Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


terça-feira, 20 de outubro de 2015

Selo Discobertas encaixota álbuns lançados por Moreira por pequenos selos

Desde 2011, o selo Discobertas - do pesquisador musical carioca Marcelo Fróes - vem reeditando a discografia do cantor e compositor carioca Moreira da Silva (1902 - 2000) em série de caixas. As duas primeiras caixas - lançadas em 2011 e em 2012 - embalaram os álbuns editados por Kid Morengueira na extinta gravadora Odeon, entre 1958 e 1966. A terceira caixa, de 2013, agregou 47 raras gravações feitas na década de 1950 por Moreira para discos de 78 rotações por minutos. Quarta caixa dedicada pelo selo Discobertas à obra do pioneiro propagador do samba de breque, Sempre um sucesso (1967 - 1979) - posta no mercado fonográfico por Fróes neste mês de outubro de 2015 - dá continuidade à reedição da discografia de Moreira, embalando três álbuns até então obscuros e uma coletânea de gravações avulsas. Os álbuns foram gravados pelo artista em pequenos selos, após sua saída da Odeon na segunda metade da década de 1960. Os dois primeiros, O sucesso continua (1968) e Manchete do dia (1969), foram lançados originalmente pelo selo paulistano Cantagalo, sendo que, no primeiro álbum, Moreira regrava sambas que já havia lançado com sucesso nos anos 1950 e 1960. O terceiro álbum, 70 anos de samba, saiu em 1972 pela gravadora carioca Tropicana. O título se referia às sete décadas de vida festejadas por Moreira naquele ano de 1972. Já a compilação que completa a caixa, Raridades, agrega 17 gravações avulsas da discografia de Moreira, extraídas de projetos carnavalescos, de compactos e de discos de outros artistas nos quais o cantor figurou como convidado. A caixa é precioso item de colecionador.

5 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Desde 2011, o selo Discobertas - do pesquisador musical carioca Marcelo Fróes - vem reeditando a discografia do cantor e compositor carioca Moreira da Silva (1902 - 2000) em série de caixas. As duas primeiras caixas - lançadas em 2011 e em 2012 - embalaram os álbuns editados por Kid Morengueira na extinta gravadora Odeon, entre 1958 e 1966. A terceira caixa, de 2013, agregou 47 raras gravações feitas na década de 1950 por Moreira para discos de 78 rotações por minutos. Quarta caixa dedicada pelo selo Discobertas à obra do pioneiro propagador do samba de breque, Sempre um sucesso (1967 - 1979) - posta no mercado fonográfico por Fróes neste mês de outubro de 2015 - dá continuidade à reedição da discografia de Moreira, embalando três álbuns até então obscuros e uma coletânea de gravações avulsas. Os álbuns foram gravados pelo artista em pequenos selos, após sua saída da Odeon na segunda metade da década de 1960. Os dois primeiros, O sucesso continua (1968) e Manchete do dia (1969), foram lançados originalmente pelo selo paulistano Cantagalo, sendo que, no primeiro álbum, Moreira regrava sambas que já havia lançado com sucesso nos anos 1950 e 1960. O terceiro álbum, 70 anos de samba, saiu em 1972 pela gravadora carioca Tropicana. O título se referia às sete décadas de vida festejadas por Moreira naquele ano de 1972. Já a compilação que completa a caixa, Raridades, agrega 17 gravações avulsas da discografia de Moreira, extraídas de projetos carnavalescos, de compactos e de discos de outros artistas nos quais o cantor figurou como convidado. A caixa é precioso item de colecionador.

Natálio disse...

Gostaria que o Discobertas retomasse a discografia da Baby Consuelo. Eles já relançaram dois álbuns, de forma primorosa. O restante seria bem-vindo.

Rafael M. disse...

Grande lançamento do selo Discobertas. Grande Moreira da Silva!

[rafael ribeiro] disse...

...gostaria de ver os dois primeiros lps da Veronica Sabino relançados!

Marcelo Barbosa disse...

Vou comprar! Possuo as outras! Espero que o Marcelo possa um dia fazer o mesmo com a discografia de Jamelão e do saudoso Roberto Ribeiro.