Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Bem acomodada no banquinho, Ana faz solo com canções, discursos e pitos

Resenha de show
Título: Solo
Artista: Ana Carolina (em foto de Rodrigo Goffredo)
Local: Teatro Bradesco (Rio de Janeiro, RJ)
Data: 21 de janeiro de 2016
Cotação: * * * 1/2

Foi cantando baladas confessionais de tom ardente que Ana Carolina ganhou projeção nacional, a partir de 1999, e que se impôs como uma das grandes cantoras do Brasil do século XXI. Antes da fama, a artista mineira tocou nos bares da vida noturna da cidade natal de Juiz de Fora (MG), a sós com o violão que aprendeu a tocar (bem) com influências do som do conterrâneo João Bosco. Solo - show que Ana estreou ontem na cidade que a acolheu, o Rio de Janeiro (RJ), após ter feito apresentações por cidades do Sul, do Nordeste e de Minas Gerais  - é anunciado como volta ao começo da vida da artista. Só que Ana já está no meio da estrada, um tanto desgastada como compositora na última década, mas sempre valorizada como cantora e com público fiel. Foi uma cantora que sabe lidar bem com a fama - e que sabe manipular a plateia de fãs inflamadas - que pisou no palco do Teatro Bradesco do Rio de Janeiro na noite de 21 de janeiro de 2016 para desfiar roteiro que entrelaça músicas da própria lavra com temas de compositores associados à MPB. Bem acomodada no banquinho, no qual toca violão alternado com guitarra eletroacústica, a cantora apresentou show que alinhou canções, discursos, piadas e broncas espirituosas no técnico de som (perfeito para o público, mas insatisfatório do ponto de audição da artista). Solo não chega a ser "show íntimo", como a artista o caracterizou nas primeiras falas da estreia carioca, até porque Ana Carolina é cantora expansiva, de tons fortes. Ana é a antítese do estereótipo da cantora tímida e de voz pequena do banquinho e do violão. A intimidade criada em cena na estreia carioca de Solo veio menos da musicalidade e do espaço do show (um luxuoso teatro de grandes proporções como o Teatro Bradesco do Rio) e mais da naturalidade com que a cantora se portou no palco, seja conversando com o público, fazendo discurso de tom político - em sintonia com a verborragia da letra de Qual é? (Ana Carolina), única inédita autoral do roteiro - ou desfiando o bom roteiro musical. Aliás, musicalmente, a cantora e instrumentista se garante. Com senso rítmico apurado pelo toque do pandeiro, Ana cai bem no samba sincopado do mestre João Bosco, transitando à vontade por Linha de passe (João Bosco, Aldir Blanc e Paulo Emílio, 1979) e fazendo soar O ronco da cuíca (João Bosco e Aldir Blanc, 1975) como citação final do samba Nomes de favela (Paulo César Pinheiro, 2003). Ana toca (bem) violão - cabe enfatizar. Ela não arranha o instrumento como umas e outras. Tanto que a entrada em cena, na segunda metade do show, do músico baiano Mikael Mutti - para pilotar teclados e programações eletrônicas - é luxo do qual a cantora poderia abrir mão sem prejuízo da musicalidade de Solo. A sós com o violão, Ana dá voz a um Chico Buarque pouco ouvido - Cecília, parceria com Luiz Cláudio Ramos lançada pelo cantor no álbum As cidades (BMG, 1998) - e a um samba do parceiro Edu Krieger, Coluna social, lançado em disco por Pedro Miranda em 2009. A canção refinada de Chico arde de desejo sem sair do tempo de delicadeza que a pauta. O samba espirituoso de Krieger poderia ter brotado no fundo de um quintal carioca da década de 1980. Tão ardente quanto a maioria das canções a que dá voz grave e robusta, a cantora toma para si Canção e silêncio (Zé Manoel, 2015), que soa como se fosse de Ana, e dá show ao abordar O que é que há? (Fábio Jr. e Sérgio Sá, 1982) - novidade do roteiro na estreia carioca de Solo - com toque folk do violão. Em contrapartida, titubeia ao djavanear Um amor puro (Djavan, 1999) - música, aliás, menos sedutora da lavra fina do compositor de Alagoas. Apresentada como "música muito bonitinha", Hoje (Jefferson Junior e Umberto Tavares, 2014) - sucesso da funkeira carioca Ludmilla - mostrou que Ana sabe cair no suingue. Herança do show anterior #AC (2014), calcado no groove, Coração selvagem (Belchior, 1977) ainda bateu tão forte com Ana que arrepiou quando cantado com a intensidade diluída na gravação eternizada em disco. Com os beats eletrônicos programados por Mikael Mutti, Ana também deu o tom certo a Xeque-mate (Edu Krieger, 2015), música politizada que vai direto ao ponto, denunciando as contradições sociais de país em decomposição de valores. O tema caiu bem na voz de Ana Carolina, cantora que toma e assume posições em Solo, inclusive ao cantar, marota, o samba churrasqueiro Amiga da minha mulher (Seu Jorge, Gabriel Moura, Pretinho da Serrinha e Rogê, 2011). Entre baladas da própria lavra passional (agrupadas em pot-pourris), Ana Carolina fez Solo contundente na estreia no Rio, entrelaçando canções, discursos sobre a situação política do Brasil - reiteradas na paródia do Hino Nacional Brasileiro (Francisco Manuel da Silva e Osório Duque Estrada, 1822 / 1909) com versos indignados que sobram na métrica original - e pitos engraçados no técnico de som. A intimidade, no caso, parece ser total, ainda que Solo escape do enquadramento dos shows íntimos.

