Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Eis a (bela) capa de 'Recanto ao vivo', CD duplo de Gal que sai em março

Com bela e expressiva capa, que traduz o clima do show, o CD duplo Recanto ao vivo chega às lojas em março de 2013, em edição da Universal Music, com o registro integral do show captado no Theatro Net Rio, no Rio de Janeiro (RJ), em 8 e 9 de outubro de 2012. O CD é duplo e - tal como o DVD homônimo a ser lançado também em março - traz todos os 23 números da apresentação gravada - inclusive Modinha para Gabriela (Dorival Caymmi, 1975), música ausente do roteiro original, mas incluída no bis, com o aval do diretor Caetano Veloso, por conta da propagação na novela exibida pela TV Globo no ano passado com nova adaptação do livro do escritor Jorge Amado (1912 - 2001). Eis a distribuição das 23 músicas no CD duplo:

CD 1
1. Da maior importância (Caetano Veloso, 1973)
2. Tudo dói (Caetano Veloso, 2011)
3. Recanto escuro (Caetano Veloso, 2011)
4. Divino maravilhoso (Caetano Veloso e Gilberto Gil, 1968)
5. Folhetim (Chico Buarque, 1978)
6. Mãe (Caetano Veloso, 1978)
7. Segunda (Caetano Veloso, 2011)
8. Minha voz, minha vida (Caetano Veloso, 1982)
9. Barato total (Gilberto Gil, 1974)
10. Autotune autoerótico (Caetano Veloso, 2011)
11. Cara do mundo (Caetano Veloso, 2011)
CD 2

1. Deus é o amor (Jorge Ben Jor, 1968)
2. Dom de iludir (Caetano Veloso, 1977)
3. Neguinho (Caetano Veloso, 2011)
4. O Amor (Caetano Veloso e Ney Costa Santos sobre poema de Vladimir Maiakovski, 1981)
5. Baby (Caetano Veloso, 1968)
6. Vapor barato (Jards Macalé e Waly Salomão, 1971)
7. Um dia de domingo (Michael Sullivan & Paulo Massadas, 1985)
8. Miami maculelê (Caetano Veloso, 2011)

9. Mansidão (Caetano Veloso, 1982)
10. Força estranha (Caetano Veloso, 1978)
11. Meu bem, meu mal (Caetano Veloso, 1981)
12. Modinha para Gabriela (Dorival Caymmi, 1975)

24 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Com bela e expressiva capa, que traduz o clima do show, o CD duplo Recanto ao vivo chega às lojas em março de 2013, em edição da Universal Music, com o registro integral do show captado no Theatro Net Rio, no Rio de Janeiro (RJ), em 8 e 9 de outubro de 2012. O CD é duplo e - tal como o DVD homônimo a ser lançado também em março - traz todos os 23 números da apresentação gravada - inclusive Modinha para Gabriela (Dorival Caymmi, 1975), música ausente do roteiro original, mas incluída no bis, com o aval do diretor Caetano Veloso, por conta da propagação na novela exibida pela TV Globo no ano passado com nova adaptação do livro do escritor Jorge Amado (1912 - 2001). Eis a distribuição das 23 músicas no CD duplo:

CD 1
1. Da maior importância (Caetano Veloso, 1973)
2. Tudo dói (Caetano Veloso, 2011)
3. Recanto escuro (Caetano Veloso, 2011)
4. Divino maravilhoso (Caetano Veloso e Gilberto Gil, 1968)
5. Folhetim (Chico Buarque, 1978)
6. Mãe (Caetano Veloso, 1978)
7. Segunda (Caetano Veloso, 2011)
8. Minha voz, minha vida (Caetano Veloso, 1982)
9. Barato total (Gilberto Gil, 1974)
10. Autotune autoerótico (Caetano Veloso, 2011)
11. Cara do mundo (Caetano Veloso, 2011)
CD 2
1. Deus é o amor (Jorge Ben Jor, 1968)
2. Dom de iludir (Caetano Veloso, 1982)
3. Neguinho (Caetano Veloso, 2011)
4. O Amor (Caetano Veloso e Ney Costa Santos sobre poema de Vladimir Maiakovski, 1981)
5. Baby (Caetano Veloso, 1968)
6. Vapor barato (Jards Macalé e Waly Salomão, 1971)
7. Um dia de domingo (Michael Sullivan & Paulo Massadas, 1985)
8. Miami maculelê (Caetano Veloso, 2011)9. Mansidão (Caetano Veloso, 2011)
10. Força estranha (Caetano Veloso, 1979)
11. Meu bem, meu mal (Caetano Veloso, 1981)
12. Modinha para Gabriela (Dorival Caymmi, 1975)

Maria disse...

Linda a capa! assim que o DVD sair, eu compro.

Fabio disse...

Yesssssssss :-)

maroca disse...


Augusto Flávio (Juazeiro-Ba)

Mauro creio que Força estranha seja de 1978 gravação original de Roberto. Gal regravou no Gal tropical em 1979.

Unknown disse...

sera wue ela conseguiu csntar gsbrirla como na versso originsl?

Mauro Ferreira disse...

Tem razão, Augusto. Grato pelo toque. abs, MauroF

Tudo foi feito ... disse...

Sim, ela canta Modinha p/ Gabriela no show igualzinho, bem parecida com a versão original. Uhulllll tá todo mundo esperando esse cd. Capa lindaaaaaa.

Evangelina Maffei disse...

Mauro, Mansidao é de 1982.

william disse...

Como diriam Toquinho e Benjor, "que maravilha"! Aguardo o DVD com muita ( e merecida) expectativa!

maroca disse...


Augusto Flávio (Juazeiro-Ba)

Tomara que "Recanto escuro" que é uma música belíssima, não tenha aqueles samples chatos, o qual estragou a canção no disco de estúdio.

Mauro Ferreira disse...

Claro, Evangelina. A Jane Duboc lançou a música. Obrigado, MauroF

Eduardo Cáffaro disse...

Que delicia ... já aguardando o meu e tb espero que a Bela Canção Recando não tenha tantos ruídos chatos como na versão de estúdio que estragaram a bela composição inspiradíssima de Caetano. Para mim quando eles cantaram ao vivo no programa do Jô, apenas Gal e o violão de Caetano ...a música me emocionou muito mais. Sera que o DVD sai junto co o cd ? Ou vem um tempo depois ?

Igor A. disse...

Mauro, alguma informação sobre extras no DVD?

Anônimo disse...

Capa estilosa, classuda.
Mas eu limaria do repertório Folhetim, Um Dia de Domingo, Meu Bem, Meu Mal e Modinha Para Gabriela e incluiria umas duas do Fa-Tal e mais umas duas instigantes quaisquer em prol do conceito do disco/show.

maroca disse...


Augusto Flávio (Juazeiro-Ba)

Zé Henrique, eu também faria o mesmo que vc. Só que tem outras pessoas que pagam ingressos para ver essas canções batidas e temos que respeita-las.

Marcello disse...

Ao contrario de quem parece não ter entendido a estetica de Recanto, que é inseparavel de sua musica, espero que a canção Recanto Escuro venha no cd ao vivo com todas as belissimas intervenções eletronicas preservadas. Sem elas a canção dentro de Recanto perde todo o seu sentido.
O roteiro do show desenhado por Caetano Veloso é primoroso e segue cinematograficamente a letra de Recanto Escuro que é uma biografia cifrada de Gal e de Caetano e da relação ds dois. Assim, é obvio, que Recanto, o Show, é um roteiro musical e dramatico da carreira de Gal e de sua relação com Caetano.
Folhetim está nele pq foi ao gravar pela primeira vez em sua carreira uma canção de chico , o contraponto artistico perfeito de cae, que Gal sinalizou a mudança radical que viria menos de um ano depois com Gal Tropical.
A aproximação comercial de Gal à canção de tom popularesco nos anos 80 é literalmente citada no verso mais ousado e corajoso da letra de Recanto Escuro e um dia de domingo é a canção simbolo desse periodo, portanto nao poderia estar de fora, sendo tb o tema um dos pontos mais caros aos tropicalistas ( alguem se lembra do escandalo que foi Gal gravar roberto no disco tropicalista de 68?)
Gal, no show, a canta em forma de parodia, outra marca profundamente tropicalista.
Meu bem, meu mal é a musica que fecha o show e é, obvio, para quem ve o show, que esta ali como uma oração e agradecimento final mutuo entre os dois, entre a amizade de caetano e Gal e a historia musical dos dois artistas que começaram juntos em Domingo, o caminho, o vicio desde o inicio.

Marcello disse...

Ao contrario de quem parece não ter entendido a estetica de Recanto, que é inseparavel de sua musica, espero que a canção Recanto Escuro venha no cd ao vivo com todas as belissimas intervenções eletronicas preservadas. Sem elas a canção dentro de Recanto perde todo o seu sentido.
O roteiro do show desenhado por Caetano Veloso é primoroso e segue cinematograficamente a letra de Recanto Escuro que é uma biografia cifrada de Gal e de Caetano e da relação ds dois. Assim, é obvio, que Recanto, o Show, é um roteiro musical e dramatico da carreira de Gal e de sua relação com Caetano.
Folhetim está nele pq foi ao gravar pela primeira vez em sua carreira uma canção de chico , o contraponto artistico perfeito de cae, que Gal sinalizou a mudança radical que viria menos de um ano depois com Gal Tropical.
A aproximação comercial de Gal à canção de tom popularesco nos anos 80 é literalmente citada no verso mais ousado e corajoso da letra de Recanto Escuro e um dia de domingo é a canção simbolo desse periodo, portanto nao poderia estar de fora, sendo tb o tema um dos pontos mais caros aos tropicalistas ( alguem se lembra do escandalo que foi Gal gravar roberto no disco tropicalista de 68?)
Gal, no show, a canta em forma de parodia, outra marca profundamente tropicalista.
Meu bem, meu mal é a musica que fecha o show e é, obvio, para quem ve o show, que esta ali como uma oração e agradecimento final mutuo entre os dois, entre a amizade de caetano e Gal e a historia musical dos dois artistas que começaram juntos em Domingo, o caminho, o vicio desde o inicio.

Marcello disse...

Ao contrario de quem parece não ter entendido a estetica de Recanto, que é inseparavel de sua musica, espero que a canção Recanto Escuro venha no cd ao vivo com todas as belissimas intervenções eletronicas preservadas. Sem elas a canção dentro de Recanto perde todo o seu sentido.
O roteiro do show desenhado por Caetano Veloso é primoroso e segue cinematograficamente a letra de Recanto Escuro que é uma biografia cifrada de Gal e de Caetano e da relação ds dois. Assim, é obvio, que Recanto, o Show, é um roteiro musical e dramatico da carreira de Gal e de sua relação com Caetano.
Folhetim está nele pq foi ao gravar pela primeira vez em sua carreira uma canção de chico , o contraponto artistico perfeito de cae, que Gal sinalizou a mudança radical que viria menos de um ano depois com Gal Tropical.
A aproximação comercial de Gal à canção de tom popularesco nos anos 80 é literalmente citada no verso mais ousado e corajoso da letra de Recanto Escuro e um dia de domingo é a canção simbolo desse periodo, portanto nao poderia estar de fora, sendo tb o tema um dos pontos mais caros aos tropicalistas ( alguem se lembra do escandalo que foi Gal gravar roberto no disco tropicalista de 68?)
Gal, no show, a canta em forma de parodia, outra marca profundamente tropicalista.
Meu bem, meu mal é a musica que fecha o show e é, obvio, para quem ve o show, que esta ali como uma oração e agradecimento final mutuo entre os dois, entre a amizade de caetano e Gal e a historia musical dos dois artistas que começaram juntos em Domingo, o caminho, o vicio desde o inicio.

Daทilo disse...

Realmente a capa tá muito bonita...Concordo com o Zé Henrique. Sempre digo que Chico é um compositor "que não erra", mas dai eu lembro de Folhetim e reconsidero. Acho muito chata. E o Recanto tem uma(ótima) vibe fria, melancólica, pra "Um Dia de Domingo" que..bom, deixa pra lá.

Victor Moraes, disse...

Eu posso até jurar que Gal não quis "modinha para Gabriela" na lista.

Anônimo disse...

Marcello, tá tudo muito bem fundamentado. Tinha coisas que não tinha sacado. Mas, meu chapa, não confunda peloamordedeus o Roberto bacanudo que Gal gravou nos tempos tropicalistas com o Tim já caído da fase Um Dia de Domingo.
Uma coisa nada tem a ver com a outra.
Seria como comparar a Marisa Monte do Cor de Rosa e Carvão com essa de hoje, a do "coração aposentado".

Augusto, um projeto desses e vc se curvar ao gosto do público médio?
Ora, o conceito do projeto não é ser instigante, afrontar os bundas moles e suas zonas de conforto e seus mais do mesmo?
Modinha Pra Gabriela é o oposto disso!
A inclusão dessas músicas cortam meu barato.

PS: Marcello, era melhor que o roteiro seguisse os moldes de uma biogafria autorizada.
Ou seja, limasse as desgraças e só sublinhasse as coisas boas. ehheheh

Pedro Progresso disse...

eu tb enxerguei essas referências do Marcello na 2ª vez que assisti o show. ficou bem clara a costura do show depois que pensei na relação Gal-Caetano e nas etapas da carreira de Gal.

ainda achei que faltou algo do plural e do o sorriso do gato. também senti falta de uma canção de carnaval, que é um lado importante da carreira dela e ficqaria ótimo um "balancê" eletrônico. mas o show como ficou foi um marco.

a capa está linda. adorei a inclusão de Modinha para Gabriela e até mesmo a divisão do cd 1 para o cd 2 ficou ideal. espero um grande registro.

Unknown disse...

Capa linda, assistir duas vezes ao show, ansiosa pelo cd e dvd, Gal é Gal e ponto!

Eduardo Cáffaro disse...

Não sou contra as intervenções eletrônicas, eu adoro. Mas digo que recanto escuro, com tanto chiado, enche o saco de ouvir num aparelho potente. Conceituar tudo pode ser ótimo, mas para quem quer ficar ouvindo Gal e seu Cd mais de uma vez, os ruidos da primeira faixa, enchem o saco sim. O restante do Cd é maravilhoso.