Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sábado, 13 de fevereiro de 2016

Enérgico, Ed Motta cruza em 'Perpetual gateways' ponte que liga soul ao jazz

Resenha de álbum
Título: Perpetual gateways
Artista: Ed Motta
Gravadora: Must Have Jazz / Membran Entertainment Group
Cotação: * * * * *
 Edição brasileira prevista para ser lançada em 11 de março de 2016 pelo selo Lab 344

A voz de Ed Motta é ouvida somente após os 30 segundos iniciais da balada soul Captain's refusal, primeira das 10 músicas autorais do 12º álbum de estúdio do cantor e compositor carioca. Lançado na Europa e no Japão neste mês de fevereiro de 2016, Perpetual gateways cruza com sofisticação exemplar a ponte que liga o soul ao jazz. Aliás, não é por acaso que Ed divide o álbum em dois lados, à moda dos LPs. Soul gate abrange as cinco primeiras músicas do disco, como se fosse o lado A. Jazz gate abarca as outras cinco, como se fosse o lado B. Contudo, jazz e soul se misturam ao longo das dez músicas inéditas compostas em inglês, solitariamente, pelo próprio Ed Motta - ainda que haja um exuberante predomínio do jazz nas efervescentes quatro músicas finais do álbum Perpetual gateways. The Owner, A town in flame, I remember Julia e Overblow overweight expõem, com pulsação vibrante, o domínio jazzístico de Ed. Perpetual gateways é pautado pela mesma excelência técnica do antecessor AOR (Dwitza Music / Lab 344, 2013), mas tem uma energia que inexistia no disco anterior, cantado em português. Há um alma que impede que as belas notas sejam jogadas fora ao longo do disco produzido por Kamau Kenyatta, pianista e saxofonista que dialoga com a música black norte-americana e que está radicado em San Diego, na Califórnia (Estados Unidos), onde Perpetual gateways foi formatado em estúdio de Los Angeles (EUA) com músicos do naipe de Cecil McBee (baixo), Charles Owens (saxofone), Curtis Taylor (trompete), Greg Phillinganes (clavinete), Hubert Laws (flauta), Marvin Smitty Smith (bateria), Patrice Rushen (piano, Rhodes e clavinete), Rickey Woodard (saxofone) e Tony Dumas (baixo). Com esse time de virtuoses, todos à vontade no universo do jazz, Ed esquece os mandamentos do manual para festas, bailes e afins. Em Perpetual gateways, o artista se distancia do pop e faz som vocacionado para o público do exterior. Se Ed segue algum manual, é o do som de Steely Dan, banda norte-americana da década de 1970 que faz jazz fusion com toques de funk e R&B. A influência de Steely Dan está explicitada em faixas como Heritage déjà vu e Hypochondriac's  fun. Contudo, dá para reconhecer a assinatura de Ed Motta nas dez músicas do álbum. A mistura sonora é fina. Afinal, o groove soul-jazzy de Good intentions é, em última análise, uma depuração do som que Ed já vinha experimentando em álbuns mais radicais como Aystelum (Trama, 2005). Muito do êxito do CD está no fato de a ponte soul-jazz de Perpetual gateways ter curvas. O romantismo da balada Reader's choice se harmoniza com o intimismo jazzy de outra balada - Forgotten nickname, floreada por solo da flauta de Hubert Laws - sem se chocar com a incendiária exuberância orquestral de A town in flame e com a liberdade à moda do bebop que pauta o tema jazzístico The owner. No todo, é como se Ed Motta condensasse as melhores influências musicais - João Donato, Marcos Valle e Stevie Wonder, entre outros nomes - em Perpetual gateways, reverberando o funk e o soul que lhe pauta o caminho desde os tempos da Conexão Japeri, mas seguindo em frente, sem medo de se desviar do trilho pop que lhe deu fama no Brasil. O destino, por ora, conduziu o artista a este disco gravado com perfeição técnica sem diluição da energia, da pulsação e da alma que devem mover todo tipo de música, seja o soul  made in Brasil, seja o jazz misturado dos EUA.

