Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Fenômeno comercial, álbum 'Supernova' expõe a trivialidade da banda Malta

Lançado neste mês de setembro de 2014 pela gravadora Som Livre, o primeiro álbum da banda Malta, Supernova, já é um sucesso de vendas, já tendo feito jus a um Disco de Ouro pelos padrões atuais da Associação Brasileira de Produtores de Discos (ABPD). Consta que 40 mil cópias foram comercializadas somente no primeiro dia do álbum no mercado fonográfico. Bissexto em tempos de pirataria física e virtual, o sucesso comercial de Supernova é decorrente da popularidade obtida pelo quarteto paulistano - formado em setembro de 2013 por Adriano Daga (bateria), Bruno Boncini (voz), Diego Lopes (baixo) e Thor Moraes (guitarra) - na primeira temporada do reality show Superstar (TV Globo, 2014), da qual se sagrou vitorioso. No disco, a Malta registra músicas que apresentou no programa - casos do rock Entre nós dois (Bruno Boncini) e da balada Diz pra mim (Bruno Boncini), atual single promocional do álbum - entre composições totalmente inéditas como Cala a tua boca na minha e Vai ser assim, assinadas pelo vocalista Bruno Boncini. Com assepsia técnica, o álbum Supernova - produzido pelo baterista Adriano Daga, com coprodução de Brendan Duffey - expõe entre rocks e baladas a trivialidade do som popular da Malta, banda sem identidade que reprocessa (mal) influências de grupos como o canadense Nickelback e o brasileiro Roupa Nova.

15 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Lançado neste mês de setembro de 2014 pela gravadora Som Livre, o primeiro álbum da banda Malta, Supernova, já é um sucesso de vendas, já tendo feito jus a um Disco de Ouro pelos padrões atuais da Associação Brasileira de Produtores de Discos (ABPD). Consta que 40 mil cópias foram comercializadas somente no primeiro dia do álbum no mercado fonográfico. Bissexto em tempos de pirataria física e virtual, o sucesso comercial de Supernova é decorrente da popularidade obtida pelo quarteto paulistano - formado em setembro de 2013 por Adriano Daga (bateria), Bruno Boncini (voz), Diego Lopes (baixo) e Thor Moraes (guitarra) - na primeira temporada do reality show Superstar (TV Globo, 2014), da qual se sagrou vitorioso. No disco, a Malta registra músicas que apresentou no programa - casos do rock Entre nós dois (Bruno Doncini) e da balada Diz pra mim (Bruno Doncini), atual single promocional do álbum - entre composições totalmente inéditas como Cala a tua boca na minha e Vai ser assim, assinadas pelo vocalista Bruno Boncini. Com assepsia técnica, o álbum Supernova - produzido pelo baterista Adriano Daga, com coprodução de Brendan Duffey - expõe entre rocks e baladas a trivialidade do som da Malta, banda sem identidade que reprocessa (mal) influências de grupos como o canadense Nickelback e o brasileiro Roupa Nova.

Luca disse...

esse é o povo brasileiro teleguiado, triste

Vitor Salz disse...

Acompanhei toda a temporada do programa "Superstar" e desde a primeira apresentação da banda até a ultima, onde se consagrou campeã, justamente o que me impressionou foi a personalidade vocal e autoral da MALTA. Vale lembrar que eles foram a primeira banda a se apresentar no programa, tamanha a responsabilidade, visto que outras eram tão talentosas quanto. Enfim, Mauro, respeito a sua opinião, mas discordo contigo quando se refere a MALTA como uma "banda sem identidade que reprocessa (mal) influências de grupos como o canadense Nickelback e o brasileiro Roupa Nova". Nem de longe, a sonoridade deles se aproxima do Roupa Nova. É, sem dúvida, uma outra vibe.

Alan disse...

Eu achei esse álbum simplesmente normal. E nada mais. Não revoluciona mas também não é ruim.

DASFEG disse...

filho comparar malta com nickelback ... 60% do nickel é teclado e sintetizador ... que a malta nem usa ... falasse do daughtry que pelo menos parece ... roupa nova? so rindo ...zero p essa porcaria de critica

guia bairro disse...

Ai eu me pergunto..o crítico é compositor? Cantor? Não entendo como quem não é nada em termos músicas vira crítico musical

noca disse...

E muito mais digno e confiavel que um critico nao seja um profissional da area que comenta e que direciona seu olhar.Poderia parecer mais tendencioso ainda,mesmo que fosse um artista ecletississimo.Ate mesmo porque esse distanciamento,alem de fundamental,nao configura jamais falta de sensibilidade e entendimento musical.

ADEMAR AMANCIO disse...

Em tese,o artista é a antítese do crítico.Enquanto o primeiro é basicamente intuição e emoção,o segundo, é só teoria.

Edimar Pereira disse...

Queria fazer isso não, mas vou fazer: as músicas são de Bruno Boncini, o cantor. Hummmmm esse grupo não vai longe! Mês que vem o cara deixa a banda para a clássica carreira solo!

Carla Mariana disse...

Prefiro os gritos do João Gordo e Max Cavaleira me soam mais originais. Essa banda parece aquelas que explodiram nos final dos anos 90...chata demais

Heraldo Espindola disse...

Nickelback à base de teclado e sintetizador? Onde? Em que disco? Banda requentadora de coisa manjada. Banda para mulher apaixonada ouvir... não vai longe.

walter carvalho disse...

Aaaaeeerrrggghhhh, preferir João Gordo e Max Cavalera é duro hein....tudo um lixo musical só !!

Jamille Sousa disse...

Mauro, na minha opinião, trivial mesmo foi sua crítica ao álbum. Não vejo no teu texto argumentos que me expliquem e convençam da tua postura negativa com relação a ele. Parece que você só quer dizer que a banda não é boa e ponto. Faltou mostrar através do conhecimento musical que supostamente você tem, o porquê da tua crítica negativa.

Jamille Sousa disse...

Mauro, na minha opinião, trivial mesmo foi sua crítica ao álbum. Não vejo no teu texto argumentos que me expliquem e convençam da tua postura negativa com relação a ele. Parece que você só quer dizer que a banda não é boa e ponto. Faltou mostrar através do conhecimento musical que supostamente você tem, o porquê da tua crítica negativa.

Jamille Sousa disse...

Mauro, na minha opinião, trivial mesmo foi sua crítica ao álbum. Não vejo no teu texto argumentos que me expliquem e convençam da tua postura negativa com relação a ele. Parece que você só quer dizer que a banda não é boa e ponto. Faltou mostrar através do conhecimento musical que supostamente você tem, o porquê da tua crítica negativa.