5 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Foi cantando baladas confessionais de tom ardente que Ana Carolina ganhou projeção nacional, a partir de 1999, e que se impôs como uma das grandes cantoras do Brasil do século XXI. Antes da fama, a artista mineira tocou nos bares da vida noturna da cidade natal de Juiz de Fora (MG), a sós com o violão que aprendeu a tocar (bem) com influências do som do conterrâneo João Bosco. Solo - show que Ana estreou ontem na cidade que a acolheu, o Rio de Janeiro (RJ), após ter feito apresentações por cidades do Sul, do Nordeste e de Minas Gerais - é anunciado como volta ao começo da vida da artista. Só que Ana já está no meio da estrada, um tanto desgastada como compositora na última década, mas sempre valorizada como cantora e com público fiel. Foi uma cantora que sabe lidar bem com a fama - e que sabe manipular a plateia de fãs inflamadas - que pisou no palco do Teatro Bradesco do Rio de Janeiro na noite de 21 de janeiro de 2016 para desfiar roteiro que entrelaça músicas da própria lavra com temas de compositores associados à MPB. Bem acomodada no banquinho, no qual toca violão alternado com guitarra eletroacústica, a cantora apresentou show que alinhou canções, discursos, piadas e broncas espirituosas no técnico de som (perfeito para o público, mas insatisfatório do ponto de audição da artista). Solo não chega a ser "show íntimo", como a artista o caracterizou nas primeiras falas da estreia carioca, até porque Ana Carolina é cantora expansiva, de tons fortes. Ana é a antítese do estereótipo da cantora tímida e de voz pequena do banquinho e do violão. A intimidade criada em cena na estreia carioca de Solo veio menos da musicalidade e do espaço do show (um luxuoso teatro de grandes proporções como o Teatro Bradesco do Rio) e mais da naturalidade com que a cantora se portou no palco, seja conversando com o público, fazendo discurso de tom político - em sintonia com a verborragia da letra de Qual é? (Ana Carolina), única inédita autoral do roteiro - ou desfiando o bom roteiro musical. Aliás, musicalmente, a cantora e instrumentista se garante. Com senso rítmico apurado pelo toque do pandeiro, Ana cai bem no samba sincopado do mestre João Bosco, transitando à vontade por Linha de passe (João Bosco, Aldir Blanc e Paulo Emílio, 1979) e fazendo soar O ronco da cuíca (João Bosco e Aldir Blanc, 1975) como citação final do samba Nomes de favela (Paulo César Pinheiro, 2003). Ana toca (bem) violão - cabe enfatizar. Ela não arranha o instrumento como umas e outras. Tanto que a entrada em cena, na segunda metade do show, do músico baiano Mikael Mutti - para pilotar teclados e programações eletrônicas - é luxo do qual a cantora poderia abrir mão sem prejuízo da musicalidade de Solo. A sós com o violão, Ana dá voz a um Chico Buarque pouco ouvido - Cecília, parceria com Luiz Cláudio Ramos lançada pelo cantor no álbum As cidades (BMG, 1998) - e a um samba do parceiro Edu Krieger, Coluna social, lançado em disco por Pedro Miranda em 2009. A canção refinada de Chico arde de desejo sem sair do tempo de delicadeza que a pauta. O samba espirituoso de Krieger poderia ter brotado no fundo de um quintal carioca da década de 1980. Tão ardente quanto a maioria das canções a que dá voz grave e robusta, a cantora toma para si Canção e silêncio (Zé Manoel, 2015), que soa como se fosse de Ana, e dá show ao abordar O que é que há? (Fábio Jr. e Sérgio Sá, 1982) - novidade do roteiro na estreia carioca de Solo - com toque folk do violão.

Mauro Ferreira disse...

