Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


terça-feira, 15 de março de 2016

Luiza Possi segue cantando bem entre as caídas e levantadas do álbum 'LP'

Resenha de álbum
Título: LP
Artista: Luiza Possi
Gravadora: Independente / ONErpm (distribuição)
Cotação: * * 1/2

"Sigo levando, tocando, caindo / Vou procurando, me levantando / E vou seguindo / Vou caminhando / Como dizia a canção / Não vejo problema em acreditar / Que pode chegar o dia em que algo floresça / Nada demais, mas que aconteça". Os versos de Sigo (Luiza Possi, Rodrigo Gorky e Arthur Gomes) - primeira das 10 músicas do oitavo álbum de Luiza Possi, LP, disponível nas plataformas digitais desde 11 de março de 2016 e com edição em CD prevista para abril - traduzem a irregular caminhada fonográfica da cantora e compositora de origem carioca, ora radicada na cidade de São Paulo (SP). Direcionada de início ao mercado musical adolescente no álbum de estreia Eu sou assim (Indie Records, 2002), a filha de Zizi Possi apostou no pop rock de criação mais adulta em Pro mundo levar (Indie Records, 2004), tangenciou o universo da MPB em Escuta (LGK Music / EMI Music, 2006), gravou o ao vivo A vida é mesmo assim (LGK Music / EMI Music, 2007), esboçou obra autoral em Bons ventos sempre chegam (LGK Music / Som Livre, 2009), gravou novamente ao vivo no equivocado Seguir cantando (LGK Music / Microservice, 2011) e, enfim, atingiu ponto de coesão e harmonia no melhor álbum da camaleônica obra fonográfica, Sobre o amor e o tempo (Radar Records, 2013), produzido por Dadi. Com público fiel, sobretudo na cidade de São Paulo (SP), Luiza Possi tem caminhado entre tropeços e segue cantando em LP à espera de um real reconhecimento nacional que ainda não veio. Talvez por preconceito. Entre todas as filhas de grandes cantoras do Brasil que seguiram a profissão das mães, Luiza é das mais afinadas. Não tem a estatura vocal de Maria Rita (a melhor de todas as filhas de cantoras), mas ostenta uma voz segura de emissão límpida, capaz de evidenciar na regravação de Insight (Jaloo, 2014) a boa melodia que se escondia atrás da eletrônica proeminente do registro original do cantor e compositor paraense Jaloo. A levada sedutora da regravação de O meu amor mora no Rio (Pélico, 2015) é outro acerto de LP e prova que a produção musical contemporânea tem sido prejudicada pela falta de vocação para o canto da maioria dos cantauores da atual geração pop. Na voz doce de Luiza Possi, O meu amor mora no Rio é hit em potencial. Já o cover da impositiva balada Como eu quero (Leoni e Paula Toller, 1984) é reverente em excesso e nada acrescenta à gravação do ora desativado grupo carioca Kid Abelha. A culpa não é da interpretação harmoniosa de Luiza, mas da decisão de reviver canção que não aponta outro caminho diferente do seguido pelo Kid. De todo modo é na safra de inéditas autorais que LP derrapa. A conexão de Luiza com os produtores Rodrigo Gorky - DJ do Bonde do Rolê e do duo Fatnotronic - e Arthur Gomes resultou em disco pontuados por beats sintéticos, com os quais os produtores formataram músicas compostas por Luiza em parceria com nomes com Dudu Falcão e Thiaguinho (coautor de Aventura, balada eleita o segundo single de LP). O fato é que músicas como Sem pressa (Yuri Drummond e Arthur Gomes) e Você tem o dom (Yuri Drummong e Arthur Gomes) parecem imersas naquele universo pop estéril que pauta a música produzida em escala industrial, sobretudo nos Estados Unidos. Já a balada Por quanto tempo (Luiza Possi e Dudu Falcão) parece toda pautada por emoção trivial, ainda que real - emoção bem diluída na canção Me beija (Luiza Possi, Arthur Gomes e Rafaela Andrade) e bastante amplificada em Pensando bem, a bela balada da lavra do baiano Bruno Caliman - compositor que fornece repertório para artistas populares como Luan Santana - que fecha LP, álbum que mostra Luiza Possi caminhando, caindo, se levantando e seguindo cantando (bem!), sem de fato florescer.

