Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


domingo, 30 de março de 2014

Eis a capa de 'Raiz', CD de Joyce que vai ser lançado em junho no Japão

Esta é a capa de Raiz, CD de bossa nova gravado por Joyce Moreno em fevereiro deste ano de 2014, no Rio de Janeiro (RJ), para o mercado japonês. O disco - gravado pela cantora, compositora e violonista carioca com os músicos Hélio Alves (piano), Rodolfo Stroeter (baixo) e Tutty Moreno (bateria) - tem lançamento agendado para 14 de junho pelo selo Omagatoki. O repertório - divulgado pela artista antes das gravações em seu blog Outras bossas - inclui músicas como Cartão de visita (Carlos Lyra e Vinicius de Moraes, 1964), Desafinado (Antonio Carlos Jobim e Newton Mendonça, 1959), Madame quer sambar (Roberto Menescal, Carlos Lyra e Joyce Moreno, 2013), O barquinho (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli, 1961), O morro não tem vez (Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes, 1963) e Tamba (Luiz Eça, 1952). Luxo só!

12 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Esta é a capa de Raiz, CD de bossa nova gravado por Joyce Moreno em fevereiro deste ano de 2014, no Rio de Janeiro (RJ), para o mercado japonês. O disco - gravado pela cantora, compositora e violonista carioca com os músicos Hélio Alves (piano), Rodolfo Stroeter (baixo) e Tutty Moreno (bateria) - tem lançamento agendado para 14 de junho pelo selo Omagatoki. O repertório - divulgado pela artista antes das gravações em seu blog Outras bossas - inclui músicas como Cartão de visita (Carlos Lyra e Vinicius de Moraes, 1964), Desafinado (Antonio Carlos Jobim e Newton Mendonça, 1959), Madame quer sambar (Roberto Menescal, Carlos Lyra e Joyce Moreno, 2013), O barquinho (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli, 1961), O morro não tem vez (Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes, 1963) e Tamba (Luiz Eça, 1952). Luxo só!

Rafael M. disse...

Capa simples, porém bela. É uma pena que os discos da Joyce sejam lançados sempre primeiramente no JHapão do que no Brasil.

Rafael M. disse...

Vi o repertório no site da Joyce e achei sensacional. Esse disco tem tudo para bombar... Tomara que seja lançado em breve no Brasil... Espero que lancem tão brevemente também o "Rio de Janeiro".

Toninho Lima disse...

Luxo só mesmo! Joyce continua surpreendendo. Quanta sensibilidade, inspiração e paixão pela MPB!

Mais uma vez o Japão sai na frente. Tomara que também seja lançado por aqui, nem que seja daqui a dois anos, como foi com o "Tudo".

No início deste ano foram lançados em CD no Japão vários discos históricos da Bossa Nova na década de 60 (João Mello & Tamba Trio, Luiz Henrique, etc) e outros nunca lançados em CD por aqui: Marília Medalha, Antônio Adolfo e o box com 7 CDs da Claudette Soares.

Viva o Japão! :)

Luca disse...

viva JOyce e seus grandes discos que esse Brasil pequeninino não ouve..agora essa capa nada a ver.. o que tem de raiz aí?

lurian disse...

Enquanto muitos medalhões da música brasileira descansam em berço esplêndido, Joyce está ai a todo gás, todo sólido e todo líquido. 2 discos deverão sair esse ano. Essa benção à Bossa Nova e um de inéditas. Quanta disposição e talento!

Clayton Moreira disse...

Mais um tributo de Joyce à bossa nova... Cadê a surpresa? A bossa é a eterna tábua de salvação de artistas que atravessam momentos de seca criativa!

Marcelo disse...

Joyce é tudo de bom...sempre. Capa e repertório de bom gosto e qualidade!!!!

O blog disse...

Gosto muito da Joyce, o repertório está bom, mas cadê a criatividade? Cadê músicas do cacife de Clareana, Feminina? Os medalhões da nossa MPB estão gravando discos horríveis, salvo algumas ecseções.

Rafael M. disse...

Não concordo que Joyce esteja enfrentando período de entressafra criativa. Ela é uma excelente compositora, e isso está provado no excelente disco autoral de inéditas, o "Tudo" que é tudo de bom mesmo. Que mal há dela em regravar bossas antigas? Se são músicas que ficaram e ficam no imaginário popular de tão boas e impactantes que são, naõ vejo nada de mal nisso. Salve Joyce e a sua boa música!

Marcelo disse...

Antes uma antiga e boa bossa do que essas desgraceiras que aparecem na mídia e na cena indie que o Mauro adora citar!!!!!

tony disse...

ACHO QUE ELA TA CERTA O NIVEL MUSICAL DELA O POVO BRASILEIRO NÃO ACOMPANHA . E SO VER QUEM FAZ SHOW HOJE NA TV .