Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Romulo Fróes se eleva ao descer ao chão nobre de Cavaquinho sem o chão

Resenha de álbum
Título: Rei vadio - As canções de Nelson Cavaquinho
Artista: Romulo Fróes
Gravadora: Selo Sesc
Cotação: * * * * *

Quebrando o silêncio fúnebre de Luto (Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito e Sebastião Nunes, 1960), a cuíca de Wellington Moreira Pimpa chora. O choro é acompanhado pelas lágrimas sentidas que também parecem brotar do toque da guitarra de Guilherme Held. A dor do samba de Nelson Cavaquinho (29 de outubro de 1911 - 18 de fevereiro de 1986) - o nobre bamba carioca que saiu de cena há exatos 30 anos - é respeitada (com paradoxal desrespeito) por Romulo Fróes na sétima das 14 faixas do primeiro disco de intérprete do compositor paulistano, Rei vadio - As canções de Nelson Cavaquinho, lançado neste mês de fevereiro de 2016 pelo Selo Sesc. Após seis álbuns autorais em discografia solo iniciada em 2004, Romulo Fróes se eleva ao descer ao inferno astral do compositor carioca em universo poético povoado pela sombra da morte que espreita o nobre vagabundo enquanto ele, o majestoso Cavaquinho, vive a sofrer dores, humilhações e abandonos. Romulo desce ao chão existencial de Cavaquinho, sem harmonia e o chão da cozinha do samba tradicional, em disco de alto nível artístico pela coragem de abordar obra já entronizada na galeria imortal do samba sem a reverência já devidamente prestada por grandes cantoras como Beth Carvalho e Leny Andrade, ambas com luminosos discos dedicados à obra de Cavaquinho. Rei vadio é disco escuro que poetiza a vida pela luz negra de destino cruel. Ao recontar a História de um valente (Nelson Cavaquinho e José Ribeiro, 1966), Romulo até arma a cadência bonita do samba, mas logo a desarma na polifonia dissonante do arranjo que inclui o bass synth de Marcelo Cabral, para restaurá-la em seguida. No chão, sem o chão. Rei vadio vagueia pelas trevas em passos falsos, mesmo quando evolui harmonioso no compasso do samba-choro de Caminhando (Nelson Cavaquinho e Nourival Bahia, 1963), tema originalmente instrumental que ganhou versos oníricos de Nuno Ramos e a voz de Ná Ozzetti. Na letra, Nuno perfila as contradições e a máscara do nobre vagabundo que invadia as ruas e os bares com o cavaquinho, o copo de bebida e o sentimento de abandono que provocava o choro solitário confessado em Rei vagabundo (Nelson Cavaquinho, José Ribeiro e Noel Silva, 1968), samba introduzido por ruídos até que o toque do violão do próprio Romulo clareia a atmosfera suja do ambiente, traduzida por arranjo intencionalmente vazio. Barulhos feios, aliás, são os primeiros sons ouvidos em Rei vadio na introdução de Pode sorrir (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, 1973). O trombone de Allan Abbadia e a cuíca de Wellington Moreira Pimpa sinalizam já nesta primeira faixa o tom fúnebre que pauta o disco. O mesmo trombone de Abadia sopra a solidão espalhada em Cinzas (Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito e Renato Gaetani, 1955). Mesmo que os toques do violão e do cavaquinho de Rodrigo Campos tentem iluminar Não me olhes assim (Aceito teu adeus) (Nelson Cavaquinho, Luis Rocha e Amado Régis, 1967) na cadência do samba, Rei vadio acaba por apagar a luz em respeito ao perene luto existencial do nobre vagabundo. Em Notícia (Nelson Cavaquinho, Alcides Caminha e Nourival Bahia, 1955), fica claro que a guitarra - no caso, a de Guilherme Held - atravessa intencionalmente o samba. Essa guitarra se junta à de Kiko Dinucci para fazer brotar a mágoa que semeia Erva daninha (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, 1976), samba que até cai em certo suingue, à certa altura, mas logo recai no chão sem chão que sustenta Rei vadio. Pote até aqui de mágoas, o canto rústico do compositor ora celebrado sem cores é evocado por Dona Inah, dama do samba paulistano, solista quase solitária de Eu e as flores (Nelson Cavaquinho e Jair do Cavaquinho, 1968), tema em que a voz de Romulo é ouvida somente após o quarto minuto da faixa, como fugaz sopro de vida. Indício de que a tristeza se impõe até sobre a folia, Vou partir (Nelson Cavaquinho e Jair do Cavaquinho, 1965) cai no samba quase tradicional com a cozinha de Wellington Moreira Pimpa e o coro da velha guarda da escola paulistana Nenê de Vila Matilde. Bem marcada pela bateria de Curumin, a humilhação afetiva de Mulher sem alma (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, 1973) é reiterada pelos metais orquestrados por Thiago França, traduções dos tropeços do nobre vagabundo nos passos erráticos da feminina personagem-título. A propósito, tal como a obra de Lupicínio Rodrigues (1914 - 1974), o cancioneiro de Nelson Cavaquinho destila mágoas e culpas jogadas na conta da mulher amada. Contudo, no samba de Cavaquinho, há mais resignação do macho ferido, talvez pela consciência da finitude que se aproxima. A morte cai bem no chão do nobre vagabundo. Por isso, quando o disco vai chegando ao fim, o teatro fica cada vez mais sem cor. Revivida com a adesão da voz de Criolo, Luz negra (Nelson Cavaquinho e Amâncio Cardoso, 1961) tira todo o chão de Romulo em alucinado arranjo que caminha em passos cambaleantes. É nessa rota dissonante que é feito Juízo final (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, 1973). A voz sempre bem colocada de Romulo é ouvida somente no segundo minuto do samba. Fez-se a treva. Mas eis que, após o (falso) fim apocalíptico, ouve-se o coro sujo de um bloco de rua, como a dizer que, sim, a luz há de chegar até mesmo aos corações humilhados como o deste rei vadio, reentronizado por Romulo Fróes, trinta anos após a morte do artista, em disco brilhante pelo desconforto que provoca ao respeitar - sempre desrespeitando - o luto do nobre Nelson Cavaquinho.

