Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quinta-feira, 12 de maio de 2016

Quatro álbuns e dois compactos da fase inicial de Sandra voltam ao catálogo

Entre 1980 e 1984, Sandra de Sá gravou e lançou discos pela extinta gravadora RGE e pela Som Livre, companhia na qual ingressou em 1984, dois anos antes de migrar para a RCA. Voltada para o funk e o soul, essa fase inicial da discografia da cantora e compositora carioca - então chamada Sandra Sá, sem o de acrescentado ao nome artístico a partir do álbum de 1988 - nunca foi reeditada no formato de CD. Estes discos, contudo, estão sendo relançados pela Som livre - gravadora herdeira do acervo da RGE - neste ano de 2016 em edições digitais, já disponíveis nas plataformas de streaming e no iTunes. Além da inédita coletânea De 'Sá' a 'De Sá' - Os primeiros anos, compilação que agrega 30 fonogramas desse período da discografia da artista, a Som Livre está reeditando os quatro primeiros álbuns da cantora - Sandra Sá (RGE, 1980), Sandra Sá (RGE, 1982), Vale tudo (RGE, 1983) e Sandra Sá (Som Livre, 1984) - e dois compactos (até então raros) com gravações não incluídas nos álbuns. O primeiro compacto, editado em 1981 pela RGE, trouxe Palco azul (Roger Henry, Sandra Sá e Sueli Corrêa) - música defendida por Sandra no festival MPB Shell 81, promovido e exibido pela TV Globo - e Monalisa (Jay Livingston e Ray Evans, 1950, em versão em português de Haroldo Barbosa), canção gravada pela cantora especialmente para a trilha sonora da novela Ciranda de pedra, exibida pela TV Globo naquele ano de 1981. O outro compacto - lançado por Sandra em 1984, já na Som Livre - apresentou a gravação original de Enredo do meu samba (Ivone Lara e Jorge Aragão, 1984), feita pela artista para a abertura da novela Partido alto (TV Globo, 1984). Não há informações oficiais sobre edições físicas em CD destes discos, mas sabe-se nos bastidores que eles serão relançados em caixa produzida pelo pesquisador Marcelo Fróes para a gravadora Discobertas com os quatro álbuns e, de bônus, algumas faixas dos obscuros compactos, caso da gravação original de Enredo do meu samba.

8 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Entre 1980 e 1984, Sandra de Sá gravou e lançou discos pela extinta gravadora RGE e pela Som Livre, companhia na qual ingressou em 1984, dois anos antes de migrar para a RCA. Voltada para o funk e o soul, essa fase inicial da discografia da cantora e compositora carioca - então chamada Sandra Sá, sem o de acrescentado ao nome artístico a partir do álbum de 1988 - nunca foi reeditada no formato de CD. Estes discos, contudo, estão sendo relançados pela Som livre - gravadora herdeira do acervo da RGE - neste ano de 2016 em edições digitais, já disponíveis nas plataformas de streaming e no iTunes. Além da inédita coletânea De 'Sá' a 'De Sá' - Os primeiros anos, compilação que agrega 30 fonogramas desse período da discografia da artista, a Som Livre está reeditando os quatro primeiros álbuns da cantora - Sandra Sá (RGE, 1980), Sandra Sá (RGE, 1982), Vale tudo (RGE, 1983) e Sandra Sá (RGE, 1984) - e dois compactos (até então raríssimos) com gravações não incluídas nos álbuns. O primeiro compacto, editado em 1981 pela RGE, trouxe Palco azul (Roger Henry, Sandra Sá e Sueli Corrêa) - música defendida por Sandra no festival MPB Shell 81, promovido e exibido pela TV Globo - e Monalisa (Jay Livingston e Ray Evans, 1950, em versão em português de Haroldo Barbosa), canção gravada pela cantora especialmente para a trilha sonora da novela Ciranda de pedra, exibida pela TV Globo naquele ano de 1981. O outro compacto - lançado por Sandra em 1984, já na Som Livre - apresentou a gravação original de Enredo do meu samba (Ivone Lara e Jorge Aragão, 1984), feita pela artista para a abertura da novela Partido alto (TV Globo, 1984). Não há informações sobre edições físicas em CD destes discos, embora haja especulações de que possam vir a ser relançados em caixa produzida pelo pesquisador Marcelo Fróes para a gravadora Discobertas com os quatro álbuns e, de bônus, as faixas dos obscuros compactos.

Mauro Silva disse...


Puxa, tomara que o Marcelo Fróes não desanime, e lance a edição física destes álbuns RARÍSSIMOS da Sandra de Sá!
Os discos da Sandra de Sá da fase RCA/BMG também são ótimos e muitos ainda inéditos em CD.

Eu gosto do digital, mas AMOOOOO D+ a edição física:
>>>> CD Remasterizado <<<<

Será que estamos perto do fim da edição física o CD ???? Que medo!
Tomara que não! Pois este não é o primeiro projeto à sair SÓ nas plataformas digitais...tenho reparado isso.

Rafael M. disse...

Que decepção destes discos serem lançados somente em versão digital... Espero que isso não vire moda... Queria tanto ter em CD o primeiro disco dela... Infelizmente não será desta vez...

Unknown disse...

Este disco de 1984 tem a versão de " Sem Conexão com o Mundo Exterior " com Barão tocando e Cazuza dividindo o vocal com a Sandra. Raridade.

Bruno Heitor disse...

Esses discos sao muito bons e contem composiçoes da Sandra que eu adoro. Ela é uma excelente compositora.

Bruno Heitor disse...

Esses discos sao muito bons e contem composiçoes da Sandra que eu adoro. Ela é uma excelente compositora.

Luca disse...

O melhor de Sandra vem depois... tirando algumas músicas claro, vale tudo, olhos coloridos... o melhor veio mesmo depois dessa fase

Cláudio disse...

Mauro, o box com estes 4 discos está em pré-venda na cultura.