Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


domingo, 13 de março de 2016

Alza Alves refaz 'Prece ao vento' em álbum com o toque do violão de Lenine

Com capa que expõe detalhe de obra em cobre da série Território do possível, do artista gráfico capixaba Hilal Sami Hilal, o primeiro álbum de Alza Alves, Aproximadamente eu, apresenta repertório majoritariamente autoral ao longo de dez faixas, mas inclui regravações de Prece ao vento (Gilvan Chaves, Alcyr Pires Vermelho e Fernando Luís Câmara) - feita originalmente pelo cearense Trio Nagô em gravação editada em 1954 em disco de 78 rotações por minuto - e de Brincando gostei (Orlandivo e Waltel Blanco, 1963). Compositora, professora de canto, preparadora vocal e fonoaudióloga carioca radicada no Espírito Santo, Alza refaz Prece ao vento na companhia do cantor e compositor capixaba Silva neste disco em que se apresenta como cantora e compositora. Gravado entre as cidades de Vitória (ES) e Rio de Janeiro (RJ) com produção de Sérgio Benevenuto, parceiro de Alza na composição Do nada, Aproximadamente eu está sendo lançado no mercado fonográfico através da Discole Música, distribuidora de João Cavalcanti. Pai de Cavalcanti, Lenine teve antigo toque de violão remasterizado e inserido na regravação de Maná, parceria de Lenine com Sérgio Natureza lançada em disco em 1999 na voz do cantor Pedro Lima. O violão de Lenine foi extraído da gravação de Maná feita por Alza há mais de 20 anos, época em que a artista começou a concretizar a ideia de gravar um disco com composições autorais e alheias - projeto que acabou sendo abortado no meio do processo criativo. Disco pautado pela leveza e pelos arranjos vocais (marcas da artista), Aproximadamente eu apresenta composições daquela época, buriladas recentemente por Alza quando a ideia do álbum voltou a ganhar forma com o incentivo do produtor Sérgio Benevenuto. Aos 51 anos, Alza Alves faz de Aproximadamente eu um cartão de visitas no mercado fonográfico. O disco foi gravado com músicos como Edu Szajnbrum (percussão), Ézio Filho (baixo), Fábio Calazans (violão), Lui Coimbra (violoncelo), Mário Séve (sax soprano) e Rodrigo Lessa (bandolim), compositor de quem Alza Alves revive Sossega leão (Rodrigo Lessa e Mauro Aguiar, 2004) entre músicas de lavra própria, como Prima do Zé e Engoli um delay.

3 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Curta a página de Notas Musicais no Facebook e acompanhe as atualizações diárias do blog:
https://www.facebook.com/blognotasmusicais/

Luca disse...

Nunca soube de uma música de Lenine com esse nome Maná, acho que ele não gravou essa música

Jeferson Garcia disse...

Compôs e tem até gravação da cantora Miriam Maria no disco "Rosa Fervida em Mel" de 2000.