12 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Quebrando o silêncio fúnebre de Luto (Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito e Sebastião Nunes, 1960), a cuíca de Wellington Moreira Pimpa chora. O choro é acompanhado pelas lágrimas sentidas que também parecem brotar do toque da guitarra de Guilherme Held. A dor do samba de Nelson Cavaquinho (29 de outubro de 1911 - 18 de fevereiro de 1986) - o nobre bamba carioca que saiu de cena há exatos 30 anos - é respeitada (com paradoxal desrespeito) por Romulo Fróes na sétima das 14 faixas do primeiro disco de intérprete do compositor paulistano, Rei vadio - As canções de Nelson Cavaquinho, lançado neste mês de fevereiro de 2016 pelo Selo Sesc. Após seis álbuns autorais em discografia solo iniciada em 2004, Romulo Fróes se eleva ao descer ao inferno astral do compositor carioca em universo poético povoado pela sombra da morte que espreita o nobre vagabundo enquanto ele, o majestoso Cavaquinho, expia dores, humilhações e ressentimentos. Romulo desce ao chão existencial de Cavaquinho, sem o chão da cozinha do samba mais tradicional, em disco de alto nível artístico pela coragem de abordar obra já entronizada na galeria imortal do samba sem a reverência já devidamente prestada por grandes cantoras como Beth Carvalho e Leny Andrade, ambas com luminosos discos dedicados à obra de Cavaquinho. Rei vadio é disco escuro que poetiza a vida pela luz negra de destino cruel. Ao recontar a História de um valente (Nelson Cavaquinho e José Ribeiro, 1966), Romulo até arma a cadência bonita do samba, mas logo a desarma na polifonia dissonante do arranjo que inclui o bass synth de Marcelo Cabral, para restaurá-la em seguida.

