Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Lançado em 1970 pela RGE, segundo álbum de Tom Zé volta pela Som Livre

Já relançado duas vezes no formato de CD, em 1994 e em 2000, o segundo álbum do cantor e compositor baiano Tom Zé - lançado originalmente em 1970 pela RGE - ganha a terceira reedição em CD. Reposto em catálogo pela gravadora Som Livre neste mês de fevereiro de 2016, o álbum Tom Zé traz no repertório Qualquer bobagem, parceria do artista com - os então Mutantes - Arnaldo Baptista, Rita Lee e Sérgio Dias. Sozinho, Tom Zé assina músicas como Dulcinéia popular brasileira, Guindaste a rigor e Jeitinho dela (música gravada com a participação vocal da então nova baiana Baby do Brasil). Diretor de produção do disco, o executivo fonográfico João Araújo (1935 - 2013) é parceiro de Tom Zé na música Distância, assinada também por Tom Zé com Laís Marques. Os maestros Chiquinho de Moraes,  Hector Lagnafietta e Capacete assinaram os arranjos.

6 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Já relançado duas vezes no formato de CD, em 1994 e em 2000, o segundo álbum do cantor e compositor baiano Tom Zé - lançado originalmente em 1970 pela RGE - ganha a terceira reedição em CD. Reposto em catálogo pela gravadora Som Livre neste mês de fevereiro de 2016, o álbum Tom Zé traz no repertório Qualquer bobagem, parceria do artista com - os então Mutantes - Arnaldo Baptista, Rita Lee e Sérgio Dias. Sozinho, Tom Zé assina músicas como Dulcinéia popular brasileira, Guindaste a rigor e Jeitinho dela (música gravada com a participação vocal da então nova baiana Baby do Brasil). Diretor de produção do disco, o executivo fonográfico João Araújo (1935 - 2013) é parceiro de Tom Zé na música Distância, assinada também por Tom Zé com Laís Marques. Os maestros Chiquinho de Moraes, Hector Lagnafietta e Capacete assinam os arranjos.

Mauro Silva disse...

Que 10! Parabéns a Som Livre por relançar esta maravilha EM CD, que venha mais títulos do Tom Zé e de outros artistas EM CD, pois tanto o arquivo da RGE como o da Som Livre,possuem preciosidades que estão há décadas fora de catálogo.
Que venha mais uma 'fornada' do acervo... tudo EM CD bonitinho :)

Rafael M. disse...

Disco maravilhoso do Tom Zé, merecia mesmo uma reedição em CD à altura de sua grandiosidade...

Luca disse...

Tom Zé é Tom Zé, esse disco eu nunca ouvi

Deassis Medeiros disse...

A Som Livre possui um verdadeiro tesouro em seus arquivos, próprios e saudosa da RGE, uma pena que não dê o devido valor, apenas ficamos torcendo e "rezando" para que um dia sejam lançados em CD.

Edimar Pereira disse...

Me dá vontade de chorar quando constato que o melhor disco dos últimos tempo foi lançado por de Tom Zé em 1970. Estamos cercados por uma "mudernidade" que se traduz por uma mesmice chatérrima e Tom Zé é um alento. Salve Zé!!!!