Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quinta-feira, 19 de junho de 2014

No melhor registro de show, Ivete faz a festa rolar com coerência e animação

Resenha de CD e DVD
Título: Multishow ao vivo - Ivete Sangalo 20 anos
Artista: Ivete Sangalo
Gravadora: Universal Music
Cotação: * * * 1/2

 "O nosso show nunca acaba", contemporiza Ivete Sangalo para o público que encheu a Arena Fonte Nova, em Salvador (BA), na noite de 14 de dezembro de 2013, para assistir à gravação ao vivo do show comemorativo dos 20 anos de carreira da cantora baiana. Dita ao fim da apresentação, encerrada com diluidora abordagem da canção Careless whisper (George Michael e Andrew Ridgeley, 1984), hit do duo britânico Wham!, a frase diz muito sobre a natureza festiva da música e da carreira fonográfica de Ivete. Cantora que sempre abriu mão de conceitos em favor de um repertório populista, concebido para fazer rolar a festa, Ivete surpreende positivamente nesta gravação ao vivo, editada em CD, em DVD simples e em DVD duplo (formato que reproduz o show completo, com as 43 músicas do roteiro condensadas em 30 números musicais). Multishow ao vivo - Ivete Sangalo 20 anos é o melhor registro de show da estrela da música rotulada como axé music - gênero, aliás, que nem sempre se ajusta a um repertório pop que inclui até samba em clima de gafieira - Me engana que eu gosto (Gigi, Radamés Venâncio e Ivete Sangalo), uma das inéditas do roteiro, gravada em dueto expansivo com o cantor mineiro Alexandre Pires - entre reggaes e românticas baladas como a resignada Só num sonho (Ivete Sangalo, Radamés Venâncio e Gigi, 2012). Tanto do ponto vista técnico quanto musical, o DVD faz jus à importância da artista no mercado musical brasileiro. Feita sob a direção de Nick Wichham, a primorosa filmagem consegue captar a grandiosidade da produção sem distanciar a cantora do espectador que vê o show pela tela da TV. Diferentemente do megalomaníaco Multishow ao vivo - Ivete Sangalo no Madison Square Garden (Universal Music, 2010), pontuado por momentos e figurinos bizarros, o espetáculo dos 20 anos tem mais foco, mais coerência com a trajetória seguida por Ivete nessas duas décadas de carreira - período que abarca também os anos vividos como vocalista da Banda Eva -  e está mais em sintonia com a personalidade carismática de Ivete (inclusive nos figurinos, adequados). Com habilidade, o roteiro entrelaça os hits inevitáveis - como Festa (Anderson Cunha, 2001), Sorte grande (Lourenço, 2003) e Flor do reggae (Ivete Sangalo, Gigi e Fabinho O'Brian, 2004) - com inéditas e covers de sucessos alheios. Pautada pela diversidade rítmica que norteia o repertório de Ivete nos últimos dez anos, a safra de inéditas inclui como de hábito axés moldados para micaretas e trios - casos da agalopada Obediente (Adson Rocha, Sergio Rocha e Zeca Brasileiro) e de Pra frente, composição de Gigi, Magno Sant'Anna e Filipe Scandurras, o