paulinho Tapajós, 1969), número afetivo feito por Sandy em memória do avô Zé do Rancho, a estreia carioca do show Meu canto teria atingido esse ponto de coesão. Aos 33 anos, Sandy Leah Lima continua cantando muito bem - com a afinação notória desde os tempos infanto-juvenis - e já tem, como compositora, obra autoral que lhe permite montar roteiro somente com as melhores canções do cancioneiro que compôs sozinha e com o parceiro Lucas Lima. Meu canto perde o encanto já no final, quando Sandy - na provável tentativa de criar um arremate mais pop e extrovertido para o show - recorre a músicas pobres de rimas fáceis como Sem jeito (Sandy Leah e Lucas Lima, 2010) e a sucessos industrializados da dupla que formou com o irmão Junior Lima. Hits de Sandy & Junior, Nada é por acaso (Liah, Pedro Barezzi, Márcio Cruz e Danimar, 2001) e Desperdiçou (Liah, Dani Monaco e Rique Azevedo, 2003) são músicas que já destoam do mundo musical mais sensível construído por Sandy desde o álbum Manuscrito (Universal Music, 2010), mas que - justiça seja feita - ainda são cantadas a plenos pulmões pela plateia estridente que segue Sandy na jornada solo. Meu canto é tentativa de expor no palco a sensibilidade deste mundo musical. Povoado por elementos como abajures, janelas e portas, o cenário de Zé Carratu procura traduzir um clima de intimidade. "...Entre sem bater / Sem julgar, sem tentar entender / Deixe as armas e angústias do lado de fora / Em troca, ofereço a música e o agora / Eu lhe dou o meu canto / Nesse canto que é tão meu", propõe Sandy na abertura do show, feita com a primeira das cinco músicas inéditas do roteiro, Meu canto (Sandy Leah, 2016), entoada por Sandy na penumbra, atrás da porta que a conduzirá ao palco ao fim do número. Em seguida, Sim (Sandy Leah, 2013) e Aquela dos 30 (Sandy Leah, 2012) deram sequência ao show com sonoridade pesada, ambientada na atmosfera do pop rock. Sim, Sandy busca dar peso à obra autoral em mais de um sentido. Paradoxalmente, é na delicadeza que a cantora e compositora atinge ponto de equilíbrio e sedução. As baladas Ela / Ele (Sandy Leah e Lucas Lima, 2010) e Pés cansados (Sandy Leah e Lucas Lima, 2010) - boas lembranças do primeiro álbum - sobressaem no roteiro, em fina sintonia com a bonita e recente canção Me espera (Sandy Leah, Lucas Lima e Tiago Iorc, 2016), gravada ao vivo e em estúdio para o CD e DVD Meu canto em dueto com o cantor e compositor Tiago Iorc, coautor da canção.

Mauro Ferreira disse...

Outra inédita do repertório, Salto (Sandy Leah, 2016) reitera o tom confessional que pauta boa parte da obra da artista. Já Respirar (Sandy Leah, Lucas Lima e Daniel Lopes, 2016) - número feito com interação da plateia, cujas luzes dos celulares acenderam a chama impagável dos fãs fiéis - caminha na direção oposta, buscando extroversão pop. A mesma que pauta a funkeada Colidiu (Sandy Leah e Lucas Lima, 2016), a mais trivial das cinco inéditas. Mesmo que a obra autoral ainda soe irregular, Sandy já provou ser boa compositora. A inspiração da artista habita forte em Morada (Sandy Leah, Lucas Lima e Tati Bernardi, 2013), reminiscência do álbum Sim (Universal Music, 2013) que encontra espaço em Meu canto, até pelo fato de não ter feito parte do roteiro original do show Sim. O que não faz sentido é a repetição em Meu canto do cover de All star (Nando Reis, 2000), herança do show anterior. Com tanta música no mundo, bisar a canção apaixonada de Nando Reis denota certa preguiça na formatação do roteiro. Mesmo assim, pelo acabamento técnico e pela (visível) evolução da artista, Meu canto se impõe como o melhor show solo de Sandy.