19 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ "Sigo levando, tocando, caindo / Vou procurando, me levantando / E vou seguindo / Vou caminhando / Como dizia a canção / Não vejo problema em acreditar / Que pode chegar o dia em que algo floresça / Nada demais, mas que aconteça". Os versos de Sigo (Luiza Possi, Rodrigo Gorky e Arthur Gomes) - primeira das 10 músicas do oitavo álbum de Luiza Possi, LP, já disponível nas plataformas digitais - traduzem a irregular caminhada fonográfica da cantora e compositora de origem carioca, ora radicada na cidade de São Paulo (SP). Direcionada de início ao mercado adolescente no álbum de estreia Eu sou assim (Indie Records, 2002), a filha de Zizi Possi apostou no pop rock de criação mais adulta em Pro mundo levar (Indie Records, 2004), tangenciou o universo da MPB em Escuta (LGK Music / EMI Music, 2006), gravou o ao vivo A vida é mesmo assim (LGK Music / EMI Music, 2007), esboçou obra autoral em Bons ventos sempre chegam (LGK Music / Som Livre, 2009), gravou novamente ao vivo no equivocado Seguir cantando (LGK Music / Microservice, 2011) e, enfim, atingiu ponto de coesão e harmonia no melhor álbum da camaleônica obra fonográfica, Sobre o amor e o tempo (Radar Records, 2013), produzido por Dadi. Com público fiel, sobretudo na cidade de São Paulo (SP), Luiza Possi tem caminhado entre tropeços e segue cantando em LP à espera de um real reconhecimento nacional que ainda não veio. Talvez por preconceito. Entre todas as filhas de grandes cantoras do Brasil que seguiram a profissão das mães, Luiza é das mais afinadas. Não tem a estatura vocal de Maria Rita (a melhor de todas as filhas de cantoras), mas ostenta uma voz segura de emissão límpida, capaz de evidenciar na regravação de Insight (Jaloo, 2014) a boa melodia que se escondia atrás da eletrônica proeminente do registro original do cantor e compositor paraense Jaloo. A levada sedutora da regravação de O meu amor mora no Rio (Pélico, 2015) é outro acerto de LP e prova que a produção musical contemporânea tem sido prejudicada pela falta de vocação para o canto da maioria dos cantauores da atual geração pop. Na voz doce de Luiza Possi, O meu amor mora no Rio é hit em potencial. Já o cover da impositiva balada Como eu quero (Leoni e Paula Toller, 1984) é reverente em excesso e nada acrescenta à gravação do ora desativado grupo carioca Kid Abelha. A culpa não é da interpretação harmoniosa de Luiza, mas da decisão de reviver canção que não aponta outro caminho diferente do seguido pelo Kid. De todo modo é na safra de inéditas autorais que LP derrapa. A conexão de Luiza com os produtores Rodrigo Gorky - DJ do Bonde do Rolê e do duo Fatnotronic - e Arthur Gomes resultou em disco pontuados por beats sintéticos, com os quais os produtores formataram músicas compostas por Luiza em parceria com nomes com Dudu Falcão e Thiaguinho (coautor de Aventura, balada eleita o segundo single de LP). O fato é que músicas como Sem pressa e Você tem o dom parecem imersas naquele universo pop estéril que pauta a música produzida em escala industrial. Já a balada Por quanto tempo ainda parece pautada por emoção trivial, mas real, diluída na canção Me beija (Arthur Gomes e Rafaela Andrade), mas amplificada em Pensando bem, a bela balada que fecha LP, disco que exibe Luiza Possi caminhando, caindo, se levantando e seguindo cantando bem.

Rafael M. disse...

Não achei ruim o disco, mas também não é memorável... O álbum não mostra Luiza em seu melhor momento... Enfim, merecia 2 estrelas somente...

Douglas Carvalho disse...

Acho a Luiza linda, canta bem, mas, como diria o Baby da Família Dinossauro: "Não é a mamãe!".

PS: Odiei a capa.

Rafael M. disse...

Achei a capa sem graça, com esse LP escrito de todo tamanho... Mas de qualquer forma, gostaria de saber quem são os compositores de cada faixa desse disco...

O blog disse...

Ja escutei o cd inteiro e não me agradou. E como foi dito, ela ainda precisa se firmar, mesmo tendo uma voz maravilhosa e suave. Agora é esperar pelo próximo lançamento.

Felipe disse...

Olha sou fã do trabalho da Luiza, gostei muito do trabalho anterior "Sobre Amor e o Tempo" (2013), só que este trabalho, está totalmente diferente, ouvi todo o disco, me encantei realmente por "O Meu Amor Mora no Rio" e "Pensando Bem", o resto não me cativou muito, esperava mais, agora é esperar pra ver a recepção mais pele frente.

Marcelo disse...

Luiza...arranja outra coisa pra fazer... talvez arquitetura ou medicina...

Umberto Bonate disse...

Seu pior disco chega a lembrar anitta em algumas músicas porem o que ainda salva e por ela ser uma ótima interprete mais comparado ao Escuta(2006) que pra mim foi o melhor a mudança foi radical e para pior

Victor Moraes, disse...


