Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


domingo, 21 de junho de 2015

Zé Manoel emerge como (ótimo) compositor nas águas de 'Canção e silêncio'

Resenha de CD
Título: Canção e silêncio
Artista: Zé Manoel
Gravadora: Edição independente do artista
Cotação: * * * *

Segundo álbum de Zé Manoel, Canção e silêncio tem repertório autoral atravessado pelas águas de mares e rios do vasto Nordeste do Brasil. Ao revolver suas memórias dessas águas, o artista pernambucano - natural de Petrolina (PE) - emerge como um ótimo compositor. Além de compor bem, apresentado obra identificada com os padrões da MPB, Zé Manoel Carvalho é pianista e cantor eficaz. Dentre as 13 músicas autorais do disco, a maioria assinada solitariamente por Zé Manoel, há temas levados somente no piano, como Na noite em que eu nasci (Zé Manoel). Na gênese um baião cinzento de andamento lento, Água doce (Zé Manoel) ganha tratamento de música de câmara no toque do piano do artista. Cabe ressaltar o mérito da produção de Carlos Eduardo Miranda, que deu polimento à música de Zé Manoel com o entendimento de que essa obra muitas vezes pede embalagens de invólucro mais clássico. Kassin também contribuiu positivamente, na medida, com bases adicionais. Tudo para evidenciar a beleza das músicas e letras impressionistas deste artista que lançou há três anos seu primeiro álbum, Zé Manoel (Independente, 2012), sem repercussão na mídia. E o fato é que composições como A maior ambição (Zé Manoel e Juliano Holanda) e a música-título Canção e silêncio (Zé Manoel) valorizam o disco. Zé Manoel apresenta obra de arquitetura original, mas suas referências parecem vir dos anos 1960, da MPB formada no rastro das (r)evoluções estéticas da Bossa Nova, como sinalizam o samba Cada vez que eu digo adeus (Zé Manoel e Paulo Mello), O mar (Zé Manoel e Sergio Napp) e a canção Volta pra casa (Zé Manoel), solada pela cantora Isadora Melo e arranjada por Letieres Leitte, maestro baiano condutor da Orkestra Rumpilezz. É de Letieres o portentoso arranjo orquestral que adensa a caymminiana Sereno mar. Já Estrela nova tem letra de Dulce Quental, a cantora e compositora carioca revelada na geração pop da década de 1980. Enfim, com sutis toques de regionalismo que identificam a origem geográfica do artista, o álbum Canção e silêncio abarca em suas águas tradições da música feita em todo o Brasil no século XX, fazendo emergir a obra relevante (e inesperada) de Zé Manoel.

5 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Segundo álbum de Zé Manoel, Canção e silêncio tem repertório autoral atravessado pelas águas de mares e rios do vasto Nordeste do Brasil. Ao revolver suas memórias dessas águas, o artista pernambucano - natural de Petrolina (PE) - emerge como um ótimo compositor. Além de compor bem, apresentado obra identificada com os padrões da MPB, Zé Manoel Carvalho é pianista e cantor eficaz. Dentre as 13 músicas autorais do disco, a maioria assinada solitariamente por Zé Manoel, há temas levados somente no piano, como Na noite em que eu nasci (Zé Manoel). Na gênese um baião cinzento de andamento lento, Água doce (Zé Manoel) ganha tratamento de música de câmara no toque do piano do artista. Cabe ressaltar o mérito da produção de Carlos Eduardo Miranda, que deu polimento à música de Zé Manoel com o entendimento de que essa obra muitas vezes pede embalagens de invólucro mais clássico. Kassin também contribuiu positivamente, na medida, com bases adicionais. Tudo para evidenciar a beleza das músicas e letras impressionistas deste artista que lançou há três anos seu primeiro álbum, Zé Manoel (Independente, 2012), sem repercussão na mídia. E o fato é que composições como A maior ambição (Zé Manoel e Juliano Holanda) e a música-título Canção e silêncio (Zé Manoel) valorizam o disco. Zé Manoel apresenta obra de arquitetura original, mas suas referências parecem vir dos anos 1960, da MPB formada no rastro das (r)evoluções estéticas da Bossa Nova, como sinalizam o samba Cada vez que eu digo adeus (Zé Manoel e Paulo Mello), O mar (Zé Manoel e Sergio Napp) e a canção Volta pra casa (Zé Manoel), solada pela cantora Isadora Melo e arranjada por Letieres Leitte, maestro baiano condutor da Orkestra Rumpilezz. É de Letieres o portentoso arranjo orquestral que adensa a caymminiana Sereno mar. Já Estrela nova tem letra de Dulce Quental, a cantora e compositora carioca revelada na geração pop da década de 1980. Enfim, com sutis toques de regionalismo que identificam a origem geográfica do artista, o álbum Canção e silêncio abarca em suas águas tradições da música feita em todo o Brasil no século XX, fazendo emergir a obra relevante (e inesperada) de Zé Manoel.

Luca disse...

sempre desconfio quando os críticos começam a elogiar um artista que já tava aí e ninguém reparou. porque não elogiaram o primeiro disco se o cara é isso tudo?

Francisco Frankson de Freitas Franco disse...

Está disponível pra download? Onde?

Rafael M. disse...

No site oficial do artista, o link está disponível para download gratuito.

ADEMAR AMANCIO disse...

O primeiro disco do cara foi ignorado por que talvez não era bom,ou por que seja impossível acompanhar todos os lançamentos,sei lá.