Francisco Nunes disse...

Se por um lado o imenso sucesso da dupla lhe deu conhecimento técnico, por outro, deve ter distanciado a cantora de sua essência artística devido às influências e exigências comerciais, o que talvez justifique a demora de seu amadurecimento.

Bacana ver que ela está se encontrando como cantora em sua carreira solo. Ela é esforçada!!

Jurandir Dalcin disse...

Mauro, a música Morada fez parte do show Sim. Adorei a resenha! Realmente acho Sem Jeito uma música que já devia ter saído do repertório faz tempo!

CAVALEIRO disse...

Só acho que ela foi uma promessa que não aconteceu. Talvez pelo ranso da dupla.

Mauro Ferreira disse...

Jurandir, 'Morada' não fazia parte do roteiro original do show 'Sim'. Pode ser que tenha entrada ao longo da turnê. Mas não estava no início. Olhe o roteiro da estreia carioca de 'Sim': http://www.blognotasmusicais.com.br/2013/04/ineditas-e-covers-de-jobim-mclachlan-e.html Abs, MauroF

Guilherme Afonso disse...

Gostei da resenha, Mauro. É bem isso mesmo. Mas devo confessar que gostei da retomada da ALL Star, já que a turnê Sim não teve registro oficial e curti muito a versão da Sandy pra essa música. Cantiga por Luciana merece um destaque, interpretação impecável. Quanto ao repertório de Sandy e Junior, são muitos fãs na platéia e, superficial ou não,é parte da história da Sandy e o levou ela a onde está hoje. Olhando por esse vies, é bonito a lembrança e tem um certo charme. Parabenizo ela por manter no mínimo, duas músicas somente.

Quanto a Morada, Mauro, ouve uma reformulação na Turnê Sim depois que o álbum foi lançado, já que ela iniciou bem antes do álbum sair. Na reformulação, Morada entrou e virou um dos pontos fortes. É uma das mais conhecidas por ter feito parte de uma novela das 21h. Abs.

Mauro Ferreira disse...

Grato, Guilherme. Quanto à 'Morada', o texto se refere à ausência da música no roteiro ORIGINAL do show. Abs, MauroF

Douglas Carvalho disse...

Tão (Rita Lee)

Tão boazinha
Tão certinha
Tão discreta
Tão correta
Tão modesta
Tão honesta
Tão decente
Tão boa gente
Tão cordata
Tão sensata

Tão tão tão
Tão tão... chata!
Chata!
Tão chata paca!

Tão risonha
Tão idônea
Tão sincera
Tão galera
Tão normal
Tão legal
Tão jovem
Tão nobre
Tão datada
Tão centrada

Tão tão tão
Tão tão... chata!
Chata!
Tão chata paca!

Tão gentil
Tão servil
Tão segura
Tão doçura
Tão cristã
Tão irmã
Tão na luta
Tão enxuta
Tão grata
Tão exata

Tão tão tão
Tão tão... chata!
Chata!
Tão chata paca!

Thais Alícia disse...

Esse show mostra sim uma evolução da Sandy. Pelos vídeos a cantora parece outra, segura e irreverente! Que bom que ela optou por mais músicas suas e diminuiu o número de covers.

Douglas Carvalho, essa visão que você tem da Sandy é bem antiga. Precisa renovar o olhar. De boazinha ela não tem nada. E também se tivesse qual o problema? Tem que ser má nessa vida? Não entendo. A Sandy é uma das cantoras de mais atitude no Brasil. Ela não se rende à crítica e faz o que bem entende. Aplausos!

Diego Ramos disse...

Preferindo mil vezes esse show ao Manuscrito onde tínhamos uma Sandy frígida. Ela ta se desengessando aos poucos do que viveu a vida toda. Senti falta de "Dias Iguais" no repertório, e em vez de "all star" poderia ter colocado "Angel" como cover. Enfim, sou fã, mas vejo que tá muito irregular o show, apesar de, até agora, este ser o melhor show.