Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sábado, 29 de março de 2014

'Asas do etéreo' mostra que Tetê ainda guarda uns pássaros na garganta

Resenha de CD
Título: Asas do etéreo
Artista: Tetê Espíndola
Gravadora: Selo Sesc
Cotação: * * * *
Álbum comercializado em edição dupla que inclui o álbum Pássaros da garganta (1982)

Tetê Espíndola ainda guarda pássaros na garganta privilegiada. Basta ouvir Passarinhão (Tetê Espíndola e Marta Catunda, 2006) - música que abre Asas do etéreo, o primeiro álbum de inéditas da artista de Mato Grosso desde E va por ar (Luz Azul, 2007) - para perceber a revoada que sai em disparada. Comercializado pelo Selo Sesc em luxuosa edição dupla que inclui o álbum Pássaros da garganta (Som da Gente, 1982), clássico da discografia de Tetê pela primeira vez reeditado em CD, Asas do etéreo voa com segurança pelo universo habitual do som da cantora e compositora. O diálogo com o disco de 1982 é feito através da craviola - instrumento de 12 cordas criado por Paulinho Nogueira que funde o cravo com a viola caipira e cujo som é recorrente nos dois álbuns - e da evocação de sons de um Brasil de dentro. Grande parte da obra de Tetê está enraizada no sertão do Centro-Oeste, na Chapada dos Guimarães (MT), em conexão com matas, bichos, rios e cachoeiras. É com os pés nesse solo de natureza tão rica que Asas do etéreo voa mais alto em canções Acácias (Tetê Espíndola e Marta Catunda, 2011) - música gravada com o piano límpido de Egberto Gismonti - e Trigo do amor (Tetê Espíndola, 1984), faixa na qual o cantor e compositor paulista Dani Black (filho de Tetê) toca guitarra acústica e faz contracanto que valoriza a gravação. A seleção de canções autorais - compostas por Tetê em diversas épocas - é boa, tirando do baú algumas joias, como a bela música-título Asas do etéreo (Tetê Espíndola, 2011), gravada no tempo de delicadeza que pontua o disco produzido por Tetê com Paulo LePetit, dono do contrabaixo ouvido em Canção (Tetê e Bené Fonteles, 2008). A adesão de instrumentistas diferentes em cada faixa torna o disco mais especial. O toque personalíssimo do trombone de Bocato dá o colorido de Amarelando (Tetê Espíndola, 1987), composição que pode ser caracterizada como canção romântica dentro do espírito indomado da música de Tetê. Ninguém menos do que Hermeto Pascoal toca escaleta em Crisálida-borboleta (Tetê Espíndola e Carlos Rennó, 1984) - o que evidencia o prestígio de Tetê no meio musical. Canções como Triste acauã (Tetê Espíndola e Breno Ruiz, 2006) - que conta melancólica saga de amor sertanejo entrecortada pela percussão corporal de Marcelo Pretto - e Aos elementais (Tetê Espíndola e Luhli, 1987) desnudam a beleza entranhada em um Brasil rural ignorado pelos centros urbanos que ditam a produção musical do país. Brasil sintetizado na garganta - ainda repleta de pássaros - de Tetê Espíndola.

15 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Tetê Espíndola ainda guarda pássaros na garganta privilegiada. Basta ouvir Passarinhão (Tetê Espíndola e Marta Catunda, 2006) - música que abre Asas do etéreo, o primeiro álbum de inéditas da artista de Mato Grosso desde E va por ar (Luz Azul, 2007) - para perceber a revoada que sai em disparada. Comercializado pelo Selo Sesc em luxuosa edição dupla que inclui o álbum Pássaros da garganta (Som da Gente, 1982), clássico da discografia de Tetê pela primeira vez reeditado em CD, Asas do etéreo voa com segurança pelo universo habitual do som da cantora e compositora. O diálogo com o disco de 1982 é feito através da craviola - instrumento de 12 cordas criado por Paulinho Nogueira que funde o cravo com a viola caipira e cujo som é recorrente nos dois álbuns - e da evocação de sons de um Brasil de dentro. Grande parte da obra de Tetê está enraizada no sertão do Centro-Oeste, na Chapada dos Guimarães (MT), em conexão com matas, bichos, rios e cachoeiras. É com os pés nesse solo de natureza tão rica que Asas do etéreo voa mais alto em canções Acácias (Tetê Espíndola e Marta Catunda, 2011) - música gravada com o piano límpido de Egberto Gismonti - e Trigo do amor (Tetê Espíndola, 1984), faixa na qual o cantor e compositor paulista Dani Black (filho de Tetê) toca guitarra acústica e faz contracanto que valoriza a gravação. A seleção de canções autorais - compostas por Tetê em diversas épocas - é boa, tirando do baú algumas joias, como a bela música-título Asas do etéreo (Tetê Espíndola, 2011), gravada no tempo de delicadeza que pontua o disco produzido por Tetê com Paulo LePetit, dono do contrabaixo ouvido em Canção (Tetê e Bené Fonteles, 2008). A adesão de instrumentistas diferentes em cada faixa torna o disco mais especial. O toque personalíssimo do trombone de Bocato dá o colorido de Amarelando (Tetê Espíndola, 1987), composição que pode ser caracterizada como canção romântica dentro do espírito indomado da música de Tetê. Ninguém menos do que Hermeto Pascoal toca escaleta em Crisálida-borboleta (Tetê Espíndola e Carlos Rennó, 1984) - o que evidencia o prestígio de Tetê no meio musical. Canções como Triste acauã (Tetê Espíndola e Breno Ruiz, 2006) - que conta melancólica saga de amor sertanejo entrecortada pela percussão corporal de Marcelo Pretto - e Aos elementais (Tetê Espíndola e Luhli, 1987) desnudam a beleza entranhada em um Brasil rural ignorado pelos centros urbanos que ditam a produção musical do país. Brasil sintetizado na garganta - ainda repleta de pássaros - de Tetê Espíndola.

