Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


domingo, 18 de dezembro de 2011

'Nada Mudou', 16º disco solo de Leonardo, cumpre o prometido no título

Resenha de CD
Título: Nada Mudou
Artista: Leonardo
Gravadora: Universal Music
Cotação: * *

Mesmo sem manter a popularidade e os picos de vendagens de discos dos anos 2000, Leonardo continua com regular carreira solo. Nada Mudou é o 16º título da discografia solo do cantor projetado na segunda metade da década de 80 em dupla sertaneja formada com seu irmão de Leandro (1961 - 1998). Como já avisa o título do disco produzido por Luiz Carlos Maluly, nada mudou no som do cantor, cuja voz chorosa se adequa perfeitamente ao tom lacrimejante de baladas como Refém (Neneo e Paulinho Resende) e Vida Nova, Novo Amor (Ray). A novidade - se é que se pode falar em novidade em disco do gênero - é versão bilíngue de Stand by me (Ben E. King, Jerry Leiber e Mike Stoller), música gravada por Ben E. King em 1960 e rebobinada com sucesso por John Lennon (1940 - 1980) em seu álbum de covers Rock'n'Roll (1975). Seguindo com fidelidade a receita pop sertaneja, Nada Mudou alterna triviais canções românticos com animados temas de tom forrozeiro, moldados para os arrasta-pés armados nos interiores do Brasil. Destes, o destaque é Beber, Beber (Elivandro Cuca, Raimundo Bahia e Guilherme Lopez). Já Homem É Que Nem Lata - faixa turbinada com palmas para simular clima festivo de gravação ao vivo - enfatiza o machismo latino-americano ao relacionar conquistas masculinas em giro pelo Brasil. Em rota diversa, a canção Ok - da lavra da cantora e compositora mineira Paula Fernandes, atual sensação do sertanejo pop - ainda esboça alguma sensibilidade ao falar de amor em melodia banal. Com arranjos que tentam fugir do tom pasteruizado de produções do gênero, o cantor entoa até versão em português de Quelq'un M'a Dit - canção da lavra de Carla Bruni que virou Baby, Fala pra Mim na letra assinada por Ivan Silva e Gilmara Lima  - sem alterar seu tom mecanizado. Parece que Leonardo bateu ponto no estúdio. Não, realmente nada mudou - e nem vai mudar... - na discografia solo do intérprete.

11 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Mesmo sem manter a popularidade e os picos de vendagens de discos dos anos 2000, Leonardo continua com regular carreira solo. Nada Mudou é o 16º título da discografia solo do cantor projetado na segunda metade da década de 80 em dupla sertaneja formada com seu irmão de Leandro (1961 - 1998). Como já avisa o título do disco produzido por Luiz Carlos Maluly, nada mudou no som do cantor, cuja voz chorosa se adequa perfeitamente ao tom lacrimejante de baladas como Refém (Neneo e Paulinho Resende) e Vida Nova, Novo Amor (Ray). A novidade - se é que se pode falar em novidade em disco do gênero - é versão bilíngue de Stand by me (Ben E. King, Jerry Leiber e Mike Stoller), música gravada por Ben E. King em 1960 e rebobinada com sucesso por John Lennon (1940 - 1980) em seu álbum de covers Rock'n'Roll (1975). Seguindo com fidelidade a receita pop sertaneja, Nada Mudou alterna triviais canções românticos com animados temas de tom forrozeiro, moldados para os arrasta-pés armados nos interiores do Brasil. Destes, o destaque é Beber, Beber (Elivandro Cuca, Raimundo Bahia e Guilherme Lopez). Já Homem É Que Nem Lata - faixa turbinada com palmas para simular clima festivo de gravação ao vivo - enfatiza o machismo latino-americano ao relacionar conquistas masculinas em giro pelo Brasil. Em rota diversa, a canção Ok - da lavra da cantora e compositora mineira Paula Fernandes, atual sensação do sertanejo pop - ainda esboça alguma sensibilidade ao falar de amor em melodia banal. Com arranjos que tentam fugir do tom pasteruizado de produções do gênero, o cantor entoa até versão em português de Quelq'un M'a Dit - canção da lavra de Carla Bruni que virou Baby, Fala pra Mim na letra assinada por Ivan Silva e Gilmara Lima - sem alterar seu tom mecanizado. Parece que Leonardo bateu ponto no estúdio. Não, realmente nada mudou - e nem vai mudar... - na discografia solo do intérprete.

Maria disse...

coraaaaaaaaaaaaaaagemmmmmmmmmmm

Lui disse...

nossa, como alguem pode ouvir um disco desse? isso prova que temos gosto pra tudo, ou seja, tem espaço pra todos

Eduardo Cáffaro disse...

devia chamar TUDO INGUAL com participação da Edinéia macedo.

Anônimo disse...

E alguem por um leve momento loucura pensou que mudaria algo tão absurdo de ruim que esse homem cantando...uma coisa que ele chama de música e diz ser sertanejo...pode parar.

Eduado Mezzonato disse...

Hoje, o povo que mora no interior do Brasil e as camadas mais baixas das grandes cidades, é que são os fãs dele. Infelizmente, artistas bons (e poucos conçhecidos) não se podem dar ao luxo de se apresentarem em pequenas cidades. Até porque não tem público suficiente, e isso implicaria em prejuízo. Aí o que sobra, são artistas sertanejos que fazem a alegria d povão Brasil a fora. Acho que Leonardo deveria cantar músicas antigas como moda de viola, cowntry folk e afins. Deveria tentar seguir outro rumo. A versão da Carla Bruni ficou muito ruim. Graças a Deus não consumo esse tipo de música e tenho pena daqueles que moram no interior e são reféns das rádios ruins espalhadas por aí repletas de jabás.

Unknown disse...

Eduardo, discordo de você de que quem ouve esse tipo de música é apenas gente do interior do Brasil e das camadas mais baixas. O mal gosto está disseminado em todas as camadas da sociedade. Não é privilégio dos menos abastados. Conheço muito, mas muito mesmo "bacana" com gosto musical duvidoso. Da forma como você afirmou, parece puro preconceito.

Marcelo disse...

Concordo com o Eduardo. Estamos falando de regra e não exceção. E não é preconceito. É realidade. Agora TUDO é taxado de preconceito!! Caraca!! Isso já encheu!!! E esse Leonardo, é uma desgraça assim como tantas outras q assolam nosso País há décadas!!!

Rômulo K disse...

Discordo em partes dos comentários acima, acho o Leonardo um excelente cantor, porém em constante decadência, na época do Leandro e Leonardo a sua voz única somada a segunda voz do Leandro, faziam boas músicas. Mas realmente a cachaça tem feito da carreira solo do Leonardo uma tristeza só.

isac disse...

leonardo é o melhor cantor do Brasil, e vocês são todos invejosos e desagradáveis, e vejam que não cometi nenhum erro de português, se é que algum de vocês conseguem percerber o que é erro de português, pois os comentaristas acima estão mal de português, voltem prá escola pelo amor de Deus

isac disse...

Leonardo é o melhor cantor do Brasil, e os comentaristas acima nao sabem nem escrever direito, imagina se tem moral para criticar algum artista, voltem para escola pelo amor de Deus