Mauro Ferreira disse...

No chão, sem o chão. Rei vadio vagueia pelas trevas em passos falsos, mesmo quando evolui harmonioso no compasso do samba-choro de Caminhando (Nelson Cavaquinho e Nourival Bahia, 1963), tema originalmente instrumental que ganhou versos oníricos de Nuno Ramos e a voz de Ná Ozzetti. Na letra, Nuno perfila as contradições e a máscara do nobre vagabundo que invadia as ruas e os bares com o cavaquinho, o copo de bebida e o sentimento de abandono que provocava o choro solitário confessado em Rei vagabundo (Nelson Cavaquinho, José Ribeiro e Noel Silva, 1968), samba introduzido por ruídos até que o toque do violão do próprio Romulo clareia a atmosfera suja do ambiente, traduzida por arranjo intencionalmente vazio. Barulhos feios, aliás, são os primeiros sons ouvidos em Rei vadio na introdução de Pode sorrir (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, 1973). O trombone de Allan Abbadia e a cuíca de Wellington Moreira Pimpa sinalizam já nesta primeira faixa o tom fúnebre que pauta o disco. O mesmo trombone de Abadia sopra a solidão espalhada em Cinzas (Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito e Renato Gaetani, 1955). Mesmo que os toques do violão e do cavaquinho de Rodrigo Campos tentem iluminar Não me olhes assim (Aceito teu adeus) (Nelson Cavaquinho, Luis Rocha e Amado Régis, 1967) na cadência do samba, Rei vadio acaba por apagar a luz em respeito ao perene luto existencial do nobre vagabundo. Em Notícia (Nelson Cavaquinho, Alcides Caminha e Nourival Bahia, 1955), fica claro que a guitarra - no caso, a de Guilherme Held - atravessa intencionalmente o samba. Essa guitarra se junta à de Kiko Dinucci para fazer brotar a mágoa que semeia Erva daninha (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, 1976), samba que até cai em certo suingue, à certa altura, mas logo recai no chão sem chão que sustenta Rei vadio. Pote até aqui de mágoas, o canto rústico do compositor ora celebrado sem cores é evocado por Dona Inah, dama do samba paulistano, solista quase solitária de Eu e as flores (Nelson Cavaquinho e Jair do Cavaquinho, 1968), tema em que a voz de Romulo é ouvida somente após o quarto minuto da faixa, como fugaz sopro de vida. Indício de que a tristeza se impõe até sobre a folia, Vou partir (Nelson Cavaquinho e Jair do Cavaquinho, 1965) cai no samba quase tradicional com a cozinha de Wellington Moreira Pimpa e o coro da velha guarda da escola paulistana Nenê de Vila Matilde. Bem marcada pela bateria de Curumin, a humilhação afetiva de Mulher sem alma (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, 1973) é reiterada pelos metais orquestrados por Thiago França, traduções dos tropeços do nobre vagabundo nos passos erráticos da feminina personagem-título. A propósito, tal como a obra de Lupicínio Rodrigues (1914 - 1974), o cancioneiro de Nelson Cavaquinho destila mágoas e culpas jogadas na conta da mulher amada. Contudo, no samba de Cavaquinho, há mais resignação do macho ferido, talvez pela consciência da finitude que se aproxima. A morte cai bem no chão do nobre vagabundo. Por isso, quando o disco vai chegando ao fim, o teatro fica cada vez mais sem cor. Revivida com a adesão da voz de Criolo, Luz negra (Nelson Cavaquinho e Amâncio Cardoso, 1961) tira todo o chão de Romulo em alucinado arranjo que caminha em passos cambaleantes. É nessa rota dissonante que é feito Juízo final (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, 1973). A voz sempre bem colocada de Romulo é ouvida somente no segundo minuto do samba. Fez-se a treva. Mas eis que, após o (falso) fim apocalíptico, ouve-se o coro sujo de um bloco de rua, como a dizer que, sim, a luz há de chegar até mesmo aos corações humilhados como o deste rei vadio, reentronizado por Romulo Fróes, trinta anos após a morte do artista, em disco brilhante pelo desconforto que provoca ao respeitar - sempre desrespeitando - o luto do nobre Nelson Cavaquinho.