mesmo trio que compôs a vibrante Tempo de alegria, música lançada de forma avulsa em novembro de 2013. Embora realmente feito em tempo de alegria, há espaço até para um tema que esboça atmosfera de romantismo vintage, Beijos de hortelã (Liah Soares), de gosto ideal para o público pouco exigente da artista. Mais voltada para as raízes da música afro-pop-baiana, Ivete também se banha - sem efetivamente se molhar muito - na praia do reggae com canções levadas na cadência do ritmo jamaicano, como Amor que não sai (Gigi e Dan Kambaiah) e Pra você (Ivete Sangalo e Gigi). Gravada por Ivete em dueto com Bell Marques, cantor baiano recém-saído do posto de vocalista da banda Chiclete com Banana, Pra você é exemplo da arquitetura simplória do cancioneiro autoral de Ivete, construído sobre bases pouco sólidas, mas que cai bem na voz e no show da cantora. E por falar em reggae, o rei Bob Marley (1945 - 1981) é celebrado pelas regravações de Could you be loved (Bob Marley, 1980) - feita com Ivete em insosso dueto com Alexandre Carlo, vocalista da banda brasiliense Natiruts - e Master blaster (Jammin), música de 1980, composta e lançada pelo norte-americano Stevie Wonder em tributo a Marley. Ivete canta melhor em português. E por falar nisso e em lendas do soul dos EUA, Ivete embarca com Saulo Fernandes em registro sem alma de Cruisin' (Smokey Robinson e Marvin Tarplin, 1979), obra-prima do cantor norte-americano Smokey Robinson. Em contrapartida, a cantora cai apoteótica no samba-reggae. A lembrança de Adeus, bye, bye (Jucy Pinta, Chico Santana e Guiguio) - sucesso do primeiro álbum da Banda Eva - é momento iluminado da festa dos 20 anos. O figurino de baiana e a projeção de igreja no monumental telão de LED, nesse número, mostra que - a despeito de todo o preconceito - a música rotulada como axé music também tem momentos sagrados. O que justifica a gratidão de Muito obrigado, axé (Carlinhos Brown, 2009), expressada no mesmo cenário e no mesmo clima por Ivete. Ainda nesse clima de raiz, os tambores ressoam fortes como a animação da cantora no majestoso medley que junta Faraó, divindade do Egito (Luciano Gomes, 1987), Ladeira do Pelô (Betão, 1987) e Doce obsessão (Cabral e Carlinhos Dias, 1992), sucesso da melhor fase da banda baiana Cheiro de Amor (a da vocalista Márcia Freire). Introduzida por performance do Stomp!, o grupo inglês que tira sons percussivos de pés, baldes e vassouras, No meio do povão (Rubem Tavares e Jorginho, 2012) reitera o fato de, em cena, Ivete jogar o tempo todo para sua galera. Festa de sons, luzes e cores, a gravação ao vivo eternizada no DVD Multishow ao vivo Ivete Sangalo 20 anos é retrato fiel de bem-sucedida artista de 42 anos ainda em pleno domínio da voz - bela e afinada, o que não impede umas e outras interpretações mais largadas - e do carisma que sempre impulsionou a carreira. Se você é fã de Ivete Sangalo, pode entrar que a festa vista no DVD é sua...

