Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quinta-feira, 31 de março de 2016

Wildner reconta histórias rock, sexo e violência no CD revisionista 'WanClub'

No álbum de caráter revisionista WanClub, apresentado neste mês de março de 2016 em edição distribuída via gravadora Deck neste mês de março de 2016, Wander Wildner reconta histórias de rock, sexo e violência 20 anos após o lançamento do primeiro álbum solo do artista gaúcho, Baladas sangrentas (Fora da Lei, 1996), disco produzido por Tom Capone (1996 - 2004) no qual o cantor e compositor apresentou músicas autorais que se tornaram clássicos do universo underground, como Bebendo vinho (Wander Wildner, 1996) - composição regravada três anos mais tarde pelo grupo Ira! no álbum Isso é amor (Abril Music, 1999) - e Eu tenho uma camiseta escrita eu te amo (Wander Wilder, 1996). Em WanClub, disco produzido pelo próprio Wildner com recursos obtidos em plataforma de financiamento coletivo, o artista revive inclusive músicas do repertório do grupo gaúcho que o projetou no universo pop nacional na década de 1980, Os Replicantes. O roqueiro rebobina Surfista calhorda (Carlos Gerbase e Heron Heinz) - com arranjo similar à gravação original feita há 30 anos pelos Replicantes no álbum O futuro é vortex (RCA / BMG, 1986) - e Sandina (Jimi Joe, 1987). Gravado no estúdio Dreher, em Porto Alegre (RS), WanClub alinha 14 músicas na edição física em CD e outras seis na edição digital. O repertório adicional da edição digital inclui a única música inédita composta por Wildner para o disco, Colonos em chamas.

4 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ No álbum de caráter revisionista WanClub, apresentado neste mês de março de 2016 em edição distribuída via gravadora Deck neste mês de março de 2016, Wander Wildner reconta histórias de rock, sexo e violência 20 anos após o lançamento do primeiro álbum solo do artista gaúcho, Baladas sangrentas (Fora da Lei, 1996), disco produzido por Tom Capone (1996 - 2004) no qual o cantor e compositor apresentou músicas autorais que se tornaram clássicos do universo underground, como Bebendo vinho (Wander Wildner, 1996) - composição regravada três anos mais tarde pelo grupo Ira! no álbum Isso é amor (Abril Music, 1999) - e Eu tenho uma camiseta escrita eu te amo (Wander Wilder, 1996). Em WanClub, disco produzido pelo próprio Wildner com recursos obtidos em plataforma de financiamento coletivo, o artista revive inclusive músicas do repertório do grupo gaúcho que o projetou no universo pop nacional na década de 1980, Os Replicantes. O roqueiro rebobina Surfista calhorda (Carlos Gerbase e Heron Heinz) - com arranjo similar à gravação original feita há 30 anos pelos Replicantes no álbum O futuro é vortex (RCA / BMG, 1986) - e Sandina (Jimi Joe, 1987). Gravado no estúdio Dreher, em Porto Alegre (RS), WanClub alinha 14 músicas na edição física em CD e outras seis na edição digital. O repertório adicional da edição digital inclui a única música inédita composta por Wildner para o disco, Colonos em chamas.

BIGODE disse...

Adoro Wander Wildner e a cena gaucha em geral, mas vou passar....não vejo nada que me faça ter esse lançamento, só reciclagem e caça niqueis

André Nascimento disse...

Tenho a discografia do Wander e investi no crowdfunding. Acho válido ter uma releitura de seus sucessos ...se não me engano a terceira em 20 anos

Érico Lima disse...

Nossa que capa perfeita, sabe quem fez?