Em contrapartida, titubeia ao djavanear Um amor puro (Djavan, 1999) - música, aliás, menos sedutora da lavra fina do compositor de Alagoas. Apresentada como "música muito bonitinha", Hoje (Jefferson Junior e Umberto Tavares, 2014) - sucesso da funkeira carioca Ludmilla - mostrou que Ana sabe cair no suingue. Herança do show anterior #AC (2014), calcado no groove, Coração selvagem (Belchior, 1977) ainda bateu tão forte com Ana que arrepiou quando cantado com a intensidade diluída na gravação eternizada em disco. Com os beats eletrônicos programados por Mikael Mutti, Ana também deu o tom certo a Xeque-mate (Edu Krieger, 2015), música politizada que vai direto ao ponto, denunciando as contradições sociais de país em decomposição de valores. O tema caiu bem na voz de Ana Carolina, cantora que toma e assume posições em Solo, inclusive ao cantar, marota, o samba churrasqueiro Amiga da minha mulher (Seu Jorge, Gabriel Moura, Pretinho da Serrinha e Rogê, 2011). Entre baladas da própria lavra passional (agrupadas em pot-pourris), Ana Carolina fez Solo contundente na estreia no Rio, entrelaçando canções, discursos sobre a situação política do Brasil - reiteradas na paródia do Hino Nacional Brasileiro (Francisco Manuel da Silva e Osório Duque Estrada, 1822 / 1909) com versos indignados que sobram na métrica original - e pitos engraçados no técnico de som. A intimidade, no caso, parece ser total, ainda que Solo escape do enquadramento dos shows íntimos.

Rhenan Soares disse...

Tô esperando um espetáculo da Ana nesse formato e com esse repertório há um tempinho já. Ainda não o vi ao vivo, mas tem bons vídeos na internet e desde as primeiras apresentações as reações têm sido positivas.

Certamente não é um show "íntimo" no consenso que o significado da palavra tem, mas para a Ana eu acredito que seja, sim, bastante íntimo. De modo que nem vou acusá-la de propaganda enganosa, rs. E não tem como, é uma diva no palco e uma legião de fãs na plateia. Logo, não poderia ser diferente, porque as coisas não ficam muito fáceis quando ela tenta transgredir essa postura.

Acho excelente que as casas do "Solo" sejam teatros, ainda que com grandes públicos. Talvez a Ana nunca tenha experimentado tanta atenção (e exposição, por consequência). O nível de histeria (em tudo) é razoavelmente menor.

"Um amor puro" me emociona demais. Gosto da interpretação da Ana. Achei melhor, inclusive, que a apropriação do "Canção e Silêncio" -- música que curto muito no sotaque do Zé Manoel, mas no disco dele acho a gravação da voz prejudicada. A versão da Ana é melhor que a do Felipe Catto e quase tão boa quanto a do Zé. Tem algo fora do tom, para mim, mas é um número bem bonito.

Continuo tendo ressalvas com o "Xeque-mate" do Edu, porque é bastante desconfortável ver homens falando de aborto como se fosse algo sobre eles. Na abordagem da Ana, entretanto, o discurso alcança mais legitimidade. Mas ainda julgo a letra como um pouco controversa. "Coluna Social", por sua vez, é ótima. Adoro! As observações políticas que seguem por todo o roteiro, aliás, são muito acertadas. E aqui incluo o "Amiga da minha mulher" do Seu Jorge. Amo quando a Ana não foge das canções com gênero.

Também amei a inclusão das músicas da Rita Lee no último medley. Não costumo gostar de ninguém cantando as músicas da Rita, mas a Ana acertou, para a minha total ausência de surpresa, haha! E, bem, não desse para entender perfeitamente a força (e necessidade, até) dos outros dois medleys de sucessos -- principalmente o que chamamos de "Medley da Porta", que existe desde 2007 -- eu os acharia desnecessários ao roteiro. Mas é isso aí, a Ana é a dona dos hits do Brasil, não dá para renunciá-los e deixar o público chateado.

Sobre os pitos com os técnicos de som... já dá um livro! Nem Bethânia é parâmetro mais. Tem algum agouro nessas máquinas, coitada. Tem que levar com bom humor mesmo.

No mais, a Ana é a cantora da minha vida, mas eu digo sem medo do ridículo que ainda está para nascer uma artista interessante em tantas facetas. Vou sempre endossar o público apaixonado e concordar com o locutor que anuncia o início das apresentações: "a melhor cantora do Brasil". Sem dúvidas. =)

Catia Barros disse...

Rhenan Soares a Ana tbm é a cantora da minha vida!!! E acho que tá para nascer uma artista tão completa como ela!! Dona de um talento ímpar! Ela já conquistou minha admiração pra sempre! *_*

Leonardo Barcelos disse...

Já que o tema é "a cantora da minha vida", vou dizer que pra mim Ana e Maria Rita tem uma disputa e tanto! Hahaha Mas sério, feliz com esse show, ótimo repertório, mensagens relevantes, acho que merecia uma estrela a mais até! Só discordo totalmente da sua visão de "Um amor puro", acho uma grande música do mestre Djavan, e gostei da interpretação da Ana. Pra mim 'Xeque mate' o é literalmente no repertório, que grande música, que acerto! Queria bastante que esse show ganhasse registro, pessoalmente acho o melhor show da Ana em anos.