14 comentários:

Mauro Ferreira disse...

"O nosso show nunca acaba", contemporiza Ivete Sangalo para o público que encheu a Arena Fonte Nova, em Salvador (BA), na noite de 14 de dezembro de 2013, para assistir à gravação ao vivo do show comemorativo dos 20 anos de carreira da cantora baiana. Dita ao fim da apresentação, encerrada com diluidora abordagem da canção Careless whisper (George Michael e Andrew Ridgeley, 1984), hit do duo britânico Wham!, a frase diz muito sobre a natureza festiva da música e da carreira fonográfica de Ivete. Cantora que sempre abriu mão de conceitos em favor de repertório populista, concebido para fazer rolar a festa, Ivete surpreende positivamente nesta gravação ao vivo, editada em CD, em DVD simples e em DVD duplo (formato que reproduz o show completo, com as 43 músicas do roteiro condensadas em 30 números musicais). Multishow ao vivo - Ivete Sangalo 20 anos é o melhor registro de show da estrela da música rotulada como axé music - gênero, aliás, que nem sempre se ajusta a um repertório pop que inclui até samba em clima de gafieira, Me engana que eu gosto (Gigi, Radamés Venâncio e Ivete Sangalo), uma das inéditas do roteiro, gravada em dueto expansivo com o cantor mineiro Alexandre Pires. Tanto do ponto vista técnico quanto musical, o DVD faz jus à importância da artista no mercado musical brasileiro. Feita sob a direção de Nick Wichham, a primorosa filmagem consegue captar a grandiosidade da produção sem distanciar a cantora do espectador que vê o show pela tela da TV. Diferentemente do megalomaníaco Multishow ao vivo - Ivete Sangalo no Madison Square Garden (Universal Music, 2010), pontuado por momentos e figurinos bizarros, o espetáculo dos 20 anos tem mais foco, mais coerência com a trajetória seguida por Ivete nessas duas décadas de carreira - período que abarca também os anos vividos como vocalista da Banda Eva - e está mais em sintonia com a personalidade carismática de Ivete (inclusive nos figurinos). Com habilidade, o roteiro entrelaça os hits inevitáveis - como Festa (Anderson Cunha, 2001), Sorte grande (Lourenço, 2003) e Flor do reggae (Ivete Sangalo, Gigi e Fabinho O'Brian, 2004) - com inéditas e covers de sucessos alheios. Pautada pela diversidade rítmica que norteia o repertório de Ivete nos últimos dez anos, a safra de inéditas inclui desde românticas baladas como a resignada Só num sonho (Ivete Sangalo, Radamés Venâncio e Gigi) até axés moldados para micaretas e trios - casos da agalopada Obediente (Adson Rocha, Sergio Rocha e Zeca Brasileiro) e de Pra frente, composição de Gigi, Magno Sant'Anna e Filipe Scandurras, o mesmo trio que compôs a vibrante Tempo de alegria, música lançada de forma avulsa em novembro de 2013. Embora realmente feito em tempo de alegria, há espaço até para um tema que esboça atmosfera de romantismo vintage, Beijos de hortelã (Liah Soares), de gosto ideal para o público pouco exigente da artista. Mais voltada para as raízes da música afro-pop-baiana, Ivete também se banha - sem efetivamente se molhar muito - na praia do reggae com canções levadas na cadência do ritmo jamaicano, como Amor que não sai (Gigi e Dan Kambaiah) e Pra você (Ivete Sangalo e Gigi). Gravada por Ivete em dueto com Bell Marques, cantor baiano recém-saído do posto de vocalista da banda Chiclete com Banana, Pra você é exemplo da arquitetura simplória do cancioneiro autoral de Ivete, construído sobre bases pouco sólidas, mas que cai bem na voz e no show da cantora.

Mauro Ferreira disse...

E por falar em reggae, o rei Bob Marley (1945 - 1981) é celebrado pelas regravações de Could you be loved (Bob Marley, 1980) - feita com Ivete em insosso dueto com Alexandre Carlo, vocalista da banda brasiliense Natiruts - e Master blaster (Jammin), música de 1980, composta e lançada pelo norte-americano Stevie Wonder em tributo a Marley. E por falar em lendas do soul dos EUA, Ivete embarca com Saulo Fernandes em registro sem alma de Cruisin' (Smokey Robinson e Marvin Tarplin, 1979), obra-prima do cantor norte-americano Smokey Robinson. Em contrapartida, a cantora cai apoteótica no samba-reggae. A lembrança de Adeus, bye, bye (Jucy Pinta, Chico Santana e Guiguio) - sucesso do primeiro álbum da Banda Eva - é momento iluminado da festa dos 20 anos. O figurino de baiana e a projeção de igreja no monumental telão de LED, nesse número, mostra que - a despeito de todo o preconceito - a música rotulada como axé music também tem momentos sagrados. O que justifica a gratidão de Muito obrigado, axé (Carlinhos Brown, 2009), expressada no mesmo cenário e no mesmo clima por Ivete. Ainda nesse clima de raiz, os tambores ressoam fortes como a animação da cantora no majestoso medley que junta Faraó, divindade do Egito (Luciano Gomes, 1987), Ladeira do Pelô (Betão, 1987) e Doce obsessão (Cabral e Carlinhos Dias, 1992), sucesso da melhor fase da banda baiana Cheiro de Amor (a da vocalista Márcia Freire). Introduzida por performance do Stomp!, o grupo inglês que tira sons percussivos de pés, baldes e vassouras, No meio do povão (Rubem Tavares e Jorginho, 2012) reitera o fato de, em cena, Ivete jogar o tempo todo para sua galera. Festa de sons, luzes e cores, a boa gravação ao vivo eternizada no DVD Multishow ao vivo - Ivete Sangalo 20 anos é retrato fiel de uma bem-sucedida artista de 42 anos ainda em pleno domínio da voz - bela e afinada, o que não impede algumas interpretações mais largadas - e do carisma que sempre impulsionou sua carreira. Se você é fã de Ivete Sangalo, pode entrar que a festa exibida nesse DVD é sua...

