Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Vivo, Alceu exercita a 'loucura da Arte' em show no Carnaval do Recife

Recife (PE) - "Viva a loucura da Arte!". Já passava das quatro horas da madrugada desta quarta-feira de cinzas, 13 de fevereiro de 2013, quando Alceu Valença fechou com essa frase de efeito o show que fez no Marco Zero, no Centro Histórico do Recife, na (longa) noite de encerramento do Carnaval da capital de Pernambuco. Com livre trânsito entre as pontes do Recife e as ladeiras de Olinda (PE), o cantor e compositor pernambucano eletrizou o público com show - em essência - similar ao que costuma fazer nos Carnavais da cidade. Após abrir a apresentação com Bicho maluco beleza, Alceu cantou frevos como Bom demaisMe segura senão eu caio e Vampira - os três de autoria do compositor J. Michiles - e fez discurso contra a ausência do gênero na programação das rádios de Pernambuco. Exercitando a loucura de sua Arte, Alceu usou em cena duas fantasias - a segunda foi de Carlitos, célebre personagem do ator inglês Charles Chaplin (1889 - 1977), como visto na foto de Rodrigo Amaral - e seguiu roteiro que incluiu a Ciranda da rosa vermelha, uma versão cantada do frevo Vassourinhas, Roda e avisa (outro frevo de J. Michiles) e seu sucesso La belle de jour (1992), além de hits obrigatórios como Anunciação (1983) e Tropicana (1982). Vivo como no seu elétrico show de 1976, Alceu Valença recriou no Carnaval do Recife a lúcida loucura de sua Arte íntegra, perene.

O blog Notas Musicais cobre o Carnaval do Recife (PE) a convite da Prefeitura do Recife.

3 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Recife (PE) - "Viva a loucura da Arte!". Já passava das quatro horas da madrugada desta quarta-feira de cinzas, 13 de fevereiro de 2013, quando Alceu Valença fechou com essa frase de efeito o show que fez no Marco Zero, no Centro Histórico do Recife, na (longa) noite de encerramento do Carnaval da capital de Pernambuco. Com livre trânsito entre as pontes do Recife e as ladeiras de Olinda (PE), o cantor e compositor pernambucano eletrizou o público com show - em essência - similar ao que costuma fazer nos Carnavais da cidade. Após abrir a apresentação com Bicho maluco beleza, Alceu cantou frevos como Bom demais, Me segura senão eu caio e Vampira - os três de autoria do compositor J.Michiles - e fez discurso contra a ausência do gênero na programação das rádios de Pernambuco. Exercitando a loucura de sua Arte, Alceu usou em cena duas fantasias - a segunda foi de Carlitos, célebre personagem do ator inglês Charles Chaplin (1889 - 1977), como visto na foto de Rodrigo Amaral - e seguiu roteiro que incluiu a Ciranda da rosa vermelha, uma versão cantada do frevo Vassourinhas, Roda e avisa (outro frevo de J. Michiles) e seu sucesso La belle de jour (1991), além de hits obrigatórios como Anunciação (1983) e Tropicana (1982). Vivo como no seu elétrico show de 1976, Alceu Valença recriou no Carnaval do Recife a lúcida loucura de sua Arte íntegra, perene.

Rafael M. disse...

Grande Alceu! O Carnaval de Recife foi mesmo agitado. Enquanto em um lugar tem artistas famosos demais, as demais cidades ficam sem nenhum, pobres de folia. Culpa é dos administradores de cada cidade, que não investem o dinheiro como deveriam.

Eduardo Cáffaro disse...

Mauro, sabe se vai sair em Cd ou DVD aquele show que Alceu fez com orquestra ?