Luca disse...

Esse Rômulo parece que virou o novo queridinho do Mauro, o crítico do Globo acabou com o disco, aí vem o Mauro e dá cotação máxima só pra contrariar... ô críticos, que raÇA

italo vinicius disse...

bom dia onde posso ouvir o álbum procurei no soundcloud e no deezer e nao achei

Mauro Ferreira disse...

Italo, o álbum está sendo lançado somente em edição física em CD pelo Selo Sesc e já está disponível nos pontos de venda do Sesc. Eis aqui o link para quem quiser comprar o disco: http://www.sescsp.org.br/livraria/3673_REI+VADIO+AS+CANCOES+DE+NELSON+CAVAQUINHO#/content=detalhes-do-produto

abs, mauroF

italo vinicius disse...

obg !!!

Raffa disse...

Não sabia que o crítico do Globo era Deus!!!

Em tempo, achei a experiência do disco muito interessante! Acho que a sonoridade torta do Romulo e seus colegas deu uma nova cara pras letras de Nelson, saiu do mais do mesmo das obras revisionistas, apesar da sonoridade repetitiva (Passo Elétrico - Encarnado - Barulho Feio - Thiago França - Pedaço Duma Asa). Ainda acho os autorais Um Labirinto Em Cada Pé e Barulho Feio trabalhos mais legais que este (a quem acredite que o Mauro defenda tanto o Romulo, os discos citados, exceto "Encarnado" de Juçara Marçal e "Pedaço Duma Asa" de Mariana Aydar, não chegaram à 4 estrelas).

Felipe disse...

Mais que querer "contrariar" são visões diferentes sobre uma mesma obra. O João Máximo é um crítico purista, um exaltador do samba mais tradicional. Me soa óbvio que ele não gostaria do samba "torto" feito pelo Rômulo. Já o Mauro tem uma visão diferente sobre a música contemporânea, do noise que tem feito a cabeça de meus conterrâneos paulistas. Não entro em mérito de qual crítico está "certo" ou "errado" na questão, tanto que não acredito nesse maniqueísmo dentro da arte. São só visões diferentes, ponto de vistas distintos sobre uma mesma obra. Cabe ao ouvinte decidir se ele o considera uma obra prima ou uma bomba.

Mauro Ferreira disse...

É isso aí, Felipe. Respeito imensamente João Máximo - com quem trabalhei em 'O Globo', aliás - e achei coerente a visão que ele tem do disco. Eu tenho a minha visão, nem melhor nem pior, apenas diferente. De todo modo, não ergo um muro entre tributos ousados e reverentes. Adorei o disco reverente em que Teresa Cristina canta Cartola. Adorei também o disco em que Romulo Fróes subverte Nelson Cavaquinho. E daí? Um disco não anula o outro. Um não se opõe ao outro, porque não estamos em guerra. Pode ser que um tributo reverente seja insosso. Pode ser que um tributo ousado seja meramente modernoso. Enfim, o importante é avaliar discos sem pré-conceitos e sem cartas marcadas. Abs, grato a todos pela participação, MauroF

ADEMAR AMANCIO disse...

Existe nuances entre a 'obra prima' e a 'bomba'.

ADEMAR AMANCIO disse...

Se o Mauro pichasse o disco íam dizer que ele foi na onda do outro (até porque é mais cômodo).Vai entender.

Rafael M. disse...

Eu gostei do disco, o mesmo é sensacional... O Rômulo acertou em cheio... E também concordo com o comentário de um dos leitores acima que diz que desde quando o crítico do Globo é Deus? A opinião dele para mim não conta em nada acerca desse belo tributo...