Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Luiz Melodia reitera afeto pelo cancioneiro da Jovem Guarda no show 'Zerima'

O cancioneiro pueril da Jovem Guarda permanece enraizado na memória afetiva de Luiz Melodia, sobretudo o repertório gravado por Roberto Carlos no auge das tardes dominicais dos anos 1960, década em que o cantor capixaba foi o Rei da juventude no então emergente universo pop do Brasil. Desde que reviveu Negro gato (Getúlio Cortes, 1964) no álbum Nós (Warner, 1980), Melodia - que cantou Broto do Jacaré (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1964) em seu álbum Claro (Continental, 1987) - volta e meia dá sua voz aveludada a canções lançadas por Roberto no reinado da Jovem Guarda. No show Zerima, que chegou esta semana ao Rio de Janeiro (RJ) em apresentações agendadas no Theatro Net Rio para 7 e 8 de outubro de 2014, a pérola da Jovem Guarda cantada pelo artista carioca é Parei... olhei, música do compositor capixaba Rossini Pinto (1937 - 1985) lançada por Roberto no álbum Roberto Carlos canta para a juventude (CBS, 1965). Além de Parei... olhei, Melodia canta em cena - com arranjos do saxofonista Humberto Araújo, coprodutor do álbum Zerima (Som Livre, 2014) - músicas de seus álbuns dos anos 1970 e composições do recém-lançado CD homônimo do show, o primeiro disco de inéditas do artista em 13 anos. Na estreia carioca de Zerima, Melodia convidou seu filho, Mahal Reis, para inserir seu rap na versão funky do samba Maracangalha (Dorival Caymmi, 1956), reeditando no palco a intervenção do disco. Eis o rosário de pérolas negras desfiadas por Luiz Melodia - visto em foto de Mauro Ferreira - em 7 de outubro de 2014 na primeira das duas apresentações do (bom) show Zerima  no Theatro Net Rio, na cidade do Rio de Janeiro (RJ): 

1. Zerima (Luiz Melodia, 2014)
2. Dor de Carnaval (Luiz Melodia, 2014)
3. Cheia de graça (Luiz Melodia e Ricardo Augusto, 2014)
4. Cura (Luiz Melodia e Renato Piau, 2014)
5. Ébano (Luiz Melodia, 1975)
6. Nova era (Ivone Lara e Délcio Carvalho, 2004)
7. Vou com você (Luiz Melodia, 2014)
8. Papai do céu (Luiz Melodia, 2014)
9. Maracangalha (Dorival Caymmi, 1956) - com Luiz Mahal
10. Dores de amores (Luiz Melodia, 1978)
11. Frágil força (Luiz Melodia e Ricardo Augusto, 1985)
12. Pérola negra (Luiz Melodia, 1971)
13. Nanã (Coisa nº 5) (Moacir Santos, 1962) - banda sob a regência de Humberto Araújo
14. Parei... olhei (Rossini Pinto, 1965)
15. Congênito (Luiz Melodia, 1976)
16. Salve linda canção sem esperança (Luiz Melodia, 1974)
17. Vale quanto pesa (Luiz Melodia, 1973)
Bis:
18. Magrelinha (Luiz Melodia, 1973)
19. Estácio, holy Estácio (Luiz Melodia, 1972)

2 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ O cancioneiro da Jovem Guarda permanece enraizado na memória afetiva de Luiz Melodia, sobretudo o repertório gravado por Roberto Carlos no auge das tardes dominicais dos anos 1960, década em que o cantor capixaba foi o Rei da juventude no então emergente universo pop do Brasil. Desde que reviveu Negro gato (Getúlio Cortes, 1964) no álbum Nós (Warner, 1980), Melodia - que cantou Broto do Jacaré (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1964) em seu álbum Claro (Continental, 1987) - volta e meia dá sua voz aveludada a canções lançadas por Roberto no reinado da Jovem Guarda. No show Zerima, que chegou esta semana ao Rio de Janeiro (RJ) em apresentações agendadas no Theatro Net Rio para 7 e 8 de outubro de 2014, a pérola da Jovem Guarda cantada pelo artista carioca é Parei... olhei, música do compositor capixaba Rossini Pinto (1937 - 1985) lançada por Roberto no álbum Roberto Carlos canta para a juventude (CBS, 1965). Além de Parei... olhei, Melodia canta em cena - com arranjos do saxofonista Humberto Araújo, coprodutor do álbum Zerima (Som Livre, 2014) - músicas de seus álbuns dos anos 1970 e composições do recém-lançado CD homônimo do show, o primeiro disco de inéditas do artista em 13 anos. Na estreia carioca de Zerima, Melodia convidou seu filho, Mahal Reis, para inserir seu rap na versão funky do samba Maracangalha (Dorival Caymmi, 1956), reeditando no palco a intervenção do disco. Eis o rosário de pérolas negras desfiadas por Luiz Melodia - visto em foto de Mauro Ferreira - em 7 de outubro de 2014 na primeira das duas apresentações do show Zerima no Theatro Net Rio, no Rio de Janeiro (RJ):

1. Zerima (Luiz Melodia, 2014)
2. Dor de Carnaval (Luiz Melodia, 2014)
3. Cheia de graça (Luiz Melodia e Ricardo Augusto, 2014)
4. Cura (Luiz Melodia e Renato Piau, 2014)
5. Ébano (Luiz Melodia, 1975)
6. Nova era (Ivone Lara e Délcio Carvalho, 2004)
7. Vou com você (Luiz Melodia, 2014)
8. Papai do céu (Luiz Melodia, 2014)
9. Maracangalha (Dorival Caymmi, 1956) - com Luiz Mahal
10. Dores de amores (Luiz Melodia, 1978)
11. Frágil força (Luiz Melodia e Ricardo Augusto, 1985)
12. Pérola negra (Luiz Melodia, 1973)
13. Tema instrumental - banda sob a regência de Humberto Araújo
14. Parei... olhei (Rossini Pinto, 1965)
15. Congênito (Luiz Melodia, 1976)
16. Salve linda canção sem esperança (Luiz Melodia, 1974)
17. Vale quanto pesa (Luiz Melodia, 1973)
Bis:
18. Magrelinha (Luiz Melodia, 1973)
19. Estácio, holy Estácio (Luiz Melodia, 1972)

Mauro Silva disse...

Bela resenha Mauro! Vale lembrar também que o Luiz Melodia regravou no Acústico de 1999 "Quase fui lhe procurar"(Getúlio Cortes) lindíssima canção do antológico LP de 1968 do Roberto "O Inimitavél" que certamente faz parte da história da Jovem Guarda.Luiz Melodia é tudo de bom, ele transita por diversos segmentos musicais com muita leveza e originalidade. Salve Luiz Melodia :)