Fabricio Ferrarez disse...

Só para corrigir:

1- A música Só Num Sonho não é uma inédita, ela está presente no cd Real Fantasia.

2- Pra Você (Ivete e Bell) não é um reggae, mas um axé. Um axé inclusive bem no estilo das músicas do Chiclete com Banana. É clara a homenagem ao cantor, que Ivete sempre se declarou fã.

3- Chamar o melhor dueto de insosso foi o fim da picada. Por sinal, a sintonia foi tão grande que foi o único dueto não regravado no dia.

Fabricio Ferrarez disse...

Só para corrigir:

1- A música Só Num Sonho não é uma inédita, ela está presente no cd Real Fantasia.

2- Pra Você (Ivete e Bell) não é um reggae, mas um axé. Um axé inclusive bem no estilo das músicas do Chiclete com Banana. É clara a homenagem ao cantor, que Ivete sempre se declarou fã.

3- Chamar o melhor dueto de insosso foi o fim da picada. Por sinal, a sintonia foi tão grande que foi o único dueto não regravado no dia.

O fantástico mundo de Maycon disse...

Gosto de Ivete muito mais por sua personalidade, do que por sua música. Mas acho que já passou da hora dela se reinventar e fazer algo novo. Num espaço de 10 anos, foram 4 DVDs de caráter retrospectivo, isso para alguém que tem só 20 anos de carreira. Talvez uma pausa em sua carreira depois da turnê dos 20 anos e um disco de inéditas fariam bem a ela e aos seus fãs.

Mauro Ferreira disse...

Fabrício, grato por avisar que a balada 'Só num sonho' é do 'Real fantasia'. Abs, MauroF

Gabriel Milton disse...

Bela crítica! Gostei muito do comentário sobre o dueto com Alexandre Carlo. Realmente não ficou bom (mas todo Dvd de tem um dueto ruim). Mesmo sendo um Dvd comemorativo, fico achando o DVD do madison o maior feito da cantora, mas a verdadeira Ivete estava nesse show 20 anos!

Leandro.F disse...

Mauro, sabe dizer se haverá lançamento em blu-ray? Isso de partir o show em dois DVDs é totalmente descabido nos dias de hoje.
Obrigado desde já!

Mauro Ferreira disse...

Sim, Leandro, a gravação ao vivo será editada em blu-ray. Abs, MauroF

Jhow Peres disse...

Mauro, concordo com tudo o que você disse. Mas achei equivocado você dizer que o dueto com Alexandre Carlo é insosso. Desde o Pode Entrar, Ivete não fazia um dueto bom como esse. Acredito que você devia rever isso.

razón disse...

Mauro, você tenta, mas não consegue esconder a antipatia por Ivete e isso faz com que não seja profissional.

Lucas Macedo disse...

fiquei surpreso com mauro elogiando ivete,e realmente e m belo dvd.

Lucas Macedo disse...

fiquei surpreso com mauro elogiando ivete,e realmente e m belo dvd.

Mauro Silva disse...

Mauro, eu não sinto sinceridade neste seu texto :(