Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Voz sentimental da década de 1970, Cláudia Barroso sai de cena aos 83 anos

Cláudia Barroso (23 de abril de 1932 - 9 de outubro de 2015) - a cantora e compositora mineira que saiu hoje de cena aos 83 anos em Fortaleza (CE), vítima de problemas respiratórios - foi uma das vozes da música sentimental rotulada como brega. Batizada Amélia Rocha Barroso quando veio ao mundo, na interiorana cidade de Pirapetinga (MG), a artista logo virou Cláudia Barroso quando começou sua carreira musical em 1957, de início cantando na noite. A cantora gravou seu primeiro disco em 1962, pela Odeon. Na sequência, contratada pela gravadora Fermata, lançou vários compactos com versões em português de sucessos estrangeiros. Mas o sucesso popular aconteceu mesmo para Cláudia Barroso a partir de 1971 quando ingressou na gravadora Continental e passou a dar voz a músicas de sua própria autoria, como A vida é mesmo assim e Quem mandou você errar, ambas lançadas em 1971. Em 1972, a cantora bisou o sucesso do ano anterior com a música Por Deus eu juro, lançada em LP e compacto. Cláudia Barroso viveu seu apogeu artístico e comercial ao longo dos anos 1970, gravando sucessivos álbuns pela Continental, quase todos batizados com seu nome artístico. Os títulos de músicas como Deixa meu marido em paz (Não perca seu tempo) - composição lançada pela cantora em disco de 1974 - já explicitam o tom direto e popular do repertório autoral da artista, voltado para crises conjugais e amores fracassados. A partir dos anos 1980, Cláudia Barroso passou a gravar discos com menos regularidade. Mas seu repertório e sua voz continuam vivos na memória do público que consumiu seus discos e músicas ao longo dos anos 1970.

10 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Cláudia Barroso (23 de abril de 1932 - 9 de outubro de 2015) - a cantora e compositora mineira que saiu hoje de cena aos 83 anos em Fortaleza (CE), vítima de problemas respiratórios - foi uma das vozes da música sentimental rotulada como brega. Batizada Amélia Rocha Barroso quando veio ao mundo, na cidade de Santo Antônio de Pádua (MG), a artista virou Cláudia Barroso quando começou sua carreira musical em 1957, de início cantando na noite. A cantora gravou seu primeiro disco em 1962, pela Odeon. Na sequência, contratada pela gravadora Fermata, lançou vários compactos com versões em português de sucessos estrangeiros. Mas o sucesso popular aconteceu mesmo para Cláudia Barroso a partir de 1971 quando ingressou na gravadora Continental e passou a dar voz a músicas de sua própria autoria, como A vida é mesmo assim e Quem mandou você errar, ambas lançadas em 1971. Em 1972, a cantora bisou o sucesso do ano anterior com a música Por Deus eu juro, lançada em LP e compacto. Cláudia Barroso viveu seu apogeu artístico e comercial ao longo dos anos 1970, gravando sucessivos álbuns pela Continental, quase todos batizados com seu nome artístico. Os títulos de músicas como Deixa meu marido em paz (Não perca seu tempo) - composição lançada pela cantora em disco de 1974 - já explicitam o tom direto e popular do repertório autoral da artista, voltado para crises conjugais e amores fracassados. A partir dos anos 1980, Cláudia Barroso passou a gravar discos com menos regularidade. Mas seu repertório e sua voz continuam vivos na memória do público que consumiu seus discos e músicas ao longo dos anos 1970.

Rafael M. disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
rogerio machado disse...

Meus Pêsames aos famíliares e aos fãs Claudia Barroso, nossa arte perde um grande valor!

Peço que corrija a localização de Santo Antônio de Pádua. Esta cidade se localiza no estado do Rio de Janeiro, não em Minas Gerais!

Mauro Silva disse...

"A vida é mesmo assim" é linda! Meus sentimentos e respeito a uma cantora que também contribuiu para a nossa música.

Alfredo Montebello disse...

Eu morava mo interior e lembro como aos 13,14,15 anos gostava e acompanhava a música de Cláudia Barroso, até que um dia ela fez um show na minha cidade. Nunca esqueci

Alfredo Montebello disse...

Eu morava numa cidade do interior e aos 13,14,15 anos gostava muito da música e da voz de Cláudia Barroso, até que um dia ele fez um show na minha cidade. Nunca esqueci.

Mauro Ferreira disse...

Tem razão, Rogério, obrigado.

Rafael M. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rafael M. disse...

Grande cantora que se vai, infelizmente nos últimos anos estava muito esquecida pela mídia e pelo público! Que descanse em paz.

ADEMAR AMANCIO disse...

Conheço muito pouco de Cláudia Barroso,só sei que tinha uma grande voz.