Mas o que é que "Como eu quero" está fazendo aí, gente!?
Ela já gosta de pegar uma música que não tem mais o que acrescentar e regravar pra tocar em rádio, como folhetim, e ganhar a antipatia de quem conhece bem as originais.

Rhenan Soares disse...

Concordo completamente. "Você tem o dom" e "Sem pressa", ambas da dupla Yuri Drummond e Arthur Gomes, são beeem repertório da Anitta. Tem quem goste, mas eu passo. Uma curiosidade: "Pensando bem" é de autoria do baiano Bruno Caliman, hitmaker de muitos artistas do sertanejo pop / universitário, principalmente. É dele o "Camaro amarelo" (medonho) do Munhoz e Mariano e o "Escreve aí" do Luan Santana. Mas sem preconceitos. A música é muito boa, e está entre as que salvam o disco. Lembra, inclusive, o repertório autoral da Isabella Taviani.

"Sigo", "Insight" e "O meu amor mora no Rio" também são / ficaram muito boas. "Como eu quero" é injustificável. Ainda mais em um disco com dez faixas.

Fabio disse...

Pra mim Luiza Possi nunca decolou. Não a vejo como cantora e sim como aquela que de vez em sempre está no programa da Fatima Bernardes falando sobre seu emagrecimento. Nem todo filho de artista herda o talento dos pais.

Gil Cardoso disse...

Sou um fã da Luiza, mas tenho preguiça desse novo álbum. Muito imaturo. Luiza segue um caminho difícil q poucas acertaram. Ex de Gal Costa que gravou de tudo e brilha até hj.

Gil Cardoso disse...

Gal Costa foi uma das poucas cantoras que gravou de tudo e se deu bem na maioria das tentativas. Luiza precisa mostrar quem ela é como cantora e só depois se aventurar pelos ritmos. Mesmo assim sou um super fã

Gil Cardoso disse...

Sou um fã da Luiza, mas tenho preguiça desse novo álbum. Muito imaturo. Luiza segue um caminho difícil q poucas acertaram. Ex de Gal Costa que gravou de tudo e brilha até hj.

Lucas Hemerly disse...

Eu achei o CD bem bom, talvez seja a chance de Luiza Possi atingir o mainstream, realmente o cover de Como Eu Quero é bem desnecessário, mas o CD tem uma pegada pop muito atual! Sobre a capa do CD, eu AMEI, acho que é sensual, pop, atual e numa prateleira de cds ela se destaca.

ADEMAR AMANCIO disse...

Se Maria Rita é a melhor das cantora-filhas,imagina a pior.

Estalactites hemorrágicas disse...

Mais uma música e ela cometeria "Bang" da Anitta.
Não tá fácil prá ninguém

A capa? Linda

Ricardo Sérgio.

Michel B. disse...

Luiza disse que a ideia em fazer um álbum como o LP era se tornar mais Pop e passar uma imagem mais moderna. Ela disse que as músicas deste disco tem mais a ver com o que ela escuta no dia-a-dia e com o que ela curte. Eu sinceramente amei a mudança, acho que ela foi muito corajosa em arriscar e a admiro ainda mais por isso. Luiza fica super bem cantando músicas animadas e agitadas. Ela é jovem, tem uma energia incrível, é alto-astral, brincalhona... Tem que cantar músicas que favoreçam isso e tragam esse lado para o palco. Minhas favoritas deste disco são Sigo, Por Quanto Tempo e Você Tem o Dom. Amei as letras de todas elas!! E a capa do álbum em si achei de muito bom gosto, bonita e também chama a atenção. Reparem quando virem nas prateleiras das lojas! O encarte e o interior do CD (que já comprei) também estão perfeitos. Ainda não tenho bem certeza, mas este pra mim se não for o, pode ser um dos discos favoritos dela!! Curto cada dia mais este trabalho e espero que ela siga com uma turnê incrível colocando essas músicas em prática no palco!!

Rafael M. disse...

Segue a relação de compositores do disco, que não foi informado pelo Mauro no post:

1. Sigo (Luiza Possi/Arthur Gomes/Rodrigo Gorky)
2. Insight (Jaloo)
3. Como Eu Quero (Leoni/Paula Toller)
4. Você Tem O Dom (Yuri Drummond/Arthur Gomes)
5. Por Quanto Tempo (Luiza Possi/Dudu Falcão)
6. O Meu Amor Mora No Rio (Pélico)
7. Sem Pressa (Luiza Possi/Yuri Drummond/Arthur Gomes)
8. Me Beija (Arthur Gomes/Rafaela Andrade)
9. Aventura (Luiza Possi/Thiaguinho)
10. Pensando Bem (Bruno Caliman)

Espero estar ajudando com esse post quem gosta de saber os nomes dos compositores de todas as faixas...