10 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ A voz de Ed Motta é ouvida somente após os 30 segundos iniciais da balada soul Captain's refusal, primeira das 10 músicas autorais do 12º álbum de estúdio do cantor e compositor carioca. Lançado na Europa e no Japão neste mês de fevereiro de 2016, Perpetual gateways cruza com sofisticação exemplar a ponte que liga o soul ao jazz. Aliás, não é por acaso que Ed divide o álbum em dois lados, à moda dos LPs. Soul gate abrange as cinco primeiras músicas do disco, como se fosse o lado A. Jazz gate abarca as outras cinco, como se fosse o lado B. Contudo, jazz e soul se misturam ao longo das dez músicas inéditas compostas em inglês, solitariamente, pelo próprio Ed Motta - ainda que haja um exuberante predomínio do jazz nas efervescentes quatro músicas finais do álbum Perpetual gateways. The Owner, A town in flame, I remember Julia e Overblow overweight expõem, com pulsação vibrante, o domínio jazzístico de Ed. Perpetual gateways é pautado pela mesma excelência técnica do antecessor AOR (Dwitza Music / Lab 344, 2013), mas tem uma energia que inexistia no disco anterior, cantado em português. Há um alma que impede que as belas notas sejam jogadas fora ao longo do disco produzido por Kamau Kenyatta, pianista e saxofonista que dialoga com a música black norte-americana e que está radicado em San Diego, na Califórnia (Estados Unidos), onde Perpetual gateways foi formatado em estúdio de Los Angeles (EUA) com músicos do naipe de Cecil McBee (baixo), Charles Owens (saxofone), Curtis Taylor (trompete), Greg Phillinganes (clavinete), Hubert Laws (flauta), Marvin Smitty Smith (bateria), Patrice Rushen (piano, Rhodes e clavinete), Rickey Woodard (saxofone) e Tony Dumas (baixo). Com esse time de virtuoses, todos à vontade no universo do jazz, Ed esquece os mandamentos do manual para festas, bailes e afins. Em Perpetual gateways, o artista se distancia do pop e faz som vocacionado para o público do exterior. Se Ed segue algum manual, é o do som de Steely Dan, banda norte-americana da década de 1970 que faz jazz fusion com toques de funk e R&B. A influência de Steely Dan está explicitada em faixas como Heritage déjà vu e Hypochondriac's fun. Contudo, dá para reconhecer a assinatura de Ed Motta nas dez músicas do álbum. A mistura sonora é fina. Afinal, o groove soul-jazzy de Good intentions é, em última análise, uma depuração do som que Ed já vinha experimentando em álbuns mais radicais como Aystelum (Trama, 2005). Muito do êxito do CD está no fato de a ponte soul-jazz de Perpetual gateways ter curvas. O romantismo da balada Reader's choice se harmoniza com o intimismo jazzy de outra balada - Forgotten nickname, floreada por solo da flauta de Hubert Laws - sem se chocar com a incendiária exuberância orquestral de A town in flame e com a liberdade à moda do bebop que pauta o tema jazzístico The owner. No todo, é como se Ed Motta condensasse as melhores influências musicais - João Donato, Marcos Valle e Stevie Wonder, entre outros nomes - em Perpetual gateways, reverberando o funk e o soul que lhe pauta o caminho desde os tempos da Conexão Japeri, mas seguindo em frente, sem medo de se desviar do trilho pop que lhe deu fama no Brasil. O destino, por ora, conduziu o artista a este disco gravado com perfeição técnica sem diluição da energia, da pulsação e da alma que devem mover todo tipo de música, seja o soul made in Brasil, seja o jazz misturado dos EUA.

Rafael M. disse...

Adoro o Ed Motta, um grande cantor... Só que tem momentos que ele só fala bobagens pela internet... De qualquer modo, tenho grandes expectativas para ouvir esse novo trabalho dele, só deve ter música boa...

Eugênio Oliveira disse...

Mauro bom dia!

Saberia me dizer se já é possível comprar o cd aqui no Brasil?

Alguma loja já está vendendo?

Obrigado,

Eugênio Oliveira

Mauro Ferreira disse...

Bom dia, Eugênio. Não, ainda não. Como informado no cabeçalho da resenha, a edição brasileira do álbum de Ed está programada para março. Abs, MauroF

Ronaldo disse...

Ed é um craque! Ótima resenha.

Mauro Silva disse...

Gosto do Ed Motta, mas acho que ele não tem lançado um bom disco desde o ótimo "Manual prático para festas bailes e afins" I e II e o maravilhoso "Poptical" de 2003. De lá pra cá o som dele ficou cada vez mais americanizado, experimental e chato. O "AOR" de 2013 é bonzinho(razoável) mas esta longe do vigor da fase de "Poptical".

O blog disse...

Tenho todos os cds de Ed, e espero ansioso pelo disco. Concordo com tudo que ele diz, e acho ele preferiu lançar lá fora primeiro pelo fato de muitos brasileiros criticá-los. Esse eu preciso comprar!

Marcelo disse...

Cara super inteligente, sagaz e talentoso mas suas virtuoses são chatas demais! Quis fugir do POP e quis ser JAZZ! Ficou over !

Marcelo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Daniel Faria disse...

Estou ouvindo Perpetual Gateways nesse momento, boquiaberto. A faixa de abertura é um espetaculo, convidativo demais para curtir o álbum todo. Essa pegada soul e jazz, que o Ed faz como poucos. Um álbum finissimo, quem já curte o Ed dos outros álbuns, vai simplesmente se deliciar em cada musica. E parabens pela excelente resenha.