Douglas Carvalho disse...

Essa moça é uma das cantoras mais originais e corajosas do mundo. Segura do valor e da personalidade artística que tem, Tetê sempre soube que mesmo que sua voz agudíssima pudesse ser detestada por alguns, seria sempre essa a sua característica principal, e dela nunca fugiu. O resultado é que mesmo nunca tendo repetido o sucesso comercial de "Escrito nas estrelas" está aí até hoje atuando e colorindo o panorama musical do país.

Acho-a genial!

Rubens Lisboa disse...

Tetê é uma ave rara. Já tive oportunidade de dividir o palco com ela e sei o que estou falando. Ali, ela cresce, vira bicho e devora todos. Amo-a com devoção!

CN disse...

Pioneira do regionalismo nos grandes centros, com uma formação musical que foge completamente ao convencional, dona de uma extensão incomum e um timbre absolutamente único, Tetê é nossa maior avis rara. Injetou estranheza, inconformismo, inquietude ao panorama musical contemporâneo e abriu portas para todas as vozes singulares. Ousadia, lucidez, coerência e uma absurda personalidade fazem dela uma das nossas artistas mais importantes de todos os tempos. É impossivel ser indiferente à sua voz e à força do seu recado. Ela faz com que o ouvinte deixe sua zona de conforto e isso não é para qualquer um.
Quanto a gostar ou não gostar, o importante é dar atenção a quem gosta. Ela é uma (ins) piração !
Este box duplo é necessário.
Pássaros na Garganta é um álbum reverenciado pela nata da música brasileira e pensar que ela cantava o amor feito no mato e a relação com o profano e a natureza em 1982, muito antes da ecologia ser moda ....

Carlos Navas

Rafael M. disse...

Mauro, poderia me informar quem são os compositores de "Menina", "Beijo N'Água" e "Diga Não"? É para o meu trabalho de pesquisa musical. Ficarei grato caso possa me ajudar. Abraço.

Fabio disse...

Rafael, acesse o site do Sesc ou o da Tete que você poderá visualizar o encarte do CD.

Vale ressaltar que pelo box luxuoso e por ser duplo o preço é incrível.

Denilson Santos disse...

Tetê Espindola é uma das cantoras mais fantásticas surgidas no mundo em todos os tempos. Sou muito fã.
A música "Aos Elementais" que ela compôs com a Luhli é magnífica.
Abração
Denilson

Denilson Santos disse...

Tetê Espindola é uma das cantoras mais fantásticas surgidas no mundo em todos os tempos. Sou muito fã.
A música "Aos Elementais" que ela compôs com a Luhli é magnífica.
Abração
Denilson

Rafael M. disse...

Fábio, muito obrigado pela dica. Acho a Tetê uma das mais fanstásticas cantoras dessa gerração. A voz e a personalidade dela são únicas. Escutei algun trechos da música no site do Sesc. Vale a pena comprar esse box, porque Tetê e nós merecemos isso. Um abraço.

Rafael M. disse...

Fábio, agradeço pela dica do encarte, mas não achei ele no site da Tetê, e olha que eu revirei tudo. No site do Sesc também não achei. Agradeço de qualquer forma a sua boa vontade em ajudar, visto que o Mauro não quis me responder a questão feita a ele.

Rafael M. disse...

Fábio, acabei de achar o encarte no site do Sesc. Ufa! Ainda bem. Abraços e obrigado.

Marcelo disse...

O cd na qual Tetê é apenas intérprete é fabuloso. Seria ótimo se ela fizesse algo semelhante em breve!!!

ViniciusMendes disse...

Mato Grosso do Sul, Mauro. Ela é de Campo Grande (que por sinal é a capital).

Douglas Carvalho disse...

2014 - Asas Do Etéreo (SESC-SP)
1. Passarinhão (Tetê Espíndola / Marta Catunda)
2. Acácias (Tetê Espíndola / Marta Catunda)
3. Asas do Etéreo (Tetê Espíndola)
4. Amarelando (Tetê Espíndola)
5. Canção (Tetê Espíndola / Bené Fonteles)
6. Trigo do Amor (Tetê Espíndola)
7. Beijo N'Água (Tetê Espíndola)
8. Triste Acauã (Tetê Espíndola / Breno Ruiz)
9. Aos Elementais (Tetê Espíndola / Luhli)
10. Menina (Tetê Espíndola / Arnaldo Black)
11. Diga Não (Tetê Espíndola / Marta Catunda)
12. Crisálida-Borboleta (Tetê Espíndola / Carlos Rennó)

Fonte: www.cantorasdobrasil.com.br

(Meu site! Grato pelas visitas! rsrsrs)

Rafael M. disse...

Fonte desse disco também está no site www.memoriamusical.com.br, um dos melhores bancos de dados sobre música no Brasil.