Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Temporão relança álbum solo em vinil roxo com as adições de duas inéditas

Primeiro álbum solo do cantor e compositor carioca Fernando Temporão, produzido por Kassin e coproduzido por Alberto Continentino, De dentro da gaveta da alma da gente - lançado no fim de 2013 em edição independente do artista distribuída via Tratore - vai ganhar edição em vinil de 180 gramas, roxo e translúcido, neste mês de dezembro de 2014. Mas a novidade não se resume ao formato. O disco ganhou o acréscimo de duas músicas inéditas, Tudo pode ser e Apreço, ambas compostas por Temporão e gravadas em estúdio com produção de Kassin. Música que combina no arranjo sopros leves e guitarras distorcidas, Tudo pode ser está alocada no Lado A do vinil. Já Apreço - um mix de ijexá com samba - aparece no lado B. A música foi composta nos anos 2000 quando Temporão ainda era integrante do Sereno da Madrugada, grupo carioca de samba com o qual lançou um disco em 2010.

6 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Primeiro álbum solo do cantor e compositor carioca Fernando Temporão, produzido por Kassin e coproduzido por Alberto Continentino, De dentro da gaveta da alma da gente - lançado no fim de 2013 em edição independente do artista distribuída via Tratore - vai ganhar edição em vinil de 180 gramas, roxo e translúcido, neste mês de dezembro de 2014. Mas a novidade não se resume ao formato. O disco ganhou o acréscimo de duas músicas inéditas, Tudo pode ser e Apreço, ambas compostas por Temporão e gravadas em estúdio com produção de Kassin. Música que combina no arranjo sopros leves e guitarras distorcidas, Tudo pode ser está alocada no Lado A do vinil. Já Apreço - um mix de ijexá com samba - aparece no lado B. A música foi composta nos anos 2000 quando Temporão ainda fazia parte do grupo carioca Sereno da Madrugada, no circuito de samba.

Mauro Silva disse...

Acorda Kassin! Vinil já foi, já era! Alguém conhece um bom Pai de Santo???? Para tirar esses"encostos" de vinis da cabeça de alguns produtores, Socorroooooo :(

Catarina Leal disse...

+Mauro Silva, muito surpreendente seu comentário... Hoje vinil voltou com tudo, na realidade nunca saiu de cena, e quando o assunto é som, bem sabemos que o do LP é superior, além das outras qualidades.

http://oglobo.globo.com/cultura/venda-de-lps-bate-recordes-no-brasil-eua-inglaterra-12428609

http://vejasp.abril.com.br/materia/vinis-se-tornam-bolachas-preciosas

Mauro Silva disse...

Então "Catarina Leal" eu acho que você deveria ter um pouquinho mais de opinião própria e não seguir a massa, a Globo ou a Veja. As gravadoras querem empurrar o antigo formato por que estão com a corda no pescoço.Agora já que você falou de qualidade, vamos fazer uma analise bem racional, bem na prática, faça essa experiência em casa mesmo: O CD Remasterizado é incrivél por que além do belo e harmonioso som, eu posso repetir uma determinada faixa quantas vezes eu quiser,sem prejudicar o som gravado da mídia.Já no vinil isso é prejudicial, por que ao repetir a faixa no vinil, automaticamente gasta-se os sulcos do vinil, por mais cuidado que se possa ter com ele, e com tempo (tempo muito curto) o vinil se gasta. As rádios na época do vinil tinham cerca de 3 á 5 copias do mesmo single em vinil de um determinado sucesso do momento, por que logo vinha o chiado e isso em uma rádio era inaceitável. Foi muito boa a época do vinil,pois foi com ele que chegamos a bela Tecnologia de hoje.E hoje esse vinil de 180g é muito limitante, esses box's remasterizados em CD, vem com bônus de compacto, takes inéditos com uma P...qualidade. Eu comprei o Box do Marcos Valle, da Gal,do Roberto, do Chico, do Ney e fiquei impressionado com a qualidade das músicas dos antigos compactos. Viva o CD REMASTERIZADO !!! :)

CelloPiazza disse...

realmente, vinil é difícl de engolir nos dias de hoje... sem falar no valor exorbitante cobrado, é uma afronta !! viva o cd ( remasterizado ou não ) !

ADEMAR AMANCIO disse...

Quando o CD apareceu,o vinil passou a ser o grande vilão sonoro,com ruídos e chiados,hoje muita gente elogia.Hipocrisia pura.