Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

'Vivendo um amor com vocês', Baby refaz seu Carnaval de hits no Recife

Recife (PE) - Baby do Brasil voltou, Recife! Embora já tenha apresentado seu eletrizante show Baby sucessos na Capital de Pernambuco em dezembro de 2012, na edição do Vivo open air realizada na cidade, a cantora fluminense retornou ao Recife como uma das (mais esperadas) atrações do Carnaval 2013. Pelo menos para o público que agitou o Pátio de São Pedro na madrugada desta segunda-feira, 11 de fevereiro, Baby do Brasil - vista em foto de Rodrigo Amaral - era o próprio Carnaval. E a cantora justificou a expectativa ao fazer seu primeiro show gratuito desde que voltou à cena em 2012. "Estamos com saudade, Baby", improvisou, com presença de espírito, o guitarrista Pedro Baby  - filho da cantora e mentor da oportuna reintegração de sua mãe ao universo pop - ao cantar com Baby Planeta Vênus (Baby do Brasil, Pepeu Gomes e Riroca Gomes, 1982), música que entrou no roteiro de Baby sucessos após a estreia nacional do show, em 31 de outubro de 2012, no Rio de Janeiro (RJ). Em uma hora e meia, Baby matou a saudade do povo recifense ao dar outro testemunho de fé na brasilidade pop de músicas como Lá vem o Brasil descendo a ladeira (Moraes Moreira e Pepeu Gomes, 1979), Menino do Rio (Caetano Veloso, 1979), Todo dia era dia de índio (Jorge Ben Jor, 1981) e Cósmica (Baby do Brasil, 1982). "A gente tá vivendo um amor com vocês", disse Baby em determinado momento do show, externando uma felicidade já perceptível na sua presença magnética em cena. Aos inacreditáveis 60 anos, com a voz tinindo como nos tempos em que se chamava Baby Consuelo, a cantora fez sua folia no Carnaval do Recife sem perder o pique, cantando até o rock Barrados na Disneylândia (Baby do Brasil, Pepeu Gomes e Riroca Gomes, 1984), outro número ausente do roteiro original do show. "Papai é festa no céu todo dia", sentenciou a popstora, em alusão a Deus. A julgar pela evolução da turnê nacional do show Baby sucessos, já gravada para edição de DVD e CD ao vivo previstos ainda para este primeiro semestre de 2013, Baby do Brasil é festa na terra todo dia, vivendo um amor com novo público.

O blog Notas Musicais cobre o Carnaval do Recife (PE) a convite da Prefeitura do Recife.

17 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Recife (PE) - Baby do Brasil voltou, Recife! Embora já tenha apresentado seu eletrizante show Baby sucessos na Capital de Pernambuco em dezembro de 2012, na edição do Vivo open air realizada na cidade, a cantora fluminense retornou ao Recife como uma das (mais esperadas) atrações do Carnaval 2013. Pelo menos para o público que agitou o Pátio de São Pedro na madrugada desta segunda-feira, 11 de fevereiro, Baby do Brasil - vista em foto de Rodrigo Amaral - era o próprio Carnaval. E a cantora justificou a expectativa ao fazer seu primeiro show gratuito desde que voltou à cena em 2012. "Estamos com saudade, Baby", improvisou, com presença de espírito, o guitarrista Pedro Baby - filho da cantora e mentor da reintegração de sua mãe ao universo pop - ao cantar com Baby Planeta Vênus (Baby do Brasil, Pepeu Gomes e Riroca Gomes, 1982), música que entrou no roteiro de Baby sucessos após a estreia nacional do show, em 31 de outubro de 2012, no Rio de Janeiro (RJ). Em uma hora e meia, Baby matou a saudade do povo recifense ao dar outro testemunho de fé na brasilidade pop de músicas como Lá vem o Brasil descendo a ladeira (Moraes Moreira e Pepeu Gomes, 1979), Menino do Rio (Caetano Veloso, 1979), Todo dia era dia de índio (Jorge Ben Jor, 1981) e Cósmica (Baby do Brasil, 1982). "A gente tá vivendo um amor com vocês", disse Baby em determinado momento do show, externando felicidade perceptível na sua presença magnética em cena. Aos inacreditáveis 60 anos, com a voz tinindo como nos tempos em que se chamava Baby Consuelo, a cantora fez sua folia no Carnaval do Recife sem perder o pique, cantando até o rock Barrados na Disneylândia (Baby do Brasil, Pepeu Gomes e Riroca Gomes, 1984), outro número ausente do roteiro original do show. "Papai é festa no céu todo dia", sentenciou a popstora, em alusão a Deus. A julgar pela evolução da turnê nacional do show Baby sucessos, já gravada para edição de DVD e CD ao vivo previstos ainda para este primeiro semestre de 2013, Baby do Brasil é festa na terra todo dia, vivendo um amor com novo público.

Maria disse...

Mauro, e o show de Paulinho da Viola?

Rafael M. disse...

Até Baby estava em Recife? Mas que coisa... Até Recife está com o Carnaval melhor do que de São Paulo e Rio...

Rafael M. disse...

Tomara que neste ano seja finalmente lançado em CD, DVD e blu-ray pr alguma gravadora o bem vindo retorno dela as canções de MPB e pop, que ela sempre cantou tão bem.

ADEMAR AMANCIO disse...

A Baby é tão boa quanto seu repertório,mas "Barrados na Disneylandia"...

Fábio Passadisco disse...

Como assim, Rafael?

Até Recife!

Anônimo disse...

Paulinho é hoje de noite, Maria!!!
Uhhuuuuuuuuu!
É que são muitos polos de shows, Maricota. NÃO DÁ pra ver tudo.
São centenas de shows espalhados pela cidade.
Ontem, por exemplo, eu queria ver o Afrobombas(banda novo de Du Peixe da Nação e da filha de Chico Science), mas optei com Zeca Baleiro, Otto e Titãs - esses três em um mesmo polo.
Ainda tinha Baby Consuelo, que o Mauro foi, em outro polo e a Tulipa em outro...
Terça feira tem Céu! - no mesmo polo que tocou a Tulipa. O Polo Mangue.
Hoje, por exemplo, eu queria ver o Bnegão, mas vai ser no mesmo horário do Paulinho...
E ainda teve e tem Siba, Eddie, Alceu, Alcione(hehehe), Lenine...
Vc acredite se quiser, mas tem MUITA gente (como sempre os mais reaças e conservadores) que são putos com esses shows.
Dizem que não é o "verdadeiro carnaval".
Pôooo, não atrapalha em nada e os shows são só a noite!!!
Tem toda a manhã e a tarde pra brincar o "verdadeiro carnaval" em Olinda e no Recife Antigo.
Enfim... Bom carnaval pra ti!

PS: Felipe, seus amados Titãs lavaram a alma ontem no Marco Zero.
Mas, chato que sou, achei a banda pra lá de capenga.
Eles pesaram as músicas e perderam as nuances - os quatro, mais um convidado na batera, não dão conta dos arranjos originais.
Há uns 15 anos não via um show dos caras. Valeu.
Mas show mesmo foi o do galego maluquete Otto!
Bora nessa!

Anônimo disse...

Ahh, o carnaval de Recife SEMPRE foi o melhor. A diferença é que agora esta MUITO melhor que os outros.
Não tem mais disputa. :>)

PS: O mais legal dos shows é que quem escala tem um puta critério de qualidade.
Os medíocres da música que infestam a mídia durante todo o ano aqui são barrados no baile.

Rafael M. disse...

Fábio, realmente não fui bem claro quanto a minha explicação. Me referi em lançar em DVD e CD o show de retorno que ela havia feito no ano passado às canções de MPB, que Caetano inclusive participou cantando e foi aqui noticiado no blog. Mas me lembrei agora de que esse show, até onde eu sei, não foi filmado.

Maria disse...

Muito legal, Zé Henrique! O Carnaval de Recife tem muito mais a ver comigo musicalmente falando do que o da minha amada Salvador.

KL disse...

O show da década. Simples assim.

Márcio disse...

Uma curiosidade: os shows em Recife têm o repertório adaptado/modificado em função do carnaval ou são os mesmos que os artistas apresentariam em outras épocas do ano?

Mauro Ferreira disse...

São, em essência, shows de sucessos, Márcio. Mas alguns artista incluem no roteiro duas ou três músicas de Carnaval, de compositores de Pernambuco. Abs, MauroF

Anônimo disse...

E o mais legal, ao meu ver, é que alguns polos ficam em áreas carentes. E quem toca no Marco Zero(palco principal da festa) canta obrigatoriamente em algum palco do subúrbio.
Importante: Os shows são todos free.
Sobre o que o baiano Márcio perguntou. Então, cara, um dos argumentos de quem é contra os shows é que o turista não vem pra cá para ver shows - argumento bem equivocado, já que pode ver na sua cidade.
Como se um show em praça pública, e em pleno carnaval, fosse igual a qualquer outro.
Ora, show é, antes de tudo, clima!
Aliás, tudo é clima/estado de espírito.
Um show da Nação Zumbi no Marco Zero não pode ser comparado a um no Sesc Belenzinho, por exemplo.

PS: Maria, vc devia ir atrás do trio de Magary. :-)

Márcio disse...

Obrigado pela informação, Mauro. Acho positiva a iniciativa dos shows em Recife, mas, no carnaval, eu particularmente prefiro música de carnaval, e não é todo artista que tem pique/repertório para esse tipo de show. Baby Consuelo (sempre a chamarei assim) e Nação Zumbi são exceções. Me lembro de ter visto na TV, acho que há dois anos, Marina e Fernanda Takai se apresentando no Marco Zero. Gosto das duas, de quem já vi vários shows, mas certamente preferiria atrações mais ligadas à celebração. Para mim, show de carnaval tem de ser fundamentalmente para se dançar - só assistir é pouco. Zé Henrique, os artistas pernambucanos acham justa a proporção de atrações locais e de fora bancadas pelo governo durante o carnaval?

Anônimo disse...

Márcio, tem muito mais artistas pernambucanos escalados que de fora.
Se tiver interesse olha aí a programação:
http://estaticog1.globo.com/2013/01/25/ProgramacaoCompletaCarnaval2013.pdf

Acontece que muitos dos artistas locais não têm, ou têm pouca, fama nacional, tipo:
Antúlio Madureira, Maestro Forró - apesar do nome ele comanda uma orquestra de frevo, João do Morro, o octagenário inteiraço Cladionor Germano, que canta Capiba como ninguém, Getúlio Cavalcanti, que canta frevo canções lindos e eternos que todo bom pernambucano sabe decorado, Nena Queiroga, Lia de Itamaracá com suas cirandas, Marrom Brasileiro com seus caboclinhos...
Fora os mais conhecidos por quem, digamos, manja de música, como: Otto, Siba, Lenine, Nação Zumbi, Mundo Livre, Eddie, Elba(que já de casa há tempos), Alceu, Mombojó, Reginaldo Rossi(simmmmm, até ele! hehehe) Naná vasconcelos, Geraldo Azevedo, Bonsucesso Samba Clube...
Enfim, não há polo de música que não tenha artista pernambucano.

PS: Entendo e concordo com o que vc diz sobre Fernanda Takai e Marina. Mas a ideía é caber tudo.
Vc escolhe o que lhe agrada pra fechar sua noite.
E como diria Mano Caetano, que ontem teve por aqui cantando no Marco Zero: É proibido proibir.

João Victor Torres disse...

Vi com os meus olhos. Baby pode, Baby é foda.