Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 4 de maio de 2016

Compilação 'A divina Elizeth', de 1990, é reposta em catálogo pela Som Livre

Em 1990, no rastro da saudade provocada pela saída de cena de Elizeth Cardoso (1920 - 1990), a gravadora Som Livre editou compilação da cantora carioca, no formato de LP, com reunião de fonogramas dos três álbuns que a Divina gravara na companhia. Intitulada A divina Elizeth, a coletânea lançada há 26 anos está sendo reposta em catálogo pela Som Livre nas plataformas digitais e em edição física em CD. A divina Elizeth rebobina gravações dos álbuns O inverno do meu tempo (Som Livre, 1979), Elizethíssima (Som Livre, 1981) - registro ao vivo de show captado no Teatro João Caetano, na cidade do Rio de Janeiro (RJ) - e Outra vez Elizeth (Som Livre, 1982). Deste três álbuns, somente o ao vivo Elizethíssima já ganhou edição em CD, em 2000, na série Gala. Os dois relevantes álbuns de estúdio de 1979 e 1982 permanecem inéditos no formato de CD e, por isso mesmo, deveriam estar sendo relançados no lugar dessa trivial coletânea de 1990.

7 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Em 1990, no rastro da saudade provocada pela saída de cena de Elizeth Cardoso (1920 - 1990), a gravadora Som Livre editou compilação da cantora carioca, no formato de LP, com reunião de fonogramas dos três álbuns que a Divina gravara na companhia. Intitulada A divina Elizeth, a coletânea lançada há 26 anos está sendo reposta em catálogo pela Som Livre nas plataformas digitais e em edição física em CD. A divina Elizeth rebobina gravações dos álbuns O inverno do meu tempo (Som Livre, 1979), Elizethíssima (Som Livre, 1981) - registro ao vivo de show captado no Teatro João Caetano, na cidade do Rio de Janeiro (RJ) - e Outra vez Elizeth (Som Livre, 1982). Deste três álbuns, somente o ao vivo Elizethíssima já ganhou edição em CD, em 2000, na série Gala. Os dois relevantes álbuns de estúdio de 1979 e 1982 permanecem inéditos no formato de CD e, por isso mesmo, deveriam estar sendo relançados no lugar dessa trivial coletânea de 1990.

Leo-MT disse...

Linda, elegante, que voz! Que canto! Inesquecível dona Elizeth, essa mora no céu com toda certeza. Tudo da Elizeth merecia ser relançado. E a saudade é grande!!!

Rafael M. disse...

Amo a Elizeth, mas acho um tanto quanto desnecessária uma compilação ser relançada e não um disco de carreira...

Mauro Silva disse...


Que este CD seja o gancho para lançarem EM CD REMASTERIZADO, os trabalhos de 79 e 82, Amoooo Elizeth Cardoso :)



Martins disse...

Um passo atrás de depois de relançar Toquinho, Vinicius e amigos e o inédito no Brasil Toquinho (1970), coletânea é um retrocesso, queremos os discos de carreira como se fala por ai. Quem compra cd hoje em dia é muito seletivo procura trabalhos inéditos ou relançamentos no formato com encartes, qualidade sonora remaster, obra completa. Coletâneas tô fora! Grande Elizeth Cardoso merece mais respeito.

Fernando Lima disse...

Mauro, bela lembrança esse lançamento, mas uma lástima não ter sido lançada uma caixa de Elizeth, com sua obra na íntegra....

Clayton Moreira disse...

Como disse a Marisa Monte outro dia, qualquer um hoje monta suas coletâneas, suas playlists na internet, tendo à disposição YouTube, Spotify e afins. Não faz nenhum